Esportes

Argentina se isola como maior campeã da Copa América

A América é da Argentina! Neste domingo, a seleção albiceleste venceu a Colômbia por 1 a o, no Hard Rock Stadium, em Miami, nos Estados Unidos e sagrou-se campeã da Copa América pela 16ª vez em sua história. O gol do título foi marcado por Lautaro Martínez, artilheiro da competição, já no segundo tempo da prorrogação. Desta maneira, os atuais campeões mundiais ganham o troféu pela segunda vez seguida e se isolam como os maiores campeões do torneio, deixando o Uruguai (15) para trás. A Colômbia, por sua vez, segue com somente um título, que foi conquistado em 2001. A bola demorou bem mais do que o esperado para rolar na grande decisão. Antes do jogo começar, alguns torcedores sem ingressos tentaram invadir o estádio e causaram grande confusão nas intermediações da arena. Por conta destes problemas fora de campo, a partida, antes agendada para as 21h (de Brasília), começou somente às 22h22. Uma hora e 22 minutos de atraso. A outra nota triste do duelo ficou por conta de Lionel Messi. O craque argentino teve que deixar o campo no segundo tempo da decisão, por dores no tornozelo direito, e chorou copiosamente no banco de reservas. O jogo A partida, bem como o entorno do Hard Rock Stadium, começou agitada. Com menos de um minuto, Messi carregou pelo lado direito e tocou para Montiel, que cruzou da primeira na grande área. Julián Álvarez finalizou de chapa, mas mandou para fora. A Colômbia não demorou a responder. Aos seis minutos, James Rodríguez lançou para Santiago Arias pela direita. O lateral ajeitou de cabeça para Córdoba, que chutou de primeira e viu a bola passar tirando tinta da trave. Os colombianos seguiram pressionando a saída de bola da Argentina e tentavam incomodar os atuais campeões. Aos 12 minutos, James cobrou escanteio, Sánchez ajeitou de cabeça e Cuesta completou para o gol, mas Dibu Marínez fez boa defesa e evitou o gol dos Cafeteros. Aos 32 minutos, a Colômbia quase abriu o placar através de Jhon Arias. Ele recebeu no meio-campo e emendou uma pancada de muito longe, mas Dibu Martínez se esticou e fez uma defesaça. Messi deu um grande susto na torcida argentina aos 35. O craque levou a pior após uma dividida na linha de fundo e ficou alguns minutos fora de campo. Porém, aos 38, ele voltou ao gramado ainda mancando e seguiu no jogo. A parte final do primeiro tempo foi muito brigada, mas com poucas chances de gol. Segundo tempo A Colômbia, que já havia levado mais perigo na etapa inicial, voltou novamente melhor do intervalo. James fez ótimo lançamento para Córdoba, que ajeitou de cabeça para Santiago Arias, que vinha de trás e chegou batendo firme, mas mandou à direita do gol defendido por Dibu Martínez. Aos nove, foi a vez de Davinson Sánchez quase estrear o placar em Miami. James cobrou escanteio na segunda trave, o zagueiro Cuesta tocou de cabeça para trás, mas Sánchez acabou testando por cima do travessão. A Argentina estava sendo pressionada pela Colômbia, mas levou perigo ao goleiro Vargas, aos 13. Mac Allister enfiou para Di María, que invadiu a área e chutou cruzado, mas o arqueiro colombiano espalmou. Houve uma reclamação e pedidos de pênalti no início da jogada, mas o árbitro mandou seguir. Aos 20 minutos, os argentinos perderam Messi, que sentiu dores na coxa direita e deixou o campo chorando. Aos 27, a Colômbia pediu um pênalti após um choque entre Córdoba e Mac Allister na grande área, mas Claus não deu nada. A Argentina chegou a marcar aos 29, com Nico González, mas o tento foi bem anulado por impedimento. Por muito pouco a Argentina não estreou o marcador aos 42 minutos. Di María cruzou para Nicolás González, que se esticou todo e tentou cabecear para o meio da área, mas quase acabou mandando direto para o gol. A bola, porém, só saiu pela linha de fundo. Prorrogação Os argentinos pareciam mais inteiros na prorrogação e dominavam as ações. Aos quatro minutos de etapa inicial, De Paul recebeu de Di María na linha de fundo e cruzou rasteiro na área para Nico González, que bateu de primeira, mas Vargas fez uma grande defesa e salvou a Colômbia. A bola enfim balançou as redes aos seis minutos da etapa final da prorrogação. Lo Celso recebeu de Paredes e lançou de primeira para Lautaro Martínez. O artilheiro da Copa América saiu cara a cara com o goleiro Vargas e bateu firme para fazer o gol do título da Argentina. FICHA TÉCNICA ARGENTINA 1 X 0 COLÔMBIA Local: Hard Rock Stadium, em Miami (EUA) Data: 14 de julho de 2024 (domingo) Horário: às 22h22 (de Brasília) Árbitro: Raphael Claus (BRA) Assistentes: Bruno Pires (BRA) e Rodrigo Corrêa (BRA) VAR: Rodolpho Toski (BRA) Cartões amarelos: Jhon Córdoba e Borja (Colômbia); Mac Allister e Lo Celso (Argentina) Cartões vermelhos: Nenhum GOL: Lautaro Martínez, aos 6′ do 2ºT da prorrogação (Argentina) ARGENTINA: Emiliano Martínez; Montiel (Molina), Cristian Romero, Lisandro Martínez e Tagliafico; Rodrigo De Paul, Enzo Fernández (Paredes), Mac Allister (Lo Celso) e Di María (Otamendi); Messi (Nicolás González) e Julián Álvarez (Lautaro Martínez). Técnico: Lionel Scaloni COLÔMBIA: Vargas; Santiago Arias, Davinson Sánchez, Carlos Cuesta e Mojica; Lerma (Uribe), Richard Ríos (Castaño), Jhon Arias (Carrascal) e James Rodríguez (Quintero); Luis Díaz (Borja) e Jhon Córdoba (Borré). Técnico: Néstor Lorenzo Play Video

Leia mais... »
Esportes

Espanha supera Inglaterra e é campeã da Eurocopa

Seleção Espanhola venceu por 2 a 1 neste domingo (14/7) e se isolou como maior vencedora da história da competição, com quatro títulos A Europa é da Espanha! Neste domingo, a seleção espanhola venceu a Ingalterra por 2 a 1, no Estádio Olímpico, em Berlim, na Alemanha, e se consagrou campeã da Eurocopa de 2024. Nico Williams e Oyarzabal anotaram os gols dos campeões, enquanto Palmer descontou. Com o resultado, a Espanha se isolou como a maior vencedora do torneio, com quatro canecos. Antes, La Roja já havia conquistado o título em 1964, 2008 e 2012. Já a seleção inglesa segue sem vencer a Eurocopa. Esse foi o segundo vice da equipe. Em 2020, os ingleses perderam para a Itália. Assim, a Copa do Mundo de 1966 segue sendo o único títulos dos Três Leões. O jogo O primeiro tempo foi bem morno. A Espanha tentou tomar conta da partida e até dominou a posse de bola. A equipe, porém, teve muitas dificuldades para encontrar espaços na defesa inglesa. Nas únicas descidas mais agudas, com Williams e Morata, Stones apareceu para bloquear as finalizações. Do outro lado, a Inglaterra só apareceu no ataque nos acréscimos. Rice cruzou na área, Le Normand desviou e deixou nos pés de Foden, que bateu para boa defesa de Unai Simón. Na volta do intervalo, o jogo enfim esquentou. Com apenas um minuto, Lamine Yamal recebeu bom passe de Carvajal, costurou a defesa adversária e achou Nico Williams sozinho na esquerda. O ponta chegou finalizando de primeira para abrir o placar. Logo na sequência, quase saiu o segundo. Depois de chute fraco de Williams, Dani Olmo dominou na área, girou e tirou tinta da trave de Pickford. Aos 10, Morata recebeu ótimo passe de Yamal e tocou na saída do goleiro. Guéhi apareceu na hora certa para afastar. No lance seguinte, Williams arriscou de longe e mandou à direita da meta. A Inglaterra ficou perto de empatar aos 18 minutos. Bellingham recebeu na intermediária, tirou três de uma vez só com um lindo drible e soltou uma pancada, pelo lado. A resposta espanhola foi aos 20. Yamal foi acionado na direita, cortou para o meio e mandou no cantinho. Atento, Pickford se esticou todo para espalmar. Já aos 27, saiu o empate inglês. Saka desceu pela direita e achou Bellingham, que tocou de primeira para Palmer. Em seu primeiro toque na bola, o atacante finalizou com muita categoria para deixar tudo igual. No fim, a Espanha se lançou ao ataque para tentar matar o confronto ainda no tempo normal. Com 36, Yamal dominou com liberdade na área e chutou para mais uma boa intervenção de Pickford. Já aos 41 minutos, a estratégia deu certo. Cucurella recebeu na esquerda e cruzou rasteiro. Oyarzabal se antecipou à marcação e desviou para o fundo da rede. Nos minutos finais, a Inglaterra se lançou toda ao ataque, mas nada foi o suficiente para buscar o empate. Assim, a Espanha se tornou tetracampeã europeia.

Leia mais... »
Esportes

Abel Ferreira pede desculpa a indígenas por expressão xenofóbica

Guajajara repudia fala de técnico do Palmeiras; Abel reconhece erro Sonia Guajajara. Foto: Divulgação A ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, disse neste sábado (13) que foi procurada pelo Palmeiras e informada sobre o pedido de desculpas do técnico Abel Ferreira. Na última quinta-feira (11), depois da vitória sobre o Atlético Clube Goianiense por 3 a 1, pelo Brasileirão, ele afirmou que o time paulista “não é uma equipe de índios”. A expressão foi usada como sinônimo de desorganização. “A assessoria do Palmeiras entrou em contato com nosso gabinete para informar sobre o posicionamento do técnico Abel Ferreira, após sua fala. Importante o reconhecimento do erro e o pedido de desculpas às comunidades indígenas do Brasil”, escreveu Guajajara nas redes sociais. O pedido de desculpas citado pela assessoria do clube foi postado nas redes sociais de Abel Ferreira na sexta-feira (12). “Repudio toda e qualquer forma de preconceito e discriminação. Infelizmente, há expressões que continuamos a perpetuar sem que nos debrucemos sobre o seu conteúdo. Errei ao usar uma dessas expressões na coletiva de imprensa. Reconheço que palavras têm poder e impacto, independentemente da intenção. Devemos todos questionar, pensar e melhorar todos os dias. Peço desculpa a todos e, em especial, às comunidades indígenas”, escreveu o técnico. Também na sexta-feira, a ministra escreveu que as falas de Abel Ferreira eram “inadmissíveis”, por revelar a permanência de estereótipos em relação aos povos indígenas. “O técnico do Palmeiras errou, e muito, na sua declaração. Gostaria de convidá-lo a conhecer a história dos povos indígenas do Brasil. E também conhecer a história de colonização de Portugal, seu país de origem, em relação ao Brasil e como estamos trabalhando para rever isso”, escreveu. Guajajara também citou os posicionamentos recentes do governo português, que em junho assinou Memorando de Entendimento com o Observatório do Racismo e Xenofobia do país, durante visita da ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco. “O próprio presidente de Portugal, recentemente, admitiu que o país foi responsável por uma série de crimes contra escravos e indígenas no Brasil. Uma declaração muito importante porque o reconhecimento de tais crimes é o primeiro passo para ações concretas de reparação”. “Seu posicionamento, naquele momento, trouxe para o debate público a relevância inadiável de avançarmos numa agenda de igualdade étnico racial como premissa para a cidadania, com o resgate, a preservação e a valorização da história e dos saberes da cultura afro-indígena do BR”, completou a ministra.

Leia mais... »
Esportes

Uruguai elimina Brasil nos pênaltis nas quartas da Copa América

Fim do sonho! Nos pênaltis, o Uruguai levou a melhor por 4 a 2; Rochet defendeu uma cobrança de Militão e Douglas Luiz mandou uma bola na trave Acabou o sonho. No primeiro desafio do técnico Dorival Júnior numa competição mata-mata, a Seleção Brasileira foi eliminada pelo Uruguai nas quartas de final da Copa América de 2024. As equipes empataram sem gols no tempo regulamentar e a vaga para a semifinal foi decidida nos pênaltis, na noite deste sábado (6/7), no Estádio Allegiant, em Las Vegas, nos Estados Unidos. Nos pênaltis, o Uruguai levou a melhor por 4 a 2. Rochet defendeu uma cobrança de Militão e Douglas Luiz mandou uma bola na trave. Alisson ainda pegou uma cobrança de Giménez, mas não foi o suficiente para evitar a eliminação. Agora o Uruguai vai encarar a Colômbia na semifinal. Os colombianos se classificaram em primeiro lugar no Grupo D, com sete pontos. Já os uruguaios tiveram campanha irretocável no Grupo C, com nove pontos e 100% de aproveitamento. Para chegar à semifinal, a Colômbia goleou o Panamá, por 5 a 0, em Glendale, também neste sábado. Raça e disposição, mas sem emoção O confronto mais esperado das quartas de final da Copa América teve um primeiro tempo insosso e pouco inspirado. Não faltou, no entanto, marcação acirrada de ambos os lados. Uruguai e Brasil protagonizaram 47 minutos de uma etapa inicial truncada, com diversos desarmes, divididas e encaradas entre os jogadores, porém, poucas finalizações em direção ao gol (duas dos brasileiros e nenhuma dos uruguaios). Um primeiro tempo, inclusive, equilibrado. Tanto é que as equipes se igualaram na posse de bola: 50% para cada. Vontade e raça não faltaram. Entretanto, a qualidade técnica na construção das jogadas deixou a desejar. Uma partida truncada e sem criatividade. A melhor chance do Uruguai foi com uma cabeçada de Darwin Nuñez por cima do travessão. Aos 34′ minutos, o atacante recebeu cruzamento livre na grande área, saltou com categoria, mas bateu na bola com a lateral do rosto mandando para fora, sem ameaçar Alisson. No mesmo minuto, a Seleção Brasileira também desperdiçou uma oportunidade numa saída rápida de bola. Raphinha dominou no meio-campo e avançou em disparada. O atacante do Barcelona passou por um zagueiro na velocidade, mas ao finalizar na grande área chutou em cima de Rochet. Expulsão muda a cara do jogo Os primeiros minutos do segundo tempo seguiram com a mesma intensidade da etapa inicial, mas novamente sem emoções para o torcedor. A Seleção Brasileira ofereceu mais trabalho à defesa uruguaia, porém, sem efetividade. A cara do jogo mudou bastante com a expulsão do lateral-direito Nández, do Uruguai, aos 28′. O uruguaio deu uma solada no pé de Rodrygo, e o árbitro aplicou o cartão amarelo. O lance, contudo, foi revisado pelo VAR por causa da agressividade do defensor. Sendo assim, Dario Herrera o expulsou. O Brasil de Dorival Júnior partiu para cima do adversário, que recuou. No entanto, sem criatividade, o esperado gol da equipe de Dorival não saiu e a partida foi para a decisão por pênaltis. Disputa de pênaltis Uruguai: Valverde (acertou), Bentancur (acertou), Arrascaeta (acertou), Giménez (Alisson defendeu) e Ugarte (acertou) Brasil: Militão (Rochet defendeu), Andreas Pereira (acertou), Douglas Luiz (na trave), Martinelli (acertou) Uruguai 0 (4) x (2) 0 Brasil Uruguai: Rochet; Nández, Ronald Araújo (José Giménez), Mathias Olivera e Viña (Sebastián Cáceres); Ugarte, Valverde e De La Cruz (Bentancur); Pellistri (Varela), Maxi Araújo e Darwin Nuñez (Arrascaeta). Técnico: Marcelo Bielsa. Brasil: Alisson; Danilo, Éder Militão, Marquinhos e Guilherme Arana; Bruno Guimarães (Evanilson), João Gomes (Andreas Pereira) e Lucas Paquetá (Douglas Luiz); Raphinha (Savinho), Rodrygo (Gabriel Martinelli) e Endrick. Técnico: Dorival Júnior. Motivo: quartas de final da Copa América Local: Estádio Allegiant, em Las Vegas, nos Estados Unidos Data: 6 de julho de 2024 Cartões amarelos: Ugarte, De La Cruz (Uruguai); Lucas Paquetá, João Gomes (Brasil) Cartão vermelho: Nández (Uruguai) Árbitro: Dario Herrera (ARG) Assistentes: Juan P. Belatti (ARG) e Cristian Navarro (ARG) VAR: Guillermo Pacheco (MEX)

Leia mais... »
Esportes

Raí relembra Bolsonaro em discurso contra a ultradireita na França

‘Vivemos um pesadelo’ – O ato foi convocado às vésperas do segundo turno das eleições legislativas, que tem o partido populista Reunião Nacional (RN), da extremista Marine Le Pen, como favorito O ex-meiocampista Raí, um dos maiores ídolos do São Paulo, do Paris Saint-Germain e da seleção brasileira nos anos 1990, discursou em um ato contra a extrema-direita em Paris, capital da França. O ato foi convocado às vésperas do segundo turno das eleições legislativas, que tem o partido populista Reunião Nacional (RN), da extremista Marine Le Pen, como favorito. Em suas declarações, o ex-atleta reverenciou a democracia e teceu duras críticas à extrema-direita e ao governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). “Eu conheço bem a extrema-direita. O que eles fazem de melhor é mentir. Eu os vi, eu os testemunhei no poder”, iniciou Raí. “A extrema-direita é o fim do mundo. É o fim dos direitos humanos, do humanismo, da humanidade. No Brasil, nós vivemos um pesadelo. Quatro anos de misoginia, quatro anos de homofobia, de preconceito, de mortes, de desmatamento”, completou, ao ainda provocar os presentes para o tema das eleições. “Se queremos mudar a nossa realidade, o nosso poder de compra, a nossa vida, a vida dos nossos vizinhos, vamos mudar com estratégia, com projeto, com novas políticas. Mas nunca nossos valores fundamentais. Nunca mudemos nossos valores fundamentais”.

Leia mais... »
Esportes

Vini Jr. detona Tiago Leifert após receber críticas; entenda a briga

Destaque da seleção brasileira não gostou dos comentários do ex-apresentador da Globo Vini Jr., principal destaque da seleção brasileira que está disputando a Copa América, nos Estados Unidos, não gostou nada dos comentários feitos pelo apresentador Tiago Leifert sobre seu desempenho em campo. O atacante rebateu as críticas de que, quando atua pela seleção, é individualista, diferentemente do que ocorre quando joga pelo Real Madrid, da Espanha. “Ele apenas quer colocar o Brasil contra mim e nossa seleção. Menos mal que poucas pessoas assistem ele”, escreveu Vini no X, antigo Twitter, em resposta a uma postagem com o vídeo da crítica de Tiago Leifert. Os comentários do ex-apresentador da Globo foram feitos depois da goleada do Brasil contra o Paraguai, por 4 a 1, na sexta-feira (28), pela segunda rodada do Grupo D da Copa América. No jogo, Vini Jr. foi autor de dois gols. “Esse não é o Vini do Real Madrid, de jeito nenhum. Esse é o Vini recém-saído do Flamengo. É um Vini que jogava para ele, que dribla para trás, quer dar carretilha o tempo inteiro”, disparou Leifert. “Se o Vini faz isso no Real Madrid, o Florentino Pérez e o Ancelotti comem o fígado nele no intervalo, se ele faz isso em um jogo do Real Madrid. Isso não é o Vini do Real Madrid, ele não é louco de fazer isso no Real Madrid”, acrescentou. “O Vini jogou para ele. O Vini não jogou pela seleção brasileira. O Vini estava muito mais preocupado em acertar um drible do que dar uma assistência, por várias vezes ele teve oportunidade lá na esquerda, em vez de ele botar a bola dentro da área, ou cruzar rasteiro, ou tocar para trás, ele voltou e tentou driblar de novo o cara do Paraguai”, disse Leifert. O Tiago Leifert arrumou um jeitinho de criticar o Vinicius Jr no ultimo jogo da seleção. Incrível isso kkkkkk eu acho que ele nunca assistiu um jogo do Vini na La Liga. Resumindo o vídeo: quero criticar alguém. pic.twitter.com/xwawnVoyfO — REAL MIL GRAU (@realmilgrauu) July 2, 2024 https://twitter.com/intent/follow?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1808591696571044320%7Ctwgr%5Eb3fe9b86524f17ce8a087281dd0b16b5722c2f53%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Fd-22062334152360786494.ampproject.net%2F2406131415000%2Fframe.html&screen_name=vinijr Jogador será desfalque contra Uruguai Vini Jr. postou sua resposta um dia depois do empate do Brasil com a Colômbia por 1 a 1, pela terceira e última rodada do Grupo D da Copa América. Durante esta partida, o atacante recebeu cartão amarelo e está suspenso contra o Uruguai, no sábado (6), às 22 horas (de Brasília), pelas quartas de final, em Las Vegas (EUA)

Leia mais... »
Esportes

Copa América – Brasil encara o Uruguai nas quartas de final sem Vinicius Júnior

Seleção brasileira leva empate da Colômbia com torcida gritando ‘olé’ O Brasil até saiu na frente do placar com um golaço, mas levou o empate por 1 a 1 da Colômbia, nesta terça-feira (2), no Levi’s Stadium abarrotado por 70.971 torcedores, em Santa Clara, pela 3ª rodada do grupo D da Copa América. O resultado é ruim para a equipe comandada por Dorival Júnior, que se classifica em 2º lugar e num leve “sufoco”, já que terminou a fase de grupos com 5 pontos, contra 4 da Costa Rica, que encerrou sua participação vencendo o Paraguai por 2 a 1, também nesta terça. Com isso, a seleção brasileira agora terá que enfrentar o temido Uruguai já nas quartas de final, no próximo sábado (6), no Allegiant Stadium, em Las Vegas. Isso foi totalmente contra os planos da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), que queria terminar em 1º lugar para evitar de toda forma um retorno a Las Vegas – também por diversas questões de bastidores. Além disso, a seleção ainda jogará desfalcada de Vinicius Jr., que estava pendurado e tomou cartão amarelo nesta terça. A Colômbia, por sua vez, comemora bastante o resultado, principalmente porque contou com ampla maioria dos quase 71 mil fãs no Levi’s Stadium. No meio e no final do 2º tempo, inclusive, as arquibancadas soltaram vários gritos de “olé” enquanto a seleção cafetera tocava a bola no campo de ataque brasileiro. Com 7 pontos, o time comandado por Nestor Lorenzo agora tem um desafio bem mais tranquilo nas quartas: pega o Panamá, também no sábado (6), às 19h (de Brasília), no State Farm Stadium, em Phoenix.

Leia mais... »
Esportes

A 16ª edição da Meia Maratona José Nardel será neste Domingo

MEIA MARATONA – José Nardel traz aspecto que torna a corrida de rua um esporte único Por Attilio Faggi | Fotos: Divulgação e Bengt Nyman | Já imaginou você participar de uma corrida de Fórmula 1 que definirá o campeonato mundial? Ou participar, mesmo sem ser um jogador profissional, da Champions League, enfrentando adversários como o Real Madrid ou o Milan? Então, a corrida de rua é o único esporte em que um atleta amador pode participar da mesma competição da qual seu ídolo participa. As grandes provas mundiais, como a Maratona de Nova York, por exemplo, em que correm os atletas da elite mundial, são abertas para inscrições de atletas amadores, o que não acontece em nenhuma outra modalidade esportiva. Neste domingo, 30, a 16ª edição da Meia Maratona José Nardel, que é organizada pela Secretaria Municipal de Esportes e Juventude, contará com a participação de dois atletas profissionais do Quênia. Para quem não sabe, o país localizado no leste do continente africano monopoliza os pódios mundo afora. Atletas quenianos conquistaram o ouro em três das últimas cinco maratonas olímpicas, na categoria masculina, e duas, entre as mulheres. Também é queniano o atleta Eliud Kipchoge, o único homem da história a ter corrido os 42 km da maratona abaixo de duas horas. Desta forma, a 16ª edição da Meia Maratona José Nardel contará com a participarão de Viola Jelagat Kosgei e Julius Kiprono Tarus. Viola venceu a última Volta Internacional da Pampulha (com o tempo de 1:05:30) e a Meia Maratona Internacional do Rio (01:18:06), além de ter vencido a NB 42k de Porto Alegre (2:38:05), enquanto Tarus já correu 8 maratonas abaixo de 2:15:00, tendo obtido seu melhor tempo na Maratona de Eindhoven, em 2019 (2:07:35). *Os atletas quenianos estarão na sede da Secretaria de Esportes nesta sexta-feira, às 16 horas.

