Tribunal argentino quer barrar Cristina Kirchner

     - Se você vir alguma semelhança na perseguição da ex-presidente Cristina Kirchner, na Argentina, com a perseguição da lava jato ao ex-presidente Lula, no Brasil, não será pura coincidência, como costumam avisar as superproduções de ficção. -

     Trata-se de um jogo jurídico-midiático sincronizado na América Latina contra ex-presidentes que fizeram o contraponto ao neoliberalismo econômico por meio de políticas públicas. Foram governos que resistiram às privatizações e ao desmonte das soberanias em seus respectivos países.

    Aliás, o juiz argentino que persegue Cristina, do qual falaremos mais abaixo, admira muito Sérgio Moro. Eles se encontraram em maio deste ano em Brasília, como atesta o site Buenos Aires Herald.com sob o título “Risco e oportunidade: Lava Jato na Argentina”.

    Se Evo Morales, da Bolívia, deixar o governo hoje, amanhã ele sofrerá o mesmo assédio que Lula e Cristina estão sendo alvo.

    Portanto, o jogo sujo da lava jato no Brasil e na América Latina tem claros objetivos políticos-ideológicos que visam atender aos interesses do sistema financeiro. É só cruzar os dados para obter a prova cabal, haja vista a ausência de bancos e multinacionais em sua luta “anticorrupção”, etc., como outrora denunciou o senador brasileiro Lindbergh Farias (PT-RJ).

    Dito isto, vamos ao fato ocorrido na Argentina, segundo a agência de notícias Sputnik.

    O juiz argentino federal, Claudio Bonadio, processou a ex-presidente do país, Cristina Kirchner, e solicitou impedimento de suas funções legislativas e prisão preventiva pela possibilidade de a ex-líder argentina estar encobrindo funcionários iranianos acusados de atentado contra AMIA em 1994, informa mídia local.

    A solicitação do juiz para impedir as funções legislativas da ex-líder do país será transferida à Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara Alta, que terá 180 dias para tramitar o requerimento judicial.

    Em sua resolução, Bonadío alegou que a ex-presidente poderia dificultar o processo devido aos contatos que ela possui.

    A ação judicial gira em torno da denúncia feita pelo procurador Alberto Nisman em janeiro de 2015, na qual ele acusou funcionários de alto escalão, inclusive Kirchner, de ter negociado o memorando de entendimento com o Irã de forma secreta. Segundo argumentos governamentais, o acordo bilateral teve como objetivo acelerar as investigações sobre o alegado envolvimento de cidadãos iranianos no atentado contra Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) na capital argentina em 1994. No resultado do ataque, 84 pessoas morreram.

    No entanto, Nisman argumentou que assim se buscava exonerar iranianos da responsabilidade no atentado. Em qualquer caso, o Irã rejeitou o acordo. Poucos dias depois de ter apresentado a denúncia, o procurador foi encontrado morto em seu apartamento e até hoje as circunstâncias de sua morte são desconhecidas. O caso dividiu a sociedade argentina e afetou os resultados eleitorais deste ano, onde o atual presidente, Mauricio Macri, venceu.

    A acusação feita por Nisman foi arquivada pelo juiz Daniel Rafecas. Contudo, em dezembro do ano passado foi reaberta pela Câmara de Cassação Penal. Posteriormente, Bonadío ordenou mais interrogações, bem como proibiu 15 investigados de sair do país.

    Déjà vu: Tribunal argentino quer barrar ex-presidente Cristina Kirchner

      | 3 Comentários

    Ouça este conteúdo0:00100%

    Se você vir alguma semelhança na perseguição da ex-presidente Cristina Kirchner, na Argentina, com a perseguição da lava jato ao ex-presidente Lula, no Brasil, não será pura coincidência, como costumam avisar as superproduções de ficção.

    Trata-se de um jogo jurídico-midiático sincronizado na América Latina contra ex-presidentes que fizeram o contraponto ao neoliberalismo econômico por meio de políticas públicas. Foram governos que resistiram às privatizações e ao desmonte das soberanias em seus respectivos países.

    Aliás, o juiz argentino que persegue Cristina, do qual falaremos mais abaixo, admira muito Sérgio Moro. Eles se encontraram em maio deste ano em Brasília, como atesta o site Buenos Aires Herald.com sob o título “Risco e oportunidade: Lava Jato na Argentina”.

    Se Evo Morales, da Bolívia, deixar o governo hoje, amanhã ele sofrerá o mesmo assédio que Lula e Cristina estão sendo alvo.

    Portanto, o jogo sujo da lava jato no Brasil e na América Latina tem claros objetivos políticos-ideológicos que visam atender aos interesses do sistema financeiro. É só cruzar os dados para obter a prova cabal, haja vista a ausência de bancos e multinacionais em sua luta “anticorrupção”, etc., como outrora denunciou o senador brasileiro Lindbergh Farias (PT-RJ).

    Dito isto, vamos ao fato ocorrido na Argentina, segundo a agência de notícias Sputnik.

    O juiz argentino federal, Claudio Bonadio, processou a ex-presidente do país, Cristina Kirchner, e solicitou impedimento de suas funções legislativas e prisão preventiva pela possibilidade de a ex-líder argentina estar encobrindo funcionários iranianos acusados de atentado contra AMIA em 1994, informa mídia local.

    A solicitação do juiz para impedir as funções legislativas da ex-líder do país será transferida à Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara Alta, que terá 180 dias para tramitar o requerimento judicial.

    Em sua resolução, Bonadío alegou que a ex-presidente poderia dificultar o processo devido aos contatos que ela possui.

    A ação judicial gira em torno da denúncia feita pelo procurador Alberto Nisman em janeiro de 2015, na qual ele acusou funcionários de alto escalão, inclusive Kirchner, de ter negociado o memorando de entendimento com o Irã de forma secreta. Segundo argumentos governamentais, o acordo bilateral teve como objetivo acelerar as investigações sobre o alegado envolvimento de cidadãos iranianos no atentado contra Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) na capital argentina em 1994. No resultado do ataque, 84 pessoas morreram.

    No entanto, Nisman argumentou que assim se buscava exonerar iranianos da responsabilidade no atentado. Em qualquer caso, o Irã rejeitou o acordo. Poucos dias depois de ter apresentado a denúncia, o procurador foi encontrado morto em seu apartamento e até hoje as circunstâncias de sua morte são desconhecidas. O caso dividiu a sociedade argentina e afetou os resultados eleitorais deste ano, onde o atual presidente, Mauricio Macri, venceu.

    A acusação feita por Nisman foi arquivada pelo juiz Daniel Rafecas. Contudo, em dezembro do ano passado foi reaberta pela Câmara de Cassação Penal. Posteriormente, Bonadío ordenou mais interrogações, bem como proibiu 15 investigados de sair do país.

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper