O Instituto Estadual de Florestas confirmou a decisão de criar o Parque Estadual de Botumirim, no Norte de Minas, conforme compromisso feito pelo secretário estadual de Meio Ambiente, Germano Luiz Gomes Vieira, quando recebeu comitiva do Norte de Minas. Ele explicou que depende apenas da realização da audiência pública para ser tomada essa medida. Participaram da reunião o  o secretário municipal de Meio Ambiente de Montes Claros, Paulo Ribeiro, a diretora de meio ambiente, Anildes Evangelista e a professora da Unimontes, Dora Veloso.

    No período de 7 a 10 de setembro do ano passado a área do futuro parque foi percorrida por ambientalistas, professores e profissionais da área, durante a Expedição Caminhos dos Gerais. O mentor deste projeto, Eduardo Gomes, explica que este projeto foi idealizado e gestado há 18 anos, a partir do Proturismo, projeto de desenvolvimento turístico de base local, realizado pelo Instituto Grande Sertão. Ele salienta a atuação do atual diretor do IEF, Henri Dubois Collet e ainda da superintendente regional, Margareth Caires.

    Com Gazeta

     Macaé Evaristo, professor Neivaldo e Nilmário Miranda (PT), Sávio Souza Cruz (MDB), Ricardo Faria e Wadson Ribeiro (PCdoB)

    Minas 247 - Seis titulares de pastas do primeiro escalão e dois dirigentes de estatais do governo Fernando Pimentel devem deixar os cargos nesta quarta-feira (31). Apesar de o prazo exigido pela Justiça Eleitoral para desincompatibilização terminar em abril, o chefe do executivo estadual antecipou a saída dos nomeados para exigir dos que ficarem dedicação integral. 

    O secretário da Educação, Macaé Evaristo (PT), tentará pela primeira vez disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. Também deixam os cargos os deputados estaduais licenciados Sávio Souza Cruz (MDB), da Saúde, e Ricardo Faria (PCdoB), de Turismo, que retornam à Assembleia. 

    Os titulares de Desenvolvimento Agrário, professor Neivaldo (PT), e do Desenvolvimento Integrado e dos Fóruns Regionais, Wadson Ribeiro, do PCdoB, também disputarão uma vaga no Legislativo estadual.

    Nilmário Miranda (PT), secretário de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, tentará a eleição para deputado federal.

    A condenação do ex-presidente Lula pelo TRF-4 no dia 24 não surpreendeu, não custa repetir. Seguiu-se o modelito recortado em Curitiba com um adendo ou dois a mais, quais sejam o aumento da pena, por unanimidade dos três julgadores, mais a possibilidade de prisão imediata do ex-presidente, tão logo julgados os embargos declaratórios – a menos que a defesa de Lula consiga o efeito suspensivo da pena, o que não parece tão fácil dado o cerco a que estão submetendo o ex-presidente. http://emcimadanoticia.com/index.php/noticias-nacionais/943-pesquisa-aponta-lula-foi-condenado-injustamente

     Assembleia da Adunimontes, na quinta-feira (25), decidiu pela greve a partir de terça-feira (30) 

      Os professores da Universidade Estadual de Mont es Claros decidiram entrar em greve a partir de terça-feira, dia 30, por tempo indeterminado, com a alegação de que o Estado deixou de cumprir os acordos celebrados em 2016, inclusive homologados na Justiça. Um dos pontos que levou a decisão da greve é o auxílio-remuneratório, para compensar as perdas salariais. Um professor do ensino comum tem um salário que chega a R$2,1 mil para 20 horas de aulas, enquanto na Unimontes é de R$860,00, abaixo do salário mínimo.

    O curioso é que a Unimontes está cumprindo agora a reposição das aulas por causa da greve realizada em 2016. No mês de março encerraria o segundo semestre de 2017, para depois iniciar o ano letivo de 2018. Porém, com essa greve, a situação se agrava. Em nota divulgada ontem a reitoria diz respeitar a posição do sindicato que representa a categoria e espera que as questões apresentadas sejam resolvidas o mais rápido possível. O presidente da Adunimontes, Afrânio Faria Melo Junior, explicou que depois de tentada negociação, seja em reuniões ou mesmo por telefone sem nenhuma solução, foi tomada a decisão da assembleia da categoria e opção pela greve.

    O primeiro item cobrado a pela Adunimontes é estruturação da carreira que mesmo com o compromisso assumido em papel, o Estado não executou. O outro ponto foi o auxilio remuneratório, onde os professores receberiam uma ajuda, pois o Estado não poderia conceder o aumento por ter estourado os 54% permitidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. O governador Fernando Pimentel até publicou o decreto instituindo esse auxílio, mas nunca o colocou em prática. A situação afetou os 1.200 professores da Unimontes.

    PRÉDIO - Foi lançada a quarta-feira a pedra fundamental da construção do prédio anexo do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde do campus-sede da Unimontes. O prédio terá o total de 1,3 mil metros quadrados e será executado com recursos do Governo do Estado. Na primeira etapa serão construídos o térreo e mais três pavimentos, com 936 metros quadrados e a aplicação de R$ 1.106 milhão. A obra já foi licitada e contratada, com início imediato e previsão para ser concluída em 12 meses. No canteiro de obras foi colocada uma cápsula do tempo, uma caixa dos objetos e informações sobre os dias atuais para ser aberta daqui a 50 anos.

    Com Jornal Gazeta

     Ex-prefeito de Montes Claros foi preterido pelo PSB, que aposta na filiação do delegado da Polícia Federal que prendeu Muniz, segundo matéria do jornal Gazeta, desta sexta-feira.

     O ex-prefeito Ruy Muniz foi preso pela Polícia Federal, depois que sua mulher e deputada Raquel Muniz, que votou pelo impeachment, disse que o Brasil tinha jeito, e que seu marido mostrava isso com sua gestão. Foram 35 segundos de glória, que, menos de 12 horas depois, desabaram nas páginas policiais. Somente para lembrar, Ruy Muniz (PSB) foi preso pela Polícia Federal (PF), na operação Máscara da Sanidade II – Sabotadores da Saúde, acusado de fraude na gestão pública de Saúde. Ele teria retido recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), destinados a quatro hospitais filantrópicos e públicos da região, para beneficiar um privado, o Hospital das Clínicas “Mário Ribeiro”, que é da família Muniz.

    Segue matéria do jornal Gazeta:

    PSB anuncia nova saída do ex-prefeito Ruy Muniz
    O PSB decidiu, na noite da última segunda-feira, afastar o ex-prefeito Ruy Muniz do partido, por entender que não pode garantir-lhe a legenda como candidato ao Senado Federal, pois precisará disso para negociar com outros partidos nas eleições deste ano. Por isso, o partido decidiu que o Diretório Municipal será extinto e formada a Comissão Provisória, sob o comando do empresário Pávilo Miranda. Outras negociações estão sendo realizadas com o delegado da Polícia Federal, Marcelo Eduardo Freitas, que é pré-candidato a deputado federal. Na manhã de ontem, os correligionários do ex-prefeito Ruy Muniz desmentiram qualquer risco dele perder o PSB, pois afirma que ele manteve contato com o pré-candidato a governador, Márcio Lacerda, que o tranquilizou. Os assessores alegam que o PSB de Minas Gerais tem dois grupos, sendo que o deputado Júlio Delgado sempre tem resistência a Ruy Muniz.

    O Jornal GAZETA ouviu lideranças do PSB em Minas Gerais, que confirmaram a decisão de não oficializarem a legenda para o Senado Federal para Ruy Muniz, com o argumento de que a presença dele na chapa majoritária deixaria o partido fragilizado por causa dos constantes escândalos, que seriam explorados na campanha eleitoral; assim como precisam da vaga de Senador para negociar com outros partidos, na formação da coligação que apoiaria o nome de Márcio Lacerda a governador. Além disso, alegam que se o PSB tiver candidato ao Senado, o nome mais forte é do deputado federal Júlio Delgado, para disputar esse cargo.

