Seleção Brasileira viu sonho do hexa no Catar ruir após desperdiçar muitas chances e ceder empate na prorrogação; croatas esperam Argentina ou Holanda

Acabou o sonho do hexacampeonato mundial no Catar. Erros de pontaria, de estratégia e de concentração contra uma Croácia valente e muito experiente resultaram na eliminação do Brasil nas quartas de final nesta sexta-feira (9), no Estádio Cidade da Educação, em Al Rayyan. O empate por 1 a 1 ao fim da prorrogação levou a decisão para os pênaltis, que acabaram com vitória croata por 4 a 2.

Num primeiro tempo equilibrado, foram raras chances de gol. Na etapa final, o Brasil melhorou e criou grandes oportunidades, mas as desperdiçou – ora por falta de pontaria, ora por grandes intervenções do goleiro Livakovic. Ofensivamente, a Croácia pouco fez

.A dinâmica do segundo tempo se repetiu na metade inicial da prorrogação, com o Brasil criando mais. Aos 15 minutos, Neymar tabelou com Paquetá, driblou Livakovic e marcou. O camisa 10, que vivia uma noite apagada, igualou Pelé como o maior artilheiro da história da Seleção Brasileira, com 77 gols.

Na metade final do tempo extra, o Brasil viu a Croácia avançar as linhas. Mas foi em um contragolpe, numa falha estratégica brasileira, que os croatas empataram. Petkovic chutou de fora, a bola desviou em Marquinhos e morreu no fundo das redes. A disputa, então, foi para os pênaltis.

A Croácia acertou todas as cobranças e venceu por 4 a 2. Pelo lado brasileiro, Rodrygo parou em defesa de Livakovic – grande nome da partida – e Marquinhos chutou o último pênalti na trave. Neymar, o quinto da lista, nem chegou a bater

Equilíbrio e poucas chances

O técnico Tite optou por manter o time que mandou a campo na vitória do Brasil por 4 a 1 sobre a Coreia do Sul, pelas oitavas de final. Já Zlatko Dalic promoveu a volta do lateral-esquerdo Sosa, recuperado de virose, e escalou Pasalic do lado direito do ataque croata.

Não foi exatamente um primeiro tempo de muitas chances de gol. Brasil e Croácia fizeram um jogo muito equilibrado, em que os marcadores levaram a melhor na maioria dos duelos individuais e coletivos.

As melhores oportunidades foram do Brasil, com Vinícius Júnior e Neymar, pelo lado esquerdo do ataque, mas não exigiram defesas difíceis de Livakovic. A Croácia atacou mais pela direita, setor de Pasalic, mas tampouco criou chances claras.

Livakovic impede gol do Brasil

O segundo tempo começou frenético, com um quase gol contra a favor do Brasil. A Seleção Brasileira também reclamou de um possível pênalti aos três minutos por bola no braço, mas a arbitragem de campo e o VAR assinalaram impedimento.

Depois, Neymar – que vivia noite apagada – e Lucas Paquetá perderam grandes oportunidades de dentro da área, mas pararam em Livakovic, que foi se transformando em um nome importante da partida. Aos poucos, o Brasil passou a ter um maior controle ofensivo da partida e encurralou a Croácia no campo de defesa.

Ao longo do segundo tempo, as duas seleções trocaram peças ofensivas. No Brasil, Tite colocou Antony e Rodrygo nas vagas de Raphinha e Vinícius Júnior, respectivamente. As chances apareceram, mas Livakovic também. E o 0 a 0 persistiu.

Brasil marca, mas falha

Na prorrogação, o cenário não mudou. O Brasil seguiu em cima – o que permitiu a Croácia criar boa oportunidade. Quando o clima do estádio estava tenso, Neymar, enfim, apareceu.

Aos 15 minutos do primeiro tempo, o camisa 10 iniciou a jogada, tabelou com Paquetá, fintou o goleiro e empurrou para as redes. Alívio e festa nas arquibancadas.

O segundo tempo da prorrogação veio acompanhado de uma Croácia mais ofensiva para tentar o empate. Em um momento em que a Seleção Brasileira tentava segurar a bola na frente, os croatas conseguiram um contragolpe fatal, numa falha estratégica do Brasil. Petkovic chutou de fora da área, a bola desviou em Marquinhos e morreu no fundo das redes. A disputa foi para os pênaltis.

Croácia 4 x 2 Brasil nos pênaltis

Vlasic abriu o placar para a Croácia
Rodrygo bateu, e Livakovic defendeu
Majer deixou a Croácia em vantagem maior
Casemiro diminuiu para o Brasil
Modric fez o terceiro da Croácia
Pedro fez o segundo Brasil
Orsic fez o quarto da Croácia
Marquinhos chutou na trave.

BRASIL 1 (2) X (4) 1 CROÁCIA
Brasil
Alisson; Éder Militão (Alex Sandro, no intervalo da prorrogação), Marquinhos, Thiago Silva e Danilo; Casemiro, Lucas Paquetá (Fred, no intervalo da prorrogação) e Neymar; Raphinha (Antony, aos 11′ do 2ºT), Vinícius Júnior (Rodrygo, aos 19′ do 2ºT) e Richarlison (Pedro, aos 39′ do 2ºT)
Técnico: Tite
Croácia
Livakovic; Juranovic, Lovren, Gvardiol e Sosa (Budimir, aos 5′ do 2ºT da prorrogação); Brozovic, Kovacic (Majer, no intervalo da prorrogação) e Modric; Pasalic (Vlasic, aos 27′ do 2ºT), Perisic e Kramaric (Petkovic, aos 27′ do 2ºT)
Técnico: Zlatko Dalic
EM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + dezoito =