Aécio pediu R$ 7 milhões para Anastasia

     - Tucanos serão investigados, ao lado de assessor e marqueteiro, pela eleição de 2010 -

    O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, será investigado, ao lado do também senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), pelo pagamento de mais de R$ 7 milhões para a campanha de Anastasia ao governo de Minas, em 2010. O documento que autoriza a abertura do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) foi divulgado pelo jornal “O Estado de S.Paulo”.
    Também serão investigados Oswaldo Borges da Costa, assessor de Aécio, e Paulo Vasconcelos do Rosário Neto, marqueteiro dos dois tucanos nas elieções de 2010. A abertura do inquérito foi baseada no depoimento de dois delatores da Odebrecht: Benedicto Júnior, ex-presidente da empresa, e Sérgio Luiz Neves, diretor-superintendente.
    Segundo os delatores, o primeiro repasse, de R$ 1,8 milhão, foi feito ainda em 2009, quando Aécio era governador de Minas e Anastasia, seu vice. No ano seguinte, teriam sido pagos R$ 5,4 milhões. Naquele ano, Aécio deixou o governo e foi eleito para o Senado.

    AÉCIO RECEBIA MESADA DE ATÉ R$ 2 MILHÕES
    O empresário Marcelo Odebrecht e outro executivo da empreiteira relataram que o senador Aécio Neves, que também é presidente nacional do PSDB, recebeu “vantagens indevidas” em troca de apoio a interesses da empreiteira; segundo o colaborador Henrique Valladares, Aécio, identificado como “Mineirinho”, recebia mesadas que variavam de R$ 1 milhão de reais a R$ 2 milhões; as revelações de Marcelo Odebrecht praticamente sepultam qualquer pretensão política de Aécio em 2018; um dos articuladores do golpe, Aécio hoje um dos principais alvos da Lava Jato, tendo seu nome ligado a repasses irregulares de valores milionários.
    247 - O empresário Marcelo Odebrecht e outro executivo da empreiteira relataram que o senador Aécio Neves, que também é presidente nacional do PSDB, recebeu “vantagens indevidas” em troca de apoio a interesses da empreiteira. A informação é do site da revista Veja.
    Segundo o colaborador Henrique Valladares, Aécio, identificado como “Mineirinho”, recebia mesadas que variavam de 1 milhão de reais a 2 milhões de reais.
    "O teor de outro inquérito envolvendo o senador tucano revela que, em seus acordos de colaboração, Marcelo Odebrecht e Benedicto Júnior apresentaram provas documentais de que, em 2014, efetuaram o pagamento de “vantagens indevidas” em benefício do senador Aécio Neves e de seus aliados políticos. O relato foi confirmado pelo principal executivo da empreiteira em Minas Gerais", diz o texto.
    As revelações de Marcelo Odebrecht praticamente sepultam qualquer pretensão política de Aécio em 2018. Um dos articuladores do golpe, Aécio hoje uma das maiores vítimas da Lava Jato, tendo seu nome ligado a repasses irregulares de valores milionários.

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper