STF MANDA GOLEIRO BRUNO DE VOLTA À PRISÃO

     - A maioria dos ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta terça-feira (25) pelo retorno do goleiro Bruno à prisão. Foram 3 votos a 1, pela queda da decisão de fevereiro do ministro Marco Aurélio Mello de soltar o atleta; ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber e Luiz Fux votaram pelo retorno de Bruno à prisão; ministro Marco Aurélio votou pela permanência em liberdade; ministros analisaram um recurso da mãe de Elisa Samúdio contra a soltura, sob o argumento de que a liberdade do goleiro colocava em risco sua integridade física e a de seu neto, filho de Bruno com Eliza

    Chegou ao fim nesta terça-feira (25) o período de 60 dias em que o goleiro Bruno Fernandes pôde aproveitar sua liberdade provisória. Por 3 votos a 1, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) revogou a liminar dada pelo ministro Marco Aurélio que concedia ao goleiro o direito de esperar em liberdade os julgamentos dos seus recursos e ainda negou o mérito do pedido de habeas corpus.
    Votaram a favor do retorno de Bruno à prisão, o relator do caso, o ministro Alexandre de Moraes, e também a ministra Rosa Weber e Luiz Fux. O único que votou contra o retorno à prisão do goleiro foi o ministro Marco Aurélio, o mesmo concedido o direito a liberdade ao jogador. Luís Roberto Barroso, que também faz parte da turma, não participou da reunião.
    Clique aqui para a íntegra do relatório
    Histórico
    Após jogar cinco partidas, sofrer quatro gols, levar um cartão amarelo e conseguir duas vitórias, Bruno trocará os gramados em que esteve nos últimos dois meses por um pequeno espaço em um centro de reclusão de Minas Gerais. Ainda não se sabe se o goleiro voltará para a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) em Santa Luzia, local onde ele cumpria sua pena desde setembro de 2015. A decisão ficará a cargo da Justiça.
    Com o pedido negado, o goleiro tem suas chances de liberdade esgotadas até que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) julgue a apelação contra a condenação de 22 anos e 3 meses, a qual o goleiro foi sentenciado em 2013, mas já estava preso desde 2010. Não há previsão para que esse julgamento aconteça no Tribunal mineiro.
    O caso Bruno
    Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pela morte da morte da modelo Elisa Samudio, que estava cobrando pensão do goleiro pelo filho que teve com ele, e também por ocultação do cadáver e o sequestro do filho da modelo. Além de Bruno, outras cinco pessoas foram condenadas por participação no crime. A ex-mulher dele foi absolvida da acusação de sequestro e cárcere privado do bebê.
    Quem votou na decisão sobre retorno de Bruno para a prisão
    1. Alexandre de Moraes - relator - voltar à prisão
    2. Rosa Weber - voltar à prisão
    3. Luiz Fux - voltar à prisão
    4. Marco Aurélio - defendeu a liminar e soltura de Bruno
    5. Luís Roberto Barroso - não participou da reunião
    Com jornal O Tempo

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper