Uma equipe da Prefeitura de Montes Claros participou na noite da última terça-feira (23), na cidade de Janaúba, de uma audiência pública que discutiu sobre uma possível compensação ambiental pelos danos e impactos à fauna e flora, que poderão ser causados pela empresa Equatorial Energia, com a implantação de 594 quilômetros de linhas de transmissão (500 KV Igaporã III –Presidente Juscelino), passando por Montes Claros e mais 11 municípios do norte de Minas, além de outros 17 municípios da Bahia
    e Minas Gerais.

    Para a diretora municipal de Meio Ambiente de Montes Claros Anildes Lopes Evangelista, as reivindicações feitas por Montes Claros foram determinadas pelo prefeito Humberto Souto, e abrange o cercamento de nascentes e um corredor ecológico, com árvores de vegetação baixa e nativas do cerrado, para amenizar o impacto ambiental que a linha de transmissão causará.
    Segundo Evangelista, somente com a união dos municípios do norte de Minas reivindicando ações coletivas, será possível amenizar os impactos ambientais e ainda abranda esta crise hídrica enfrentada pelos norte-mineiros.
    “Para permitir um livre deslocamento de animais, a dispersão de sementes e o aumento da cobertura vegetal para o enriquecimento ambiental, é necessário, dentre outras coisas, da união dos nossos municípios reivindicando o cercamento das nascentes e a criação de um corredor de biodiversidade para beneficiar toda a região, além de ser uma forma de amenizar esta estiagem prolongada que enfrentamos”, disse.

    A empresa Equatorial Energia foi a vencedora do leilão do lote 14, que prevê a implantação de 594 quilômetros de linhas de transmissão (500 KV Igaporã III – Presidente Juscelino)  na Bahia e Minas Gerais.
    A linha de transmissão percorrerá 29 municípios, sendo cinco no estado da Bahia: Caetité, Guanambi, Candiba, Pindaí e Urandi e 24
    no estado de Minas Gerais: Augusto Lima, Bocaiuva, Buenópolis, Catuti, Engenheiro Navarro, Espinosa, Francisco de Sá, Glaucilândia, Gouveia, Guaraciama, Joaquim Felício, Janaúba, Juramento, Mamonas, Mato Verde, Monjolos, Monte Azul, Montes Claros, Nova Porteirinha, Olhos D’Água, Pai Pedro, Porteirinha, Presidente Juscelino e Santo Hipólito.

     Meu caro Lula,

    Outra vez eu me sirvo deste menino que faz o tal Tijolaço para ser meu cambono. Medíocre, é verdade, mas é quem está à mão, fazer o quê?

    Para ver se revolvia a sua terra pouco fértil, mandei-lhe uma emanação, aqui do éter, para que ouvisse o que falei no enterro do Gláuber Rocha. Claro que não porque você esteja morto, como eu e ele, mas porque te quero sugerir que, como ele, esta noite, chore.

    Eu disse lá: “O Gláuber chorava, chorava convulsivamente. O Gláuber chorava a dor que todos devíamos chorar, a dor de todos os brasileiros. O Gláuber chorava as crianças com fome, O Gláuber chorava um país que não deu certo, o Gláuber chorava a brutalidade, a mediocridade, a estupidez”…

    Pois então, meu caro Lula, sinta-se livre hoje para chorar. Não por você, que sei, por já ter tido a sua idade e um câncer como você, sei que não liga mais para si mesmo. Nem eu, que me amava tanto e tão profundamente, dava muita importância a mim, a não ser pelo que podia fazer, dizer e escrever. E nesta ordem.

    Chore, Lula, chore. Mas chore só hoje.

    Que amanhã, como você se acostumou, é dia de ir cedo para a fábrica. Porque é muito parecido, não é? Moldar ideias é como moldar metais: é duro, cheio de asperezas e sujeito a acidentes que nos machucam. E é pior, até, porque não tem descanso, nem fim de semana, e a falta de uma rede nos faz doer as costas de macunaímas.

    Lula, os estatutos desta gafieira onde me encontro – não sei se é celeste ou infernal, porque não entendo um céu sem pecados e nem um inferno sem virtudes – impedem-me de te revelar o futuro. Posso apenas te dizer que não é fácil como o de quem morre e vira santo, porque depois que a gente desencarna, até os cínicos nos aplaudem.

    Quando a gente está vivo, nos acusam de tudo. A mim, usaram uma foto para dizer que eu me aliava a banqueiros do jogo do bicho. Como é que eu ia ser Secretário de Cultura do Rio de Janeiro, fazer o Sambódromo e cuidar do Carnaval sem encontrar os bicheiros das Escolas de Samba?

    Nos limites em que Deus controla minha língua – sou justo, não me reprime nos diálogos que travamos, porque Deus é onisciente mas aceita a dúvida, ao contrário dos bobalhões togados que te condenaram hoje, posso te contar só um pouquinho.

    Posso contar, apenas, o que já escrevi, e mando este menino que cavalgo mentalmente agora, vá buscar no meu “O Povo Brasileiro”:

    Cada vez que um político nacionalista ou populista se encaminha para a revisão da institucionalidade, as classes dominantes apelam para a repressão e a força.

    Eu mesmo sofri isso, como auxiliar de Jango. Só me deixaram voltar aos Brasil quando acharam – como vão achar você – prestes a morrer de um câncer que me levou um pulmão. Por isso, te digo, o que é ser preso perto de estar na iminência da morte?

    Não é a primeira vez que escrevo sobre você. A primeira foi quando ainda estava por aí, em 1989, e desabafei:

    Estou me cansando de ouvir falar de Lula com descaso. Qualquer advogadinho idiota, porque formado, se acha melhor que ele, mais preparado para governar. Um intelectual desses que leu meia dúzia de livros ou escreveu qualquer bobagem, um tecnocrata que desempenhou bem ou mal algum cargo, todos se acham melhores que Lula e falam dele sem sombra de respeito. Por que? Essa gente pensa que o exercício do poder, em postos de alta responsabilidade, cabe a uma categoria particularíssima de pessoas, na qual não incluiriam jamais um ex-operário ou um líder sindical, ainda que muito bem-sucedido.

    Não errei, não é?

    Nem eu nem você quisemos ser mártires – e eles, os grandões, também não querem, porque não há mídia que seja capaz de vencer mártires.

    Mas estes caras são tão imbecis, tão idiotas, que nos fazem isso. Como eles são filhos e netos de senhores de escravos, acham que nos atar ao tronco e vergastar, vai encher de medo a senzala.

    Na hora, sim, que ninguém é bobo de querer o chicote no lombo, mas lhes vai endurecendo o couro das mentes e deixando que elas não aceitem mais a servidão.

    Então, Lula, chore esta noite e acorde amanhã livre de rancores. Como um negro fugido, que os capitães de mato querem enjaular, seja sabido.

    Eles verão um nordestino, que mal escapou de ser gabiru, virar ainda mais gigante.

    Agora, por favor, não me obrigue mais a estas comunicações psicográficas e deixe que eu as reserve para a Dona Diva, aquela negra linda da Feira Literária de Parati, que é linda e 20 e tantos anos mais nova que eu -que a Catherine Deneuve nos abençoe.

    Quando eu mandar, daqui, uma edição revisada de O Povo Brasileiro, prometo, cuido do que você é, a metamorfose ambulante com que se define.

    Mas, antes, estou observando a borboleta voar.

    Via Fernando Brito - Tijolaço 

     Evento que será realizada nos dias 23, 24 e 25 de fevereiro 

     A Prefeitura está preparando uma programação cultural extensa para comemorar a data. Nesse ano, a administração municipal terá a parceria do Governo do Estado através da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário (SEDA).

    O evento será realizado dentro do contexto regional, valorizando os artistas e a cultura do cerrado. Uma reunião está agendada para o próximo dia 30 de janeiro para definir os últimos detalhes do evento.

    Fonte:Ascom/Prefeitura de Montes Claros

     Desde a última sexta-feira (19/1), a Comissão Especial de Processos Seletivos da Unimontes (CEPS) oferece em seu portal as informações sobre os locais de prova para o Programa de Avaliação Seriada para Acesso ao Ensino Superior (PAES) – edição 2017.

     Para a consulta, o candidato deverá informar o número do cartão de inscrição e a data de nascimento. As cidades onde as provas serão aplicadas são: Almenara, Belo Horizonte, Brasília de Minas, Espinosa, Janaúba, Januária, Montes Claros, Paracatu, Pirapora, Pompéu, Salinas, São Francisco e Unaí. O endereço eletrônico é www.ceps.unimontes.br/processo/andamento/paes-2017/.

    As provas para as três etapas do vestibular seriado da Universidade Estadual de Montes Claros foram prorrogadas para o próximo dia quatro de fevereiro: de 8 às 12 horas para os inscritos na 1ª etapa e de 15 às 19 horas para os candidatos das 2ª e 3ª etapas.

    Confira

    Informações PAES - Editais, retificações e consultas
    São 13,6 mil inscrições oficializadas para as três etapas, sendo que somente para a última (3ª) é que são oferecidas as 725 vagas, em 56 cursos regulares ministrados no campus-sede e nos demais 11 campi avançados e em dois núcleos.

    Mais informação:  www.ceps.unimontes.br/processo/andamento/paes-2017/
    Telefone: (38) 3229-8080

    Fonte: Ascom/Unimontes

     O novo aumento da gasolina vale a partir deste sábado dia 20

     A Petrobras anunciou um novo reajuste para os combustíveis, com aumento de 0,70% no preço da gasolina nas refinarias, a partir de hoje.
    A nova política de revisão de preços foi divulgada pela petroleira no dia 30 de junho. Com o novo modelo, a Petrobras espera acompanhar as condições do mercado e enfrentar a concorrência de importadores.
    Em vez de esperar um mês para ajustar seus preços, a Petrobras agora avalia todas as condições do mercado para se adaptar, o que pode acontecer diariamente.
    Além da concorrência, na decisão de revisão de preços, pesam as informações sobre o câmbio e as cotações internacionais.
    Durante o governo de Dilma Rousseff, alguns “midiotas” fizeram protestos nos postos contra o preço da gasolina – sempre incentivados pela TV Globo. Uma “coxinha” bombou nas redes sociais ao berrar histérica contra o reajuste. E agora? Cadê a indignação da classe “mérdia”?
    Apesar da violenta porrada, a chamada classe “mérdia” segue sem bater as suas panelas e sem ocupar as ruas com as suas camisetas amarelas da “ética” CBF.

    Outro setor que teve um papel ativo na cavalgada golpista pelo impeachment de Dilma Rousseff foi o dos caminhoneiros. Muitos dirigentes das entidades do setor são ligados aos partidos que deram sustentação ao “golpe dos corruptos” que alçou a quadrilha de Michel Temer ao poder.
    A mídia golpista, que deu ampla cobertura às manifestações da categoria contra Dilma Rousseff, agora prefere tapar o sol com a peneira.

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper