Caso polêmico tem provocado um grande debate entre internautas nas redes sociais desde terça-feira (28/3) – Felipe Neto criou o apelido, mas afirma que não se trata de homofobia(foto: AFP PHOTO-PLAY9/TV Camara/YouTube/Reprodução)

O deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) foi chamado de “chupetinha” em uma sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na tarde dessa quarta-feira (28/3), pelo também deputado André Janones (Avante-MG) e, desde então, o apelido tem causado polêmica entre os parlamentares de esquerda e direita.

O apelido, no entanto, não é de autoria do deputado Janones, mas, sim, do youtuber e influenciador Felipe Neto. A confusão fez com que Neto fosse fosse às redes sociais para afirmar que é o autor do apelido.

Em outubro do ano passado, o youtuber fez um vídeo em que chamou o apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) de “chaveirinho da milícia”, “acessório do fascismo” e, enfim, “chupetinha de genocida”.

Na ocasião, Felipe Neto rebateu um vídeo feito por Nikolas Ferreira em que o deputado comentava afirmações do youtuber sobre o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A ideia das ofensas proferidas pelo youtuber era fazer uma ligação de Nikolas como alguém que possui condutas infantis para um parlamentar.

Homofobia

 

Nesta quarta-feira, o deputado André Fernandes (PL-CE) informou que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) aprovou um requerimento para convocar Felipe Neto para prestar  esclarecimentos sobre postagens que supostamente propagariam discurso de ódio na internet. “Ele ofende, xinga e dissemina ódio nas redes sociais com frequência”, disse.

Nikolas Ferreira aproveitou e provocou o seu “algoz”. “Vai arregar, foca? @felipeneto”.
Os deputados lembraram que Felipe Neto faz parte de um grupo de trabalho do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania que apresenta estratégias de combate aos discursos de ódio e ao extremismo.
EM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × quatro =