Jair Bolsonaro é vaiado em Aparecida e chamado de genocida, lixo e assassino

Em Aparecida, no interior de São Paulo, nesta terça-feira, 12, dia do feriado que homenageia a padroeira do Brasil, para os católicos, Jair Bolsonaro foi recebido com vaias e chamado de “genocida”, “lixo” e “assassino”.

Mais cedo, durante o sermão da missa das 9h, nesta terça, Dia de Nossa Senhora Aparecida, o arcebispo da cidade, Dom Orlando Brandes, opositor a Bolsonaro, fez críticas ao armamento da população e ao espalhamento de notícias falsas.

“Para ser pátria amada seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos construindo a grande família brasileira”, disse Dom Orlando Brandes durante a missa da manhã.

Sem citar Bolsonaro, Dom Orlando criticou a política de governo no combate à pandemia de Covid-19 e lamentou a morte de mais de 600 mil pessoas pela doença. O religioso enalteceu o poder da ciência e destacou a importância da vacina.

“Mãe Aparecida, muito obrigado porque na pandemia a senhora foi consoladora, conselheira, mestra, companheira e guia do povo brasileiro que hoje te agradece de coração porque vacina sim, ciência sim e Nossa Senhora Aparecida junto salvando o povo brasileiro.”

Deixe um comentário