Governador Romeu Zema anuncia colapso do sistema de saúde em Minas Gerais

 Todo o estado mineiro está na onda roxa por conta do avanço da pandemia  (Gil Leonardi/Imprensa MG)

“É isso que queremos em Minas? Ver as pessoas morrendo pelas ruas?” Os duros questionamentos do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), resumem a situação enfrentada pelas mineiros atualmente, no momento mais crítico da pandemia do novo coronavírus. O mandatário acabou de anunciar, no início da manhã desta terça-feira (16), que o sistema de saúde entrou em colapso no estado.

“Chegamos em um ponto onde nosso sistema de saúde entrou em colapso: mais pessoas procuram nossos hospitais do que temos capacidade de atendimento”, informou Zema, ao justificar o anúncio feito na noite de ontem de colocar todas as regiões de Minas na onda roxa, fase com medidas mais extremas para brecar o avanço da Covid-19. “Não quero que Minas vire palco de filme de terror”.

“O que faremos a partir de amanhã [quando começa a onda roxa em todas as regiões do estado] muitos estados fizeram nos últimos meses. Nós estamos aqui para salvar e preservar a vida dos mineiros”, afirmou o governador. “Não temos outra alternativa do que colocar um teto no número de casos e as únicas medidas são vacinação, que está a passos lentos, e o isolamento social”.

“Estamos sendo obrigados a optar se continuamos vivendo como se nada estivesse acontecendo ou fazer um isolamento para salvar vidas”, resumiu.

Investimentos

Zema ainda anunciou investimentos no sistema de saúde mineiro, tais quais a ampliação de 2 mil para 4 mil leitos de UTI; compra de respiradores; ampliação no número de profissionais da saúde e quantidade de leitos de enfermaria: de 10 mil para 20 mil. “Mesmo com todo esforço, nós tivemos um grande aumento no número de casos e óbitos [impulsionado com a chegada da segunda cepa ao Brasil]”, disse.

O governador mineiro reforçou que a onda roxa é válida por 15 dias, a contar a partir de amanhã. “Daria pra aumentar o número de leitos, mas não existem profissionais de saúde e todos estão exaustos. Eles têm se dedicado de corpo e alma, mas hoje não tem disponibilidade. Temos essa limitação e não nos resta outra alternativa a não ser esta [onda roxa em todas as regiões]”.

Sobre a vacinação, Zema disse que está ocorrendo, mas “é insuficiente” e que comprar vacina neste momento trata-se de um “bilhete premiado”.

O que é a onda roxa?
A fase de restrições ainda mais rígidas foi anunciada no início deste mês para algumas regiões específicas – até então, as regiões com cenários mais graves eram enquadradas na onda vermelha, que não impunha restrições de circulação, por exemplo. Agora, no entanto, os municípios podem avançar para um estágio ainda mais grave, e, nesse caso, são colocados na onda roxa – todas as cidades mineiras, inclusive, entrarão nessa onda a partir de amanhã. A medida, com determinações rigorosas, foi criada diante do risco de um colapso do sistema de saúde, com tem sido observado em outros estados.

Entre as restrições previstas pela onda, está a proibição de circulação de pessoas que não se deslocam para atividades essenciais; o toque de recolher das 20h às 5h; a proibição de reuniões presenciais, inclusive de pessoas da mesma família que não moram juntas; entre outras. Confira o que será vetado em todo o estado a partir de quarta:

Circulação pessoas e veículos pra atividades não-essenciais;
Circulação de pessoas sem máscara em qualquer espaço público ou coletivo, ainda que privado;
Circulação de pessoas com sintomas de gripe, exceto para realização ou acompanhamento de consultas e exames médicos e hospitalares;
Realização de reuniões/eventos presenciais, inclusive entre pessoas da mesma família que não moram juntas;
Qualquer tipo de evento público ou privado que possa provocar aglomeração;
Funcionamento de bares e restaurantes (permitido somente para delivery)

Quais são as atividades essenciais?
De acordo com o Governo de Minas, são consideradas atividades essenciais:

setor de saúde, incluindo unidades hospitalares e de atendimento e consultórios;
indústria, logística de montagem e de distribuição, e comércio de fármacos, farmácias, drogarias, óticas, materiais clínicos e hospitalares;
hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, padarias, quitandas, centros de abastecimento de alimentos, lojas de conveniência, lanchonetes, de água mineral e de alimentos para animais;
produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados;
distribuidoras de gás;
oficinas mecânicas, borracharias, autopeças, concessionárias e revendedoras de veículos automotores de qualquer natureza, inclusive as de máquinas agrícolas e afins;
restaurantes em pontos ou postos de paradas nas rodovias;
agências bancárias e similares;
cadeia industrial de alimentos;
agrossilvipastoris e agroindustriais;
telecomunicação, internet, imprensa, tecnologia da informação e processamento de dados, tais como gestão, desenvolvimento, suporte e manutenção de hardware, software, hospedagem e conectividade;
construção civil;
setores industriais, desde que relacionados à cadeia produtiva de serviços e produtos essenciais;
lavanderias;
assistência veterinária e pet shops;
transporte e entrega de cargas em geral;
call center;
locação de veículos de qualquer natureza, inclusive a de máquinas agrícolas e afins;
assistência técnica em máquinas, equipamentos, instalações, edificações e atividades correlatas, tais como a de eletricista e bombeiro hidráulico;
controle de pragas e de desinfecção de ambientes;
atendimento e atuação em emergências ambientais;
comércio atacadista e varejista de insumos para confecção de equipamentos de proteção individual – EPI e clínico-hospitalares, tais como tecidos, artefatos de tecidos e aviamento;
de representação judicial e extrajudicial, assessoria e consultoria jurídicas;
relacionados à contabilidade;
serviços domésticos e de cuidadores e terapeutas;
hotelaria, hospedagem, pousadas, motéis e congêneres para uso de trabalhadores de serviços essenciais, como residência ou local para isolamento em caso de suspeita ou confirmação de covid-19;
atividades de ensino presencial referentes ao último período ou semestre dos cursos da área de saúde;
transporte privado individual de passageiros, solicitado por aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede

Deixe um comentário