    O empresário Pávilo Miranda ficou surpreso com essa informação, pois não foi comunicado de qualquer mudança no partido em Montes Claros e esperava a oficialização do ato. O delegado da Polícia Federal, Marcelo Eduardo Freitas, confirmou que recebeu a ligação de dirigentes do PSB o convidando a filiar ao partido. Porém, o assunto ainda não foi decidido, pois ele tem o convite do PPS, para ser o candidato apoiado pelo prefeito Humberto Souto e ainda do PMN e PDT. O líder político Igor Versiane também confirmou que o PSB decidiu romper com Ruy Muniz e está formando um grupo que reuniria Marcelo Freitas, Pávilo Miranda e ele, para assumir a Comissão Provisória de Montes Claros. (GA)

     A Área de Proteção Ambiental (APA) de Pandeiros, entre os municípios de Januária e Bonito de Minas, no Norte de Minas, é objeto de estudo do curso de Geografia da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

     A Área de Proteção Ambiental em Pandeiros tem quase 400 mil hectares; no local está o chamado Pantanal Mineiro (Foto: Evandro Rodney)

    Nos dias 20 e 21/1, um grupo de 18 acadêmicos do 7º período, no campus-sede, realiza um trabalho de campo na reserva para identificar, entre outros aspectos, o estado de conservação dos recursos naturais e o grau de degradação no espaço, diante da exploração vegetal e da pecuária. A atividade está relacionada às disciplinas Biogeografia e Hidrografia, ministradas pelo professor Ronaldo Belém, mestre e doutor em Geografia e Análise Ambiental.

    A APA Pandeiros possui 393 mil hectares. Na área, há pontos onde é permitido o uso sustentável de recursos naturais, mas na prática atividades como a criação de gado no sistema extensivo têm comprometido, por exemplo, a resistência do solo e a cobertura vegetal, atingindo duramente as veredas e nascentes da região.

    “O pisoteio do gado é um fator que acelera os processos erosivos”, explica Ronaldo, que realiza pesquisas acadêmicas em Pandeiros desde 2006, ainda quando cursava o mestrado.

    Em Pandeiros, há uma área específica de 6,1 mil hectares considerada como refúgio de vida silvestre e, por isso, não é permitido o uso sustentável dos recursos naturais. É o chamado Pantanal Mineiro, onde é registrado o ciclo reprodutivo de cerca de 70% dos peixes da bacia do Médio Rio São Francisco.

    Professor Ronaldo Belém, do Departamento de Geociências da Unimontes

    “Esta reserva ambiental, de pouco mais de seis mil hectares, é aberta então somente para as atividades didáticas, de monitoramento e de pesquisa. No entanto, pelo fato de a área de refúgio estar dentro da APA, as atividades que acontecem fora dela acabam impactando no pantanal de Pandeiros, verdadeiramente um berçário para as espécies de peixe do médio São Francisco”, avalia o pesquisador.

    A Regional de Januária do Instituto Estadual de Florestas (IEF) é parceira neste projeto da Unimontes. Antes do trabalho de campo, o grupo de acadêmicos participa de uma palestra na sede do IEF para a apresentação de dados específicos da APA Pandeiros e da Reserva Ambiental. O trabalho compreenderá visitas em trechos de veredas, pântano, Matas Secas e outras fitofisionomias do bioma Cerrado, tais como, o Cerrado Típico e o Cerradão, da APA e do Refúgio.

    Ainda conforme o professor Ronaldo Belém, em fevereiro, uma nova turma de 25 alunos, do 4º período do curso de Geografia em Montes Claros, fará um novo trabalho de campo em Pandeiros no âmbito da disciplina Hidrografia. Nas duas intervenções, será utilizado um GPS e em cada ponto marcado pelo aparelho será aplicada uma planilha em que serão registrados os impactos na APA e no Refúgio com seus respectivos pesos. Posteriormente, será feita uma análise dos dados e o diagnóstico do quadro ambiental da área como um todo.

    Site: Unimontes

    © 2015 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomShaper