- AMM nos Municípios chega a Catuti, região Norte de Minas Gerais, nesta sexta-feira -

     Catuti, na região Norte de Minas Gerais, será a nona e penúltima cidade a receber o projeto de interiorização “AMM nos Municípios

    – Encontro nas Macrorregiões” em 2017, no dia 17 de novembro. Gestores, servidores públicos, parlamentares e interessados podem se inscrever para participar de um dia de discussão política local e conhecimento sobre os principais aspectos da administração pública.

    Por meio deste projeto idealizado pela Associação Mineira de Municípios (AMM), os gestores e servidores públicos das cidades do interior de Minas Gerais – que nem sempre podem estar na sede em Belo Horizonte – têm a oportunidade de participar das atividades da Associação para reivindicarem ações e, juntos, buscarem soluções e mais desenvolvimento, principalmente aos pequenos municípios. “Queremos um movimento de capacitação dos gestores locais, e de interlocução e união dos agentes políticos na construção de um municipalismo mais forte”, explica o presidente da AMM e prefeito de Moema, Julvan Lacerda.

    Além do debate que reúne gestores municipais e autoridades do cenário político estadual, o “AMM nos Municípios – Encontros nas Macrorregiões” também conta com palestras de especialistas em gestão pública para qualificação e capacitação dos participantes. “A administração pública está em constante evolução e sofre mudanças diariamente, feita em Brasília e longe da nossa realidade. Precisamos de capacitação dos nossos servidores para não incorrer em irregularidades”, enfatiza Julvan Lacerda.

    O projeto tem como parceiros o Crea-Minas, Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG), Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MP-MG), o Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), o Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cidades e de Integração Regional (Secir/Subsecretaria de Integração Regional) e da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), o COSEMS MG, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e apoio institucional da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG), da Confederação Nacional de Municípios (CNM), da Rede Minas de Televisão e das Associações Microrregionais da região.

     - STF RETIRA DE 1ª INSTÂNCIA INVESTIGAÇÃO SOBRE IRMÃ DE AÉCIO -

     Primeira Turma do STF derrubou decisão individual do ministro Marco Aurélio, que determinou o desmembramento da investigação aberta contra Andreia Neves e Frederico Pacheco, irmã e primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG); ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), Mendherson Sousa Lima, também foi beneficiado pelo entendimento; com a decisão, os acusados voltarão a ser investigados pelo Supremo

    André Richter, repórter da Agência Brasil - A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou hoje (14) a decisão individual do ministro Marco Aurélio, que determinou o desmembramento da investigação aberta contra Andreia Neves e Frederico Pacheco, irmã e primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG). O ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), Mendherson Sousa Lima, também foi beneficiado pelo entendimento.

    Com a decisão, tomada por 4 votos a 1, os acusados voltarão a ser investigados pelo Supremo. Durante o julgamento, os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber aceitaram recurso do Ministério Público Federal (MPF) e votaram conta o entendimento do relator, Marco Aurélio. De acordo com os ministros, o caso deve julgado pela Corte por haver conexão entre os crimes investigados.

    Conforme decisão individual do relator, assinada em junho, os acusados seriam julgados pela primeira instância da Justiça de São Paulo, local onde Frederico e Mendherson foram gravados em ações controladas da Polícia Federal (PF) a partir das delações da JBS. Com base nas acusações, todos foram denunciados pelo crime de corrupção passiva pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

    Em junho, o colegiado também determinou que Andrea Neves, Frederico Pacheco e Mendherson Sousa Lima passem a cumprir prisão domiciliar. Eles estavam presos na Operação Patmos, da Polícia Federal, deflagrada a partir das delações da JBS.

     - Não, Aécio. Entraram pela porta dos fundos e vão ficar no puxadinho -
     O ainda senador Aécio Neves, na convenção do PSDB, saiu-se com esta frase, que serve de título à matéria do Estadão: “Vamos sair do governo pela porta da frente, como entramos“.

    Por Fernando Brito - Tijolaço

    Eu tinha acabado de escrever sobre a morte do escritor Moniz Bandeira , relembrado seu amigo Leonel Brizola e não pude deixar de sentir certa tristeza por saber que ninguém vai reagir a isto dizendo umas verdades como as que o velho gaúcho diria.

