Retirada de mais de R$ 15 milhões do IFNMG pelo governo federal inviabiliza seu funcionamento

Por Waldo Ferreira *

O bloqueio de 30% do orçamento anual determinado pelo governo Bolsonaro vai inviabilizar o funcionamento do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG). Isso representa um montante de mais de R$ 15 milhões, o que prejudica diretamente o atendimento aos mais de 25 mil alunos nas regiões norte e nordeste de Minas e vales do Jequitinhonha e Mucuri.
O diretor-geral do campus Montes Claros, Renato Cota, informou que a medida provoca o rompimento de contratos e impede o pagamento de despesas básicas com o custeio da instituição, como água, energia elétrica, telefone, contratos de limpeza e segurança, combustível e manutenção de veículos. Outros importantes gastos, como auxílios aos estudantes, bolsas de pesquisa e extensão e viagens técnicas também serão revistos e correm o risco de serem cortados.
Ele chama a atenção para a importância do Instituto, o papel que ele representa na geração de empregos e renda, no contexto de uma região carente. “Nossa Instituição trabalha diretamente com cursos técnicos e engenharias, o que teoricamente vai ao encontro da proposta do governo para a educação”, analisa Renato Cota.
Com o bloqueio também fica impossibilitada a aquisição de mobiliários e equipamentos necessários para permitir o pleno funcionamento de espaços da instituição para atender às demandas da sociedade por formação profissional.
O IFNMG oferta dezenas de cursos técnicos, superiores, de especialização, de capacitação e mestrado para uma região que por muitos anos esteve carente de oportunidades de estudo e de formação profissional. O Instituto continua empenhado em sua missão de contribuir para transformação social por meio de uma educação pública, gratuita e de qualidade.
A restrição orçamentária atinge universidades e institutos federais em todo o país e faz parte do processo de desmonte da educação pública no levado a cabo pelo presidente Jair Bolsonaro. Há, na perseguição ao ensino público, um viés ideológico e odioso, visto que esse setor recebeu grandes investimentos nos governos do PT, especialmente nos 8 anos em que esteve no poder o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que também criou os institutos federais.
Receita nefasta – O governador Romeu Zema segue no Estado a mesma receita privatista e de estado mínimo de Bolsonaro, bloqueando recursos das universidades Estadual de Montes Claros (Unimontes) e do Estado de Minas Gerais (Uemg).
Bloqueios:
– Total dos bloqueios nos recursos de custeio: R$ 14.597.156,00
– Total dos bloqueios nos recursos de investimento: R$ 737.971,00
– TOTAL DOS RECURSOS DO IFNMG BLOQUEADOS: R$ 15.335.127,00

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 5 =