A secretária de Saúde em Montes Claros, Dulce Pimenta, Gonçalves temendo que haja um número ainda maior de casos de covid-19 alertou a população que evite aglomerações, principalmente, agora, durante as festas de final de ano do Natal e Ano Novo. Procurada na tarde dessa terça-feira (20), pelo NOVO JORNAL DE NOTÍCIAS, ela revelou que Montes Claros registra cerca de 105 casos de covid diariamente. Para se ter ideia, há nove pacientes graves hospitalizados, sendo quatro da cidade e cinco de outros municípios do Norte de Minas, informou.

Desde novembro até dezembro, Dulce Pimenta, afirmou que houve aumento dos casos da doença, mas que na última semana, se estabilizou e do mês de novembro até este mês foram registrados apenas dois óbitos, envolvendo pessoas com comorbidades em Montes Claros. Contudo, no início da pandemia, 50% da população se vacinou e depois caiu para 25%, o que impacta no aumento dos casos de covid-19, observou.

Ela recomendou ainda que a população deve se imunizar com as quatro doses e adotar as medidas sanitárias, reforçando a necessidade de uso de máscaras. Além disso, lembrou também da circulação da subvariante da ômicron BQ.1 no país e apontou, o reforço da higienização frequente das mãos com álcool 70% ou água e sabão.

A secretária destacou que as medidas devem ser seguidas principalmente “por indivíduos com fatores de risco para complicações da covid-19 (em especial imunossuprimidos, idosos, gestantes e pessoas com múltiplas comorbidades). Esses cuidados também devem ser adotados por pessoas que tiveram contato com casos confirmados da doença e por quem costuma frequentar locais fechados e mal ventilados, aglomerações ou unidades de saúde.

“Reforçamos a estratégia da vacina”, afirmou sobre a nova variante e aumento de casos de covid. Porém, observou, que a população deve atualizar as doses de vacina nos pontos do Mercado Central, Sala do Montes Claros Shopping, que funciona deste o início da pandemia, Vacimóvel, entre outras unidades de saúde do município e que a cobertura vacinal tem sido baixa. ]Dulce Pimenta tem participado de várias reuniões em Belo Horizonte para discutir através das Comissões Intergestores Bipartite e Tripartite, que são espaços intergovernamentais, políticos e técnicos em que ocorrem o planejamento, a negociação e a implementação de políticas de saúde pública. As decisões se dão por consenso (e não por votação, o que estimula o debate e a negociação entre as partes.

Elas são constituídas (em nível federal) paritariamente por representantes do Ministério da Saúde (MS), do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), que ocorrem em Brasília (DF), onde a secretária Dulce Pimenta acompanha por videoconferências. Nelas, são definidas diretrizes, estratégias, programas, projetos e alocação de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS). Tem composição formada por 15 membros, sendo cinco indicados pelo MS, cinco Conass e cinco pelo Conasems. Um representante é indicado para os municípios em cada uma das cinco regiões do País

MINISTÉRIO DA SAÚDE – Recentemente, o Ministério da Saúde enviou uma nota à imprensa em que destacou os números mencionados e a circulação de novas linhagens da variante ômicron. A pasta concluiu o comunicado ressaltando a importância dos imunizantes no controle da pandemia. Nesse contexto, o Ministério da Saúde convida a população a completar e reforçar a imunização, uma vez que as vacinas foram fundamentais para controlar a emergência de saúde provocada pela covid-19 e seguem sendo importantes.

Em circulação no país, a nova subvariante da ômicron da Covid, a BQ.1, foi encontrada em São Paulo, onde ocorreu uma morte, no Amazonas, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Com sintomas semelhantes às variantes anteriores, a BQ.1 não é de maior gravidade.

De qualquer forma, a recomendação do Ministério da Saúde é completar o esquema de vacinas – que protegem contra essa nova subvariante – e manter medidas como o uso de máscaras e distanciamento social, principalmente pela população mais vulnerável, como idosos e imunossuprimidos.

Via Jornal de Noticias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + 11 =