    Ninguém vai falar:

    “Não, Aécio, tu não entraste no Governo pela porta da frente, entrastes pela porta dos fundos do golpe”.

    Não te finjas de leão, porque o que tu és é um rato, um rato que roeu a democracia brasileira quando não aceitou tua derrota e, no minuto seguinte, em lugar de se curvar à vontade do povo brasileiro, fostes tramar para derrubar o governo.

    Mas nem entrar pela porta dos fundos tu conseguirias, pois o porteiro que a te abriu foi Eduardo Cunha.

    Foste tu que ajudastes a pôr em marcha a máquina de moer a política e as reputações e acabou sendo tragado por ela, embora, em matéria de reputação, tivesses pouco a ser moído.

    Ainda assim, o que restou de ti fede tanto que teus amigos famosos dos salões e das noitadas – Hucks, Dórias, Ronaldinhos e assemelhados – sumiram, apagaram as fotos a teu lado e não querem teu nome lhes marcando as testas.

    Tu não vais sair do governo deixando nada para trás, senão este odor, mas vai levar indicações, cargos e tudo o mais que puderes tirar de Temer como tiraste do tal Batista, dizendo que mataria até seu primo para não ser delatado.

    Até aos teus apunhalas, como fizeste com o Tasso, que há quinze dias salvou seu mandato inútil.

    Sairás pela porta dos fundos, a mesma por onde entrou, sais como um rato que abandona o navio do golpe, não pela porta da frente.

    Porque a porta da frente chama-se democracia e só se abre para os que têm o voto e a confiança do povo.

    Mas, como disse certa vez o próprio Brizola, o Congresso é um “clube amável, com vossa excelência pra cá, vossa excelência pra lá”. Não haverá um que lhe aponte o dedo e diga:

    Vossa Excelência, na política, é um rato

     - A política, quando sem faz sem lideranças nela forjadas, é apenas um jogo de ambições, vaidades e espertezas. -

     Portanto, como diz a epígrafe deste blog, uma arte das elites, que consiste em dar aparência nobre e de interesse social ao que é só um projeto de grupo ou, mais frequentemente, de um indivíduo.

    Por Fernando Brito - Tijolaço

    Goste-se ou não, o PSDB já representou um projeto, o de modernização conservadora do Brasil.

    Já não mais.

    Geraldo Alckmin, pobre coitado, está longe disso.

    Mas é o que resta ao PSDB, porque o resto – Aécio e Dória – são simples aventureiros, ao que parece ambos abatidos por suas próprias espertezas.

    Como, porém, a grande maioria dos partidos, aqui, deixou de representar algum tipo de pensamento social e organizou-se -até pela falta de lideranças – horizontalmente, à procura de conveniências e oportunidade.

    Por isso, o que se assiste é uma fantasia, descolada das necessidades sociais do povo brasileiro e, até mesmo, das de suas elites, se acaso elas fossem lúcidas o suficiente para percebê-lo.

    Atiram-se, como se vê, na esperança de qualquer um que as livre de Lula e de Bolsonaro, que elas próprias criaram com a tática fácil do “inimigo interno” de violência e da criminalidade, como se estas fossem pragas do Egito, das quais só nos livraremos pela conversão fundamentalista.

    Estão dispostas a um concurso de calouros, a gritar para o povo – peço desculpas ao velho Abelardo Barbosa: “vai para o trono ou não vai?”

    É incrível, mas as elites brasileiras, na política, estão colaborando com Lula.

    Estão escrevendo, na prática, a frase do ácido Millôr Fernandes.

    “Mais importante do que ser genial é estar cercado de medíocres.”

    A cada um que jogam na fogueira das vaidades contra ele, só o aumentam.

     - Devastação ambiental no Norte de Minas causa surpresa e perplexidade ao governo do Estado -
     Cultura do eucalipto no semiárido consome 80% da oferta de água na sua área de abrangência. Governo promete providências para deter processo de desertificação 

     Fogo consome veredas do cerrado mineiro e ameaça florestas e rios (Foto: Expedição Caminhos dos Geraes)

