“Um dos princípios que norteiam os Institutos Federais é o estudo e a busca por soluções que atendam o entorno das instituições”

A casca de pequi poderá produzir o álcool etanol a ser usado como combustível de carros. As estudantes Aryane de Oliveira Coelho e Maria Alice Andrade Ferreira, do curso de Engenharia Química do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG) em Montes Claros, desenvolveram uma pesquisa que constatou a presença de álcool no fruto, com concentração de 8,5% no destilado proveniente da etapa de fermentação. Isso significa que a partir do pequi é possível obter um combustível de fonte renovável de grande aplicabilidade social. Os resultados da pesquisa foram apresentados no VIII Seminário de Iniciação Científica, realizado neste ano no IFNMG-Campus Pirapora.

Aluna Maria Alice Andrade (Foto: Girleno Alencar)

O estudo “Avaliação do uso potencial da casca do pequi (Caryocar brasiliense) na obtenção do etanol lignocelulósico” foi premiado em primeiro lugar na área de Engenharias. A universitária Maria Alice conta que a casca do pequi foi obtida na cidade de Francisco Sá e foi lavada com álcool isobutílico, a fim de se remover o óleo contido no material, realizando em seguida a secagem e posterior obtenção do farelo da casca do pequi. “O farelo foi então submetido a tratamentos ácido, básico e enzimático, obtendo-se então o hidrolisado usado na fermentação e posterior destilação para a verificação da presença de etanol”, explica.

A pesquisa durou cerca de cinco meses e foi orientada pelos professores da área de química Pedro Henrique de Oliveira Gomes e Thalles Gonçalves. O professor Pedro confirma a possibilidade de extrair etanol da casca do pequi porque este possui em sua composição um teor significativo de açúcares polimerizados, que podem ser hidrolisados e fermentados, a fim de obter o bioetanol. O trabalho amplia as discussões acerca de alternativas de combustíveis renováveis viáveis, principalmente considerando a predominância dos combustíveis fósseis que, de acordo com o orientador da pesquisa, provocam diversos problemas ambientais, seja no processo de extração ou nos compostos tóxicos gerados pela sua queima.

Por causa desses problemas, “há alguns anos, foram intensificados os estudos por busca de fontes alternativas de combustíveis renováveis e viáveis. Um destes, já em utilização, é o bioetanol, etanol obtido a partir de fontes renováveis; no caso do Brasil, este é obtido principalmente pela hidrólise e fermentação de açúcares disponíveis na cana-de-açúcar”, analisa o professor. No caso do pequi, o estudo não utilizou a polpa do fruto porque ele possui valor comercial e nutritivo.

A estudante justifica o porquê de ter escolhido apenas a casca: “A escolha da casca de pequi veio pela grande disponibilidade do fruto na região. Assim, nosso intuito foi impactar na redução de lixo orgânico na região, além do incremento da renda familiar daqueles que usam o fruto como fonte de renda, pois, assim, além da venda do caroço e do óleo de pequi, também seria possível a venda da sua casca para os possíveis produtores em larga escala desse bioetanol”.

Conforme o docente Pedro salienta, para que a extração apresente melhores resultados sobre a viabilidade do processo, são necessários mais estudos. Daí a importância, como ele aponta, de valorizar os trabalhos que são desenvolvidos em instituições como no IFNMG. “Um dos princípios que norteiam os Institutos Federais é o estudo e a busca por soluções que atendam o entorno das instituições. Ou seja, atendendo demandas regionais e locais. Aliado a isso, os resíduos urbanos e agroindustriais representam desafios à preservação ambiental, uma vez que são, muitas das vezes, descartados de forma inadequada. Um destes são os resíduos gerados pela extração mecânica de diversos óleos, propor uma aplicação viável a um resíduo outrora descartado, pode representar contribuições financeiras e ambientais a diversas comunidades”, argumenta o professor.

Fonte: Jornal Gazeta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 5 =