Acham que o povo engole farinha do mesmo saco?

     - A política, quando sem faz sem lideranças nela forjadas, é apenas um jogo de ambições, vaidades e espertezas. -

     Portanto, como diz a epígrafe deste blog, uma arte das elites, que consiste em dar aparência nobre e de interesse social ao que é só um projeto de grupo ou, mais frequentemente, de um indivíduo.

    Por Fernando Brito - Tijolaço

    Goste-se ou não, o PSDB já representou um projeto, o de modernização conservadora do Brasil.

    Já não mais.

    Geraldo Alckmin, pobre coitado, está longe disso.

    Mas é o que resta ao PSDB, porque o resto – Aécio e Dória – são simples aventureiros, ao que parece ambos abatidos por suas próprias espertezas.

    Como, porém, a grande maioria dos partidos, aqui, deixou de representar algum tipo de pensamento social e organizou-se -até pela falta de lideranças – horizontalmente, à procura de conveniências e oportunidade.

    Por isso, o que se assiste é uma fantasia, descolada das necessidades sociais do povo brasileiro e, até mesmo, das de suas elites, se acaso elas fossem lúcidas o suficiente para percebê-lo.

    Atiram-se, como se vê, na esperança de qualquer um que as livre de Lula e de Bolsonaro, que elas próprias criaram com a tática fácil do “inimigo interno” de violência e da criminalidade, como se estas fossem pragas do Egito, das quais só nos livraremos pela conversão fundamentalista.

    Estão dispostas a um concurso de calouros, a gritar para o povo – peço desculpas ao velho Abelardo Barbosa: “vai para o trono ou não vai?”

    É incrível, mas as elites brasileiras, na política, estão colaborando com Lula.

    Estão escrevendo, na prática, a frase do ácido Millôr Fernandes.

    “Mais importante do que ser genial é estar cercado de medíocres.”

    A cada um que jogam na fogueira das vaidades contra ele, só o aumentam.

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper