Ontem, dia 10 de março de 2023, mais três pessoas perderam a vida de forma violenta na Br 135, na subida da serra, região sul de Montes Claros. Fato revoltante por si com o agravante da forma como foi e está sendo tratado pelas maiores fontes de informação da região. O acontecido não foi uma fatalidade, no sentido de falta de sorte, nem tão pouco um acidente no sentido de imprevisibilidade. Apesar de pagarmos um dos pedágios mais caros do Brasil somos submetidos as ações absurdas e muitas vezes desumanas da empresa Eco 135, desde a sua habilitação como concessionária da Br 135.

Foto: Henrique Zuba/Inter TV

A empresa gere um bem público extremamente sensível para milhares de usuários de forma autocrática e com a conivência do governo de Minas Gerais, desde a sua concessão. Suas decisões sobre as obras na rodovia levam em conta muitos interesses, mas na maioria das vezes contrários aos interesses dos usuários. As escolhas da empresa Eco 135 estão causando a morte de seus usuários. Por limite de espaço vamos listar aqui apenas três motivos os quais sustentam essa afirmação.

Primeiro: caso fossem levados em conta os interesses dos usuários o processo de duplicação teria sido iniciado pelo trecho mais letal, ou seja, o trecho de Montes Claros a Bocaiúva. Como existem duas serras durante esse percurso, o que encarece sobremaneira a obra, a empresa optou pelo percurso entre Corinto e o trevo da BR 040. O trajeto de Montes Claros até Bocaiúva ainda hoje não consta no projeto de duplicação publicizado pela empresa. Será que ele existe de fato? Como você produz um material caro como o vídeo promocional presente no site da empresa sem constar o trecho mais letal da rodovia. Qual motivo?

Segundo: obras já realizadas na rodovia apontam para um futuro de continuidade de mortes na mesma. Exemplo importante é a distância entre as duas pistas no trecho já duplicado, entregue alguns dias atrás. A mesma não garante o mínimo de segurança em caso de descontrole de um veículo na pista da via de direção oposta. A passarela do Planalto, em construção, também indica que a distancia entre as duas pistas ali será praticamente igual a distancia existente atualmente, antes da duplicação.

Terceiro: as barreiras de contenção instaladas na serra da BR 135, na saída de Montes Claros para Bocaiúva são verdadeiras armas para tirar a vida dos usuários da mesma, como ocorrido ontem com os três usuários. Nesse caso a Eco 135 é diretamente responsável por essas mortes. Eu mesmo já presenciei, mais de uma vez, caminhões saindo pelo acostamento naquele local, em caso de perda de freio. Mesmo operando uma manobra ilegal, os mesmos acabavam evitando a perda de vidas, ao contrário do ocorrido ontem. As decisões tomadas sem ouvir os usuários podem levar ao aumento da letalidade. Desde sempre caminhões perdem os freios naquele declive. Reduzir o acostamento com as barreiras de contenção colocou como única opção para os condutores de veículos pesados, em caso de perda dos freios, jogar esses veículos na contra mão. Ou seja, azar de quem está passando no momento. Quanto a empresa resta apenas anunciar mais uma fatalidade e seus gestores vão dormir tranquilos mais uma noite, ao contrário dos familiares daqueles que perderam a vida e mesmo dos sequelados.

Um detalhe, estamos diante de uma concessão pública e elegemos pessoas para nos representar na defesa da população de forma geral. Onde estão essas pessoas já que para a imprensa de forma geral estamos apenas diante de uma fatalidade? Onde estão nossos representantes?

(foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A.Press )
(foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A.Press )
(foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A.Press )
(foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A.Press )
(foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A.Press )

Caminhão perdeu o freio na descida de uma serra e atingiu uma carreta, dois carros pequenos e uma moto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − nove =