Pesquisa Datafolha mostra que 65% dos paulistanos não votariam num candidato apoiado pelo ex-presidente indiciado por roubo de joias

Joias e Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli | REUTERS/Joe Skipper)

Uma nova pesquisa do Datafolha revela que a rejeição a um padrinho político pode ser um fator decisivo nas eleições municipais de outubro em São Paulo (SP). De acordo com o levantamento, 56% dos eleitores da cidade afirmam que podem mudar seu voto para a prefeitura caso o candidato seja apoiado por um político que eles rejeitam. Desses, 37% garantem que mudariam com certeza, enquanto 19% dizem que talvez o fizessem. Por outro lado, 41% dos entrevistados não mudariam o voto, e 2% não souberam responder, de acordo com reportagem do Globo.
A pesquisa avaliou a influência de quatro figuras políticas: o presidente Lula (PT), o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) e o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB). Entre eles, Bolsonaro é o que mais afasta eleitores, com 65% afirmando que não votariam de jeito nenhum em um candidato apoiado por ele, um aumento de 4% em relação à pesquisa anterior de maio. Apenas 16% disseram que votariam com certeza no candidato de Bolsonaro, e outros 16% considerariam o apoio na hora de decidir o voto. Além disso, 41% dos eleitores não sabem que Bolsonaro apoia a reeleição do prefeito Ricardo Nunes (MDB).
Tarcísio de Freitas tem seu apoio rejeitado por 48% e valorizado por 47% dos eleitores, sendo considerado um dos principais cabos eleitorais de Nunes. Já o endosso de Lula, que apoia Guilherme Boulos (PSOL), afasta 45% dos eleitores, enquanto 23% votariam com certeza em um candidato apoiado pelo presidente e 28% considerariam o voto. Alckmin, que apoia Tabata Amaral (PSB), tem sua influência rejeitada por 47% e valorizada por 49% dos eleitores, mas apenas 7% dos entrevistados sabem desse apoio.
A pesquisa foi realizada entre terça-feira (2) e quinta-feira (4) com 1.092 eleitores em toda a cidade de São Paulo, e a margem de erro é de três pontos percentuais.

Rejeição em Outras Capitais
No Rio de Janeiro, o governador Cláudio Castro lidera o índice de rejeição, com 61% dos eleitores afirmando que não votariam em um candidato apoiado por ele. Bolsonaro e Lula afastam 57% e 46% dos eleitores, respectivamente. Além disso, 54% dos cariocas não sabem qual candidato contará com o apoio de Castro e Bolsonaro. O apoio de Lula ao prefeito Eduardo Paes (PSD) é reconhecido por 42% dos entrevistados.
Em Belo Horizonte (MG), 60% dos eleitores não votariam no candidato de Bolsonaro, enquanto Lula e o governador Romeu Zema (Novo) afastam 53% e 48% dos votos, respectivamente.
A rejeição a Bolsonaro é ainda maior no Recife. Na capital pernambucana, 67% dos eleitores não votariam em um candidato apoiado pelo ex-presidente. Já 58% dos eleitores admitiriam votar em um candidato endossado por Lula, e 59% rejeitam um nome ligado à governadora Raquel Lyra (PSDB).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + dezessete =