Uma criança desaparece a cada dois dias em Minas Gerais

Amigos e parentes fazem manifestação durante o velório de Bárbara: caso comoveu o estado (foto: juarez rodrigues/em/D.A press -3/8/22)

Em 2021, 181 sumiços de menores de 12 anos foram reportados no estado, incluindo fugas e raptos. Pais devem ficar atentos ao círculo social dos filhos.

O sumiço da menina Bárbara Victória, de 10 anos, que terminou no estupro e morte da criança, na Grande BH, e provocou comoção em todo o estado, não é um caso isolado, embora, felizmente, nem sempre o desfecho seja tão trágico. Minas Gerais registrou 181 desaparecimentos de menores de 12 anos em 2021, o que significa média de uma ocorrência a cada dois dias, apontam dados da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). Há situações de fuga, mas especialistas alertam para crimes como o rapto infantil, e para a necessidade de adoção de medidas de segurança e educacionais para evitar o perigo.

Segundo a Sejusp, o número computado como “desaparecimentos” corresponde à quantidade de pessoas que tiveram o sumiço reportado, ainda que, posteriormente, possam ter sido localizadas. De acordo com delegada da Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida de Belo Horizonte (DRPD-BH), Bianca Landau Braile, avalia que, na maioria dos desaparecimentos, as crianças simplesmente optam por fugir. Descontentamento com a estrutura familiar é um dos motivos. Passear com amigos é outro. Mas os raptos também ocorrem, por diversos motivos: “Desde fins sexuais até para vender a criança para outra família”, exemplifica.

VULNERABILIDADE
O especialista em segurança pública Jorge Tassi acrescenta que as crianças têm “grande vulnerabilidade” por vários fatores, entre eles a incapacidade de perceber o entorno e situações de risco e falta de força física para se defender. Apesar disso, ele analisa que as medidas de segurança não devem ser confundidas com excesso de proteção. “A criança tem que ser instrumentalizada para enxergar a situação de risco e reconhecer os espaços onde está”, alertou.
Idas acompanhadas ao supermercado ou a centros movimentados de compra, por exemplo, são bem-vindas para orientar os filhos sobre cuidados e condutas de segurança a serem seguidas, orienta o especialista. Embora “não falar com estranhos” seja uma orientação padronizada, Tassi sugere uma reflexão mais ampla. “Muitas vezes, conversar com o estranho é a única alternativa para uma situação de desespero”, lembra.
EDUCAÇÃO
Segundo ele, o ideal é educar a criança e mostrar os processos para que ela tenha autonomia de saber que pode encontrar ajuda em desconhecidos. “É criar na criança uma energia, uma predisposição, para ela ter atitude quando se sentir ameaçada. Entrar em uma loja e saber que pode pedir ajuda”, cita. É preciso que ela saiba, por exemplo, que pode dizer que está sendo perseguida, enfatiza o especialista.
COMO AJUDAR
Quem tiver informações sobre pessoas desaparecidas pode acionar a Polícia Civil no telefone 0800-2828-197. No site da instituição é possível conferir fotos e informações de desaparecidos em Minas Gerais. O endereço é https://desaparecidos.policiacivil.mg.gov.br.

Fonte: Estado de Minas

Deixe um comentário

sky77 liveslot168 luck365 qqmacan kingceme agen338 maxwin138 mantap168 koko303 bosswin168 slot5000 dewagame vegas4d lemacau gen777 okeplay777 ligaplay88 idngg gem188 kaisar888 mild88 toto slot sbobet idn poker gas138 ajaib88 menang123 megahoki88 luxury333 kdslots777 gas138 vegasgg brobet77 jakartacash  vegas77 pokerseri warungtoto autowin88 judi online