    * Por Waldo Ferreira

    O enfrentamento da crise hídrica e o processo de desertificação que vitimam o Norte de Minas podem ter entrado de vez na pauta do governo do Estado. É o que esperam gestores e técnicos do meio ambiente, que estiveram, no início da semana, reunidos na Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) com o secretário adjunto Germano Luiz Gomes Vieira. A comitiva foi apresentar o diagnóstico da V Expedição Caminhos dos Geraes (realizada entre os dias 7 e 10 de setembro), contido na “Carta das Águas”.
    O documento foi entregue ao secretário adjunto, com um apelo por providências quanto aos problemas ambientais vividos na região. Segundo o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Montes Claros, Paulo Ribeiro, Germano Vieira e demais representantes do governo presentes à reunião, incluindo a presidente do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Marília Carvalho de Melo, ficaram perplexos com os números revelados pelos técnicos. Walter Viana, responsável pela fiscalização ambiental na Superintendência de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram) do Norte de Minas, traçou um quadro assustador da situação hídrica na região. “O consumo é muito maior que a oferta, o que está provocando o secamento das fontes”, informou. Ele estima que somente no perímetro urbano de Montes Claros foram abertos mais de 10 mil poços.
    Mas, é o plantio do eucalipto na área do semiárido o principal fator de deterioração dos recursos hídricos, com rebaixamento do nível freático em meio metro por ano. De acordo com estudo coordenado por Viana, a cultura consome 230 litros de água por metro quadrado a mais que o Cerrado, por área plantada. Walter Viana é autor de tese de doutorado sobre o acelerado processo de desertificação no Norte de Minas.
    Veredas - A pesquisadora em ecologia pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Maria das Dores Magalhães, informou que as áreas úmidas (veredas) estão altamente impactadas pelos efeitos da escassez hídrica e baixa umidade do lençol freático, o que já provocou o desaparecimento de 50 delas somente neste ano. Outras estão em processo irreversível de extinção. Ela estima que se nada for feito em 3 anos não haverá mais veredas na região do Vale do Peruaçu, entre os municípios de Januária e Itacarambi.
    Um das cinco demandas levadas ao governo na “Carta das Águas” é a proibição de novas áreas de plantio de eucalipto no semiárido. Germano Vieira se comprometeu a se reunir com o Instituto Estadual de Florestas (IEF) para discutir o assunto. Ele também pretende fazer reunião com produtores de eucalipto. O processo de desertificação na região foi detectado em 2010 a partir do Plano Estadual de Combate à Desertificação, financiado pelo Ministério do Meio Ambiente e executado pelo Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas (Idene). Da média histórica de precipitação pluviométrica no Norte de Minas, 1.000 milímetros/ano, o eucalipto sozinho consome 800 milímetros. Como o Cerrado precisa de 500 milímetros, há um déficit de 300 milímetros. Sem contar, como lembra o secretário Paulo Ribeiro, a necessidade de consumo de água para beber pelas pessoas e animais, além da irrigação. O fator determinante para esse processo é justamente o eucalipto. Estima-se que há 1,5 milhão de hectares plantados no semiárido, o que significa dizer que esse bioma desaparecerá se essas medidas não saírem do papel.
    De acordo com a diretora de Meio Ambiente da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Anildes Lopes Evangelista, o governo do estado formou um grupo temático de trabalho para discutir a questão hídrica no Norte de Minas. Ela informou que técnicos da região serão chamados para integrar esse trabalho.

    Da esquerda para a direita: Dora Veloso, pesquisadora da Unimontes; Walter Viana Neves, técnico da SUPRAM; Germano Luiz Gomes Vieira, secretário adjunto de Meio Ambiente; Sued Botelho, coordenador do Fórum Regional do Território Norte; Paulo Ribeiro,secretário de Meio Ambiente de Montes Claros; Marília - Igam; Anildes Lopes Evangelista - Prefeitura Municipal Montes Claros; Genésio Alves Fonseca – Instituto Serra do Cabral

    “Carta das Águas”: cinco apelos pela vida no Norte de Minas

    1 – Proibição de novas áreas para plantios de eucalipto;

    2 – Monitoramento dos níveis freáticos para que haja novos parâmetros para emissão de outorga no Norte de Minas;

    3 – Ampliação do Parque Estadual Veredas do Peruaçu a partir da aquisição de terras de proprietários que possuem dívidas com o estado e estão dispostos a negociar;

    4 – Criação do Parque Estadual de Botumirim, importante reserva para a manutenção da biodiversidade e dos mananciais hídricos;

    5 – Criação da Unidade de Conservação de Pandeiros, o pantanal mineiro.

    * Jornalista

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper