Com Bolsonaro há uma autorização para o racismo, diz Roger Machado

Segundo o treinador do Grêmio, “os indivíduos [racistas] que estavam escondidos [porque a sociedade os reprimia] se sentem autorizados a se manifestar”

– O técnico do Grêmio, Roger Machado, 47 anos, um dos poucos treinadores negros no comando de um clube do futebol brasileiro, afirmou que o discurso de Jair Bolsonaro (PL) dá autorização para o racismo. Com passagens por Palmeiras, Fluminense e Atlético-MG, Roger, disse ter recebido insultos direcionados à sua esposa e às suas filhas, nessa quarta-feira (27), na vitória gremista sobre o Operário-PR. A entrevista foi concedida ao jornal Folha de S.Paulo.

Leia também

Futebol com elogios, sem comemorações

Ao comentar se Bolsonaro tem alguma responsabilidade pelo racismo no Brasil, o treinador afirmou que “indivíduos [racistas] que estavam escondidos [porque a sociedade os reprimia] se sentem autorizados a se manifestar segundo as posturas e pontos de vista do líder da nação, [porque estes] são convergentes”. “Temos que resistir, porque sua intenção é que retrocedamos, e isso não podemos permitir”, disse.

Leia também

Roger Machado dá aula sobre racismo

“Nos meus primeiros trabalhos como treinador, muitas vezes, quando era demitido, questionavam a minha capacidade de gerir grupos, sendo que essa era uma das grandes capacidades que eu sempre tive como jogador, como liderança, como capitão”, acrescentou.

Deixe um comentário