Em carta, governadores dizem que ICMS não causou aumento nos combustíveis

 Manifestação é mais um capítulo de disputa política sobre os preços

Governadores de 19 Estados e do Distrito Federal divulgaram uma carta em que contestam a versão que tem sido sustentada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que o preço da gasolina está alto em função do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Afirmam que o ICMS é o mesmo nos últimos 12 meses, período em que a gasolina ficou, em média, 40% mais cara. A nota é mais um capítulo da disputa política que tem sido travada entre o governo federal e os estaduais em relação aos preços dos combustíveis, que, ao lado da energia elétrica, têm pressionado a inflação deste ano. “Falar a verdade é o primeiro passo para resolver o problema”, disseram.

Eis a carta divulgada:…

Apoiadores de Bolsonaro, Ronaldo Caiado (DEM), de Goiás, Claudio Castro (PL), do Rio de Janeiro, e Ibaneis Rocha (MDB), do Distrito Federal assinaram o documento. O Poder360 fez um levantamento junto às Secretarias estaduais de Fazenda dos 26 Estados e do DF sobre as alíquotas atuais de ICMS que incidem sobre gasolina, etanol e diesel, e quando foi a última vez que elas sofreram alteração. Apenas 4 Estados não forneceram as informações, até a conclusão desta reportagem: Amazonas, Pernambuco, Piauí e Sergipe.

Eis o levantamento:…

————————————————————————————————————————

ICMS sobre os combustíveis

Estado Gasolina Etanol Diesel Quando foi a última mudança da alíquota?
Acre 25 25 17 Gasolina e Etanol: 2001 / Diesel: 2004
Alagoas 29 25 18 2015
Amapá 25 25 17 Gasolina e etanol: 1997/ Diesel: 2021
Bahia 28 20 18 Gasolina: 2015 / Diesel e etanol: 2016
Ceará 29 25 18 Diesel: 1998/ Etanol: 2004/ Gasolina: 2016
Distrito Federal 28 28 15 2016
Espírito Santo 27 27 12 2006
Goiás 30 25 16 Etanol: 2007 / Gasolina: 2016 / Diesel: 2018
Maranhão 30,5 26 18,5 Etanol: 2017/ Gasolina e Diesel: 2019
Mato Grosso 25 12,5 17 Gasolina e diesel: 1998/ Etanol: 2020
Mato Grosso do Sul 30 20 12 2020
Minas Gerais 31 16 15 Diesel: 2012/ Gasolina e etanol: 2018
Paraná 29 18 12 2015
Paraíba 29 23 18 2016
Pará 28 25 17 Diesel: 1984/ Gasolina: 2010/ Etanol: 2016
Rio de Janeiro 34 32 12 Etanol: 1997/ Gasolina: 2017/ Diesel: 1996
Rio Grande do Norte 29 23 18 2016
Rio Grande do Sul 30 30 12 2015
Rondônia 26 26 17 Diesel: 2000/ gasolina e etanol: 2016
Roraima 25 25 17 Diesel: 1999/ gasolina e etanol: 2009
Santa Catarina 25 25 12 1998
São Paulo 25 13,3 13,3 Gasolina: 2002/ Etanol e diesel: 2021
Tocantins 29 29 13,5 Diesel: 2002/ Gasolina e Etanol: 2015
fonte: Secretarias de Fazenda
De fato, nenhum dos Estados aumentou o imposto nos últimos 12 meses. Em 18 Estados, a última vez que o ICMS foi reajustado foi antes do início do governo Bolsonaro. Aqueles que elevaram alíquotas mais recentemente foram Mato Grosso do Sul e São Paulo. O primeiro aumentou o ICMS da gasolina de 25% para 30%, em fevereiro de 2020. O segundo reajustou o imposto sobre etanol e diesel de 12% para 13,3% em janeiro deste ano.
Na última semana, o governador Eduardo Leite (PSDB), que deve disputar a Presidência da República no ano que vem, reafirmou que a alíquota que incide sobre a gasolina e o etanol será reduzida dos atuais 30% para 25%. A mudança será já no primeiro mês do ano eleitoral.
Para o advogado tributarista Sergio Montenegro, a discussão sobre a tributação dos combustíveis, que deveria ser técnica, está sendo politizada. “O mercado de combustíveis é extremamente regulado, controlado por vários interesses. E agora temos outro elemento, que é essa disputa eleitoral entre o presidente da República e os governadores“, disse Montenegro. Ele acrescenta que a concentração da maioria dos postos de gasolinas nas mãos de poucas empresas reduz a competição e, consequentemente, dificulta a redução de preços.
Como é calculado o ICMS dos combustíveis?
Não só Bolsonaro, mas políticos da sua base aliada têm atribuído ao ICMS os aumentos sucessivos da gasolina. Na semana passada, o deputado federal Osmar Terra (MDB) afirmou, na Comissão Geral convocada pela Câmara dos Deputados para tratar dos preços dos combustíveis, que os governadores precisam ter “sensibilidade”.
“Queria que tivéssemos um entendimento com os governadores. Metade dos impostos que a Petrobras paga é cobrada dos governos estaduais. Isso é cobrado em cima de um preço fictício. Não é o preço real do combustível. É sempre para mais. Está na hora dos governos estaduais terem compreensão e colaborarem”, disse Terra.

A afirmação do deputado em relação ao “preço fictício”, no entanto, não procede. A incidência do ICMS funciona da seguinte forma: a cada 15 dias, o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), vinculado ao Ministério da Economia, publica o chamado Ato Cotepe/PMPF, que traz um levantamento do preço médio ponderado ao consumidor final de diversos combustíveis.Essa pesquisa é feita pela ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) nos postos de combustíveis, em todos os Estados. Assim, sempre que a gasolina é reajustada nas refinarias ou, ainda que não seja, mas é reajustada na bomba, o ICMS incide sobre esse novo valor, gerando um efeito cascata. Essa metodologia, no entanto, é usada há 14 anos, por meio do Convênio ICMS n° 110/2007, firmado entre União e Estados. Ou seja, a política de incidência do imposto não é exclusiva dos governos estaduais.

Por meio da AGU, Bolsonaro pediu ao STF que obrigue o Congresso Nacional a regulamentar a Emenda Constitucional aprovada em 2003 que estabelece que o imposto deve ser unificado. Inácio Nogueirol e Robson Almeida, da equipe de Regulatory da Sovos, multinacional de soluções de compliance fiscal, afirmam que adotar uma alíquota única ou um valor fixo pouco afetaria os preços para os consumidores.

Segundo eles, o combustível deveria ser enquadrado na legislação tributária como insumo essencial à economia, em função do seu impacto sobre o custo de vida. “Portanto, a questão não é diferenciar os percentuais e sim, diminuí-los, colocando-os em um patamar próximo aos dos produtos da cesta básica”, afirmaram os especialistas, em nota.

Via Poder 360

Deixe um comentário