Com discurso de “perseguição política”, bolsonaristas entendem que operações da PF são atos preparatórios para detenção do ex-presidente.
Na 5ª feira (8.fev), Bolsonaro e aliados foram alvo da operação Tempus Veritatis da PF, que investiga a tentativa de um golpe de Estado para deslegitimar as eleições de 2022.
As bancadas do PL (Partido Liberal) na Câmara e no Senado têm um discurso de consenso de que o partido é alvo de “perseguição política” sobre as recentes operações da PF (Polícia Federal) contra integrantes da sigla, incluindo o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A ala bolsonarista do partido avalia que as ações recentes são atos preparatórios para a detenção de Bolsonaro.
O Poder36o apurou que a análise feita pelo grupo mais ligado ao ex-presidente é de que está se construindo o roteiro para que o ato final seja a detenção do ex-chefe do Executivo. A avaliação é que isso pode se dar nos próximos meses.
Apesar dessa avaliação, os bolsonaristas não veem um prejuízo eleitoral para o PL nas eleições municipais de outubro. O plano do grupo inclui reforçar para o eleitorado do país que o partido e a direita são perseguidos. A sigla tem a meta ambiciosa de eleger prefeitos em ao menos 1.500 cidades. Em 2023, o PL tinha 371 prefeituras.
O desafio do partido será levar o discurso ideológico ao interior do Brasil durante a disputa municipal como uma bandeira das cidades, onde as preocupações da população tende a ser com saúde, educação e infraestrutura, por exemplo, e menos com o comando federal.
Há ainda a barreira de que alvos da última operação da PF não podem se comunicar entre si. Bolsonaro e o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, foram alvos, o que impede eles de dialogarem sobre chapas e acordos em relação às posições do PL em diferentes cidades do país. Leia mais abaixo sobre a ação da PF.
Desde que o ex-presidente entrou no partido, a sigla tenta se adaptar e acomodar as duas alas do partido. Como mostrou o Poder360, a divisão entre o “PL raiz”, com integrantes antigos do partido e mais alinhados ao centro, e o “PL bolsonarista”, com membros mais novos e próximos a Bolsonaro, aumenta o impasse sobre alianças municipais.
A ala mais antiga da PL sempre foi acostumada com o partido mais pragmático, que participa de governos e acordos municipais amplos. Depois da entrada do ex-chefe do Executivo, a maior parte da sigla passou a ser mais ligada à direita e inflexível para algumas alianças locais com partidos que têm outra visão ideológica. Na prática, o número de chapas puras do PL disputando as eleições de outubro tende a aumentar.
BOLSONARISTAS ALVOS DE OPERAÇÕES

Na 5ª feira (8.fev), Bolsonaro e aliados foram alvo da operação Tempus Veritatis da PF, que investiga a tentativa de um golpe de Estado para deslegitimar as eleições de 2022 e manter Bolsonaro na Presidência da República.
Ao todo, 33 pessoas foram alvo de busca e apreensão, 4 de prisão preventiva e outras 48 de medidas alternativas, que incluem proibir o contato entre investigados, entrega de passaportes e suspensão do exercício de funções públicas. O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, foi preso durante a operação por posse ilegal de arma. Ele permaneceu 3 dias detido até ser solto na noite de sábado (10.fev).
A operação foi autorizada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes. Na decisão, ele cita a tentativa de manter Bolsonaro no poder com um golpe de Estado. Eis a íntegra do documento (PDF – 8 MB). Moraes também levantou o sigilo de uma reunião realizada por Bolsonaro com integrantes de seu governo em julho de 2022.
Nela, o então presidente pede endosso aos ataques contra o sistema eleitoral e sugere que ministros do TSE teriam recebido dinheiro para fraudar as eleições. Saiba quem estava presente no encontro e assista aqui ao vídeo completo.
No final de janeiro, Carlos Bolsonaro também foi alvo de operação em Angra dos Reis por ter, supostamente, comandado uma estrutura paralela da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) por meio do chamado “gabinete do ódio” para monitorar ilegalmente autoridades e jornalistas.
Além da família Bolsonaro, o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) também foi alvo da mesma operação. A PF apura suposta espionagem ilegal no período em que Ramagem esteve à frente da Abin.
Em 18 de janeiro, o alvo da PF foi o líder da Oposição na Câmara, Carlos Jordy (PL-RJ). A ação teve como objetivo identificar pessoas que tenham planejado, financiado e incitado atos extremistas de outubro de 2022 ao início do ano passado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 3 =