Há 70 anos, Guimarães Rosa fazia anotações sobre uma boiada. Escritos do escritor mineiro que foram base para “Grande Sertão: Veredas” serão analisados em evento on-line nesta semana

Em maio de 1952 -, o escritor mineiro João Guimarães Rosa (1908-1967) acompanhou uma boiada – conduzida pelo vaqueiro Manuelzão – numa viagem de 240 quilômetros pelo sertão de Minas Gerais, desde Sirga até Araçaí, ao longo de dez dias. Enquanto seguia com o rebanho em sua lenta marcha, Rosa registrou o que via em cadernetas penduradas no pescoço, que conservaram suas anotações em forma de rabiscos e comentários soltos. Os escritos, que descrevem com minúcias os cenários e situações vividas naquela ocasião, foram depois datilografados e serviram de base para duas das mais importantes obras do escritor, Corpo de Baile e Grande Sertão: Veredas, ambas lançadas em 1956.

A revista O Cruzeiro acompanhou o último dia de viagem de Guimarães Rosa pelo sertão de Minas Gerais – Foto: Reprodução/A Boiada

Essas anotações de Rosa – que só foram publicadas em livro em 2011 pela Editora Nova Fronteira, com o título A Boiada – serão o tema do ciclo de seminários Infinitamente Maio: A Boiada – 70 Anos, que o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP e a Oficina de Leitura Guimarães Rosa, instalada no IEB, promovem nesta terça, quarta e quinta-feira, dias 10, 11 e 12, sempre às 15 horas. “Maio é um mês mágico para Guimarães Rosa”, afirma Regina Pereira, da Oficina de Leitura Guimarães Rosa, uma das organizadoras do evento, citando um trecho do conto Desenredo, de Rosa, que inspirou o título do ciclo de seminários: “Sorriram-se, viram-se. Era infinitamente maio e Jó Joaquim pegou o amor. Enfim, entenderam-se”. Regina acrescenta: “É um mês muito citado nas obras dele. A viagem que fez pelo sertão mineiro e a publicação de Grande Sertão: Veredas também ocorreram em maio”.

“Às 6 horas da manhã. Claridade da madrugada. O sol ainda não saiu. “Está clareando agora, resumindo”. “Romper da aurora”, perto de nós, o grosso, enorme rôlo reto, de bruma branca (‘fumaça’) desce da bocâina pela baixada. Sôbre êle o outeiro, que marca o nascente. Grandes nuvens alaranjadas, que, a certa hora, se mudam em azuis – mas sobre elas o céu se toma de difusos laivos côr de rosa, extensos – aumentação dos raios do sol (parecem uma). Maiora a claridade.” (Trecho das anotações de Guimarães Rosa feitas em maio de 1952)

Anotações feitas por Guimarães Rosa em 1952 foram publicadas em 2011 pela Editora Nova Fronteira – Foto: Reprodução/A Boiada

No primeiro seminário, dia 10, intitulado A Boiada Presente no Arquivo de João Guimarães Rosa – IEB/USP, as discussões vão se concentrar nas duas cadernetas originais de Rosa que conservam as anotações sobre a boiada, guardadas no IEB. Foram os únicos cadernos que restaram, entre os vários utilizados para descrever a experiência. Os demais, de acordo com o que o escritor revelou numa entrevista, foram “jogados fora”. Além das cadernetas, o vasto acervo relacionado com o escritor, hospedado no instituto – do qual fazem parte os manuscritos de Grande Sertão: Veredas -, também será tema de debates. Vão participar do encontro Diana Vidal, diretora do IEB, Dina Elisabete Uliana e Elisabete Marins Ribas – ambas do Arquivo do IEB -, com mediação de Linda Yazbek Rivitti, da Oficina de Leitura Guimarães Rosa.

“Esta madrugada, deitado, via a lua, já baixa, lua cheia, pronta a ir-se. (Lado meu era o do poente). Poente da lua cheia (ainda alto, eclipsado). Depois, às 4 hs. 30, as nuvens cinzento-verde, leves. Hora em que as nuvens (isoladas) refletem os verdes do mundo. Depois, elas ficam azul e rosa.” (Trecho das anotações de Guimarães Rosa feitas em maio de 1952)

A Boiada em Imagens é o título do segundo seminário do ciclo, no dia 11. Nele, o coordenador do Museu Casa Guimarães Rosa, de Cordisburgo – cidade natal de Rosa -, Ronaldo Alves, fará análises sobre as imagens da boiada produzidas pelo fotógrafo Eugênio Silva para a revista O Cruzeiro, no último dia do percurso. Já a arquiteta Gabriella Roesler Radoll, da Oficina de Leitura Guimarães Rosa, vai apresentar mapas da época que descrevem a trajetória da boiada acompanhada por Rosa. Ainda nesse segundo seminário, a pesquisadora Beth Ziani vai explicar a obra coletiva O Manto do Vaqueiro, idealizada por ela, que foi composta com bordados feitos por mais de 200 moradores do sertão mineiro e está em exposição no Museu Casa Guimarães Rosa. A mediação será de Regina Pereira.

Anotações de Guimarães Rosa feitas no dia 28 de maio de 1952 – Foto: Reprodução/A Boiada

A importância das anotações para a compreensão da obra completa de Guimarães Rosa será o tema do terceiro e último seminário, no dia 12, intitulado A Boiada Presente em Corpo de Baile e Grande Sertão: Veredas. A apresentação será do pesquisador Frederico Camargo, organizador do Arquivo de João Guimarães Rosa, com mediação de Rosa Haruco Tane, da Oficina de Leitura Guimarães Rosa. “Essas anotações são um material muito interessante para aqueles que fazem crítica genética”, destaca Regina Pereira, referindo-se ao campo de estudo voltado para a investigação das origens mais remotas de uma obra de arte.

Regina conclui: “Ao reler as anotações, você percebe o quanto o Cerrado foi destruído. Guimarães Rosa já possuía a visão de que o progresso estava chegando e aquele local não continuaria o mesmo por muito tempo. Refletir sobre o que mudou na geografia de Guimarães Rosa é essencial para a conservação desse patrimônio ecológico e cultural brasileiro”.

“TREM DE GADO – Passando (Brumadinho). Alguns bois, ao extremo de uma das gaiolas, conseguiram deitar-se. Um guarda-freio sentado, no extremo final, perto do engate, no último carro. Outro vem andando, sôbre a táboa longa, de cima do carro (tablado). Os bois estão lá dentro, quietos.” (Trecho das anotações de Guimarães Rosa feitas em maio de 1952)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 19 =