Projeto que previa desconto salarial do vereador ausente em plenário foi novamente rejeitado
Vereador poderá faltar às reuniões sem prejuízo nos seus gordos salários

O projeto do vereador Oliveira Lêga, que alteraria o regimento interno da Câmara de Vereadores de Montes Claros, foi rejeitado na reunião ordinária, desta quinta-feira (22), pelos vereadores Dr. Marlon, Dr. Valdivino, Pasor Elair, Graça, da Casa do Motor, Ildeu Maia, Marcos Nem, Raimundo do INSS, Valcir da Ademoc e Valdecir contador. Para ser aprovado, o projeto precisaria de 12 votos a favor, dos 23 vereadores, porém, somente 11 parlamentares foram favoráveis. A proposta do vereador Oliveira Lêga é que apenas os parlamentares presentes durante toda a sessão, inclusive na votação, recebam o salário.
Com esta decisão, o vereador de Montes Claros poderá continuar registrando sua presença e abandonando o plenário, sem sofrer nenhum prejuízo no seu vencimento.

Corrupção
Por causa deste projeto, o vereador Oliveira Lêga poderá ser expulso do Legislativo de Montes Claros por ter acusado a Câmara de corrupta, quando o projeto foi rejeitado pela primeira vez. Esta é a terceira vez que o projeto voltou ao plenário. “É uma decepção [a votação]. Então essa Câmara é também corrupta. São vereadores que não estão representando o povo. Saio indignado com o posicionamento dos vereadores, a corrupção está aqui sim, não apenas em Brasília” desabafou Lêga, na época.
Só para lembrar, o salário do vereador de Montes Claros é de R$ 15 mil, mais 14 mil de verbas de gabinetes para contratação de assessores, além de carro com combustível, telefone corporativo e outros penduricalhos para ele participar apenas de oito reuniões ordinárias e as extraordinárias por mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − onze =