Leia mais... »
Esportes

Mbappé rechaça extrema-direita antes da França estrear na Eurocopa

Em ebulição após a vitória eleitoral do Reunião Nacional na eleição europeia, a França vê uma série de jogadores se posicionando contra o avanço do partido de Le Pen Formada por imigrantes ou filho de imigrantes, a seleção francesa irrompeu, na última semana, contra a extrema-direita do país, em meio a campanha eleitoral para as eleições legislativas antecipadas, ainda que haja uma confusão política nas ideias políticas da seleção azul. A França estreia nesta segunda (17) na Eurocopa contra a Áustria, em Düsseldorf (Alemanha). Neste domingo (16), o astro dos bleus e do futebol mundial, Kylian Mbappe, rechaçou a Reunião Nacional (Rassemblement National, na sigla em francê), partido de extrema-direita, ao definir o momento político na França como “crucial na história do país”. O novo craque do Real Madrid, no entanto, revelou alguma inocência política ao equivaler a Nova Frente Popular (Nouveau Front Populaire), a coligação de partidos de esquerda formada para enfrentar a RN, com a extrema-direita. No penúltimo domingo (9), o presidente francês Emmanuel Macron dissolveu a Assembleia Nacional ao ver a lista de candidatos do seu partido, o Renascença (Renaissance, em francês), obter menos da metade do assentos conquistados pelos neofascistas nas eleições europeias. O bloco formado pelo RN, de Marine Le Pen, teve 31,4% dos votos, enquanto a coligação do Renascença somou 14,6% dos votos. “Espero que façamos a escolha certa e espero que ainda estejamos orgulhosos de usar esta camisa em 7 de julho. Não quero representar um país que não corresponda aos nossos valores. Acredito e espero que todos estejamos na mesma página”, afirmou o craque. Quando perguntado sobre as posições do seu companheiro Marcus Thuram, que neste sábado (15) se tornou o primeiro selecionado francês para a Eurocopa a criticar abertamente a RN, Mbappe afirmou que compartilha dos mesmos valores do que o atacante Internazionale de Milão. “Eu compartilho dos mesmos valores do Marcus. Falei de valores de diversidade, de tolerância, de respeito. É claro que estou com ele nessa, e não acho que ele exagerou “, disse Mbappé. https://t.co/25YBUNbKLK No dia anterior, o filho do zagueiro campeão do mundo de 1998, Lilian Thuram, disse que “é preciso lutar para evitar” uma vitória do partido do RN. “Penso que a situação é triste e muito grave”, disse Thuram durante coletiva de imprensa da seleção, dois dias antes da estreia dos Bleus na Eurocopa. “Temos que dizer a todos para irem votar e que lutem diariamente para evitar uma vitória do RN”, acrescentou o atacante do Inter de Milão. Mais tímidos em seus posicionamentos político, outros três veteranos da seleção francesa também fizeram protestos velados contra a extrema-direita do país. Nesta quinta (13), o ponta-direita Ousmane Dembelé, do Paris Saint-Germain, convocou os franceses a irem às urnas para as eleições legislativas antecipadas e chegou a concordar com o jornalista que havia classificada a RN como racista. “Quanto à situação na França, os alarmes soaram. Acho que precisamos nos mobilizar para votar. Recentemente, olhei o noticiário das 13h e vi que metade dos eleitores não tinha ido votar. Quero dizer às pessoas: vão votar”,disse Dembelé. Nas eleições europeias de 2024, a abstenção na França alcançou 48,51%, o nível mais baixo desde 1994. Os jogadores selecionados do treinador Didier Deschamps e todo o staff técnico tiveram a oportunidade de votar nas eleições europeias uma vez que a Federação Francesa de Futebol (FFF, na sigla em francês) organizou um sistema de votação por procuração. Na sexta (14), os veteranos e campeões do mundo em 2018, Olivier Giroud e Benjamin Pavard fizeram pronunciamentos ainda mais velados, ainda que inquietantes. “Serei breve, isto não tem impacto na nossa preparação”, disse o atacante Giroud, do Milan. “Se tenho um conselho a dar é: vote. A taxa de abstenção de 50% não é normal. Não vou dar detalhes sobre minhas inclinações políticas nem nada, estou aqui para falar de futebol”. Comentário quase idênticos também feitos alguns minutos antes por Benjamin Pavard. “Não estou aqui para julgar as pessoas, existe o direito de votar, todos deveriam ir votar, jovens, idosos, idosos”. Outros atletas, no entanto, tentaram fugir da polêmica. O meio-campista Eduardo Camavinga disse que não tinha pensado sobre as eleições europeias; o zagueiro Dayot Upamecano optou pelo clichê “prefiro falar de futebol”; e o atacante Kingsley Coman afirmou que a equipe estava tentando se concentrar “e não falar de política”. Inocência política de Mbappé Apesar das falas claras contra a extrema-direita, que rememoram os tempos em que futebol foi utilizado como um dos espaços de enfrentamento à direita radical na França, Mbappé derrapou no discurso ao fazer uma falsa equivalência entre a RN e o novo bloco de esquerda. “Hoje vemos muito claramente que os extremos estão às portas do poder e temos a oportunidade de escolher o futuro do nosso país”, disse o craque. De acordo com uma pesquisa publicada no último sábado pela Cluster 17, a Reunião Nacional possui 29,5% das intenções de voto nas eleições legislativas antecipadas, seguida de perto pela Nova Frente Popular, com 28,5%. Já o bloco apoiado pelo presidente francês, Emmanuel Macron, o Renascença, desponta apenas como a terceira força eleitoral do pleito com 18% das intenções de voto. “Kylian Mbappé é contra os extremos, contra ideias que dividem”, disse o francês, após ser questionado pelo repórter se o apelo é acima de tudo a não votar na RN. Sua fala foi, no entanto, criticada por torcedores que esperavam uma crítica mais direta ao Reunião Nacional, o partido de ultradireita liderado por Marine Le Pen. A opção de Mbappé por não atacar diretamente a ultradireita lembra a do próprio Macron. O presidente francês costuma dizer que é contra radicalismos de ambos os lados do espectro político para conquistar as franjas moderadas dos dois polos. “Sim, nós conversamos e ele me deu bons conselhos. Quando se é uma figura nacional, há direitos e deveres e temos de assumir tudo o que somos enquanto jogador e homem”, disse Mbappé, em 2022, sobre sua relação com Macron, confirmando o contato com ele e a sua influência sobre

Leia mais... »