A eternidade é sua, meu querido Paulo Ribeiro. Voe…

O caminho é eterno e não precisa mais de pressa. Agora, você pode fazer quantas expedições quiser e com roteiros diversificados. Não apenas pelos caminhos dos Geraes, mas de todos os caminhos imagináveis e inimagináveis do universo.
No seu trajeto, inclua sempre o parque estadual da Lapa Grande, para prestigiar os mananciais de grutas, as pinturas rupestres, as matas ciliares, as nascentes e todas as riquezas naturais ali presentes, graças à sua mão de amante do meio ambiente.
Visite as áreas protegidas pelo Ecocrédito, programa que você criou e virou modelo para o mundo, ao recompensar produtores rurais que preservam a natureza e incentivam a conservação da biodiversidade em áreas rurais.
Voe com as borboletas nos 13 jardins, que você ajudou a criar debaixo das esculturas de borboletas. Caminhe pelas ecopistas, aprecie as obras de arte e descanse nos bancos e divãs de todas as praças e parques criados e revitalizados por você. E não se esqueça de um tour pela galeria de artes a céu aberto, mais uma obra sua.
Enfim, vá sem pressa, mas continue esbravejando contra as injustiças do mundo. Como dizia seu tio e guru, Darcy Ribeiro: “mais vale errar se arrebentando do que poupar-se para nada”. Você foi a personificação disso. Nunca se resignou. Pelo contrário, sempre se indignou com as injustiças desta terra. Vale outra frase de Darcy. “Só há duas opções nesta vida: se resignar e se indignar. E eu não vou me resignar nunca”.
Em seu livro de memórias, Darcy escreveu a frase que é a sua cara: “Termino esta minha vida já exausto de viver, mas querendo mais vida, mais amor, mais saber, mais travessuras”. E você foi esse menino travesso que não parava de sonhar e nem de realizar missões praticamente impossíveis…
Fique na paz amigo
Luís Carlos Gusmão

Deixe um comentário