GÊNERO – ‘Boa tarde a todes’: governo Lula adota linguagem neutra

Governo Lula (PT) faz aceno de respeito à população LGBTQIA+ com uso da linguagem neutra | Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil – 03/07/2022

Além da saudação tradicional a homens e mulheres, o governo Lula passou a adotar o pronome neutro ‘todes’ em eventos e cerimônias oficiais. “Boa tarde a todos, a todas e todes”, disse o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, ao abrir o discurso de posse nessa terça-feira (3/1), em gesto que se repetiu em outros atos na semana passada.

O uso de uma expressão que não abarca nem o gênero masculino nem feminino busca atingir pessoas trans e não-binárias – além de retirar a predominância do gênero masculino da língua portuguesa Um exemplo comumente usado é como se referir a um ambiente composto por nove mulheres e um homem: usa-se “todos” e não “todas”. O uso de “todes” buscaria aglomerar todos os gêneros, de forma neutra – algo que comum em outros idiomas, mas não previsto na gramática normativa do português.

O fenômeno também acontece no setor privado. A Braskem lançou em 2018 um guia de “comunicação inclusiva” para melhorar o relacionamento entre funcionários no ambiente de trabalho. Para falar com pessoas de gêneros não-binários, o guia recomenda o uso dos artigos “x/ile/dile”, em vez de “a/ela/dela” ou “o/ele/dele”. O material também orienta os funcionários a evitarem expressões como “homossexualismo” (o sufixo “ismo” indica doença) e “opção sexual” e a utilizarem, por outro lado, os termos “homossexualidade” e “orientação sexual”.

Ainda assim, há apoiadores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que criticam o uso da linguagem. “Não preciso nem dizer que se o governo federal adotar o uso do pronome neutro em cerimônias oficiais, eles vão alimentar cada vez mais o bolsonarismo, né?”, questionou um influenciador petista com mais de 200 mil seguidores no Twitter. “Nada contra, mas temos 1001 problemas pra resolver nos próximos 4 anos, e um deles é evitar dar narrativa pra essa gente.”

Bolsonaristas

Ao longo de 2020, deputados apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro adotaram uma postura contrária à linguagem neutra. Eles investem, no Legislativo, na promoção de leis que proíbam o seu uso. O projeto de lei 5198/20, de autoria do deputado Junio Amaral (PL-MG), “proíbe instituições de ensino e bancas examinadoras de concursos públicos de utilizarem o gênero neutro para se referir a pessoas que não se identificam com os gêneros masculino e feminino, como a população LGBTI”. O texto da ementa argumenta que a “nova forma de flexão de gênero e número” atua “em contrariedade às regras gramaticais consolidadas”. A proposta não avançou na Câmara dos Deputados.

Tramitaram em todos os Estados do País, com exceção de Roraima, Piauí e Tocantins, projetos de lei que buscam proibir o uso da linguagem neutra. Propostas também avançaram em diversas Câmaras Municipais pelo Brasil.

Por Estadão Conteúdo

Deixe um comentário