Vítimas são de Paracatu, no Oeste mineiro, e foram encontradas dentro do veículo, no estacionamento da rodoviária da cidade catarinense

BMW onde estavam os quatro mineiros, cuja suspeita de morte seja intoxicação
crédito: Redes sociais

Uma customização no cano de escape da BMW onde estavam os quatro jovens mortos em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, pode ter levado as vítimas a serem intoxicadas por monóxido de carbono. Essa é a principal suspeita da Polícia Civil de Santa Catarina.

Da esquerda para a direita: Gustavo e Kátia, em cima; Nicolas e Tiago, embaixo
crédito: Redes sociais

Os jovens, de 16, 19, 21 e 24 anos, são mineiros de Paracatu, no Oeste mineiro, e foram encontrados dentro do veículo, no estacionamento da rodoviária da cidade, que fica no litoral norte do estado catarinense, na manhã desta segunda-feira (1/1).
O delegado Bruno Effori, responsável pela investigação
, disse que o carro foi customizado recentemente, com uma alteração no cano de descarga, e que a perícia vai determinar se isso ocasionou a intoxicação.
O delegado Bruno Effori, responsável pela investigação
, disse que o carro foi customizado recentemente, com uma alteração no cano de descarga, e que a perícia vai determinar se isso ocasionou a intoxicação.
“Segundo os familiares, houve uma customização do veículo no cano de escape. Vamos tentar fazer esse vínculo para apurar se a causa da morte é porventura da customização do veículo ocorrida dias atrás. O IML já descartou possibilidade de violência”, explicou.
Uma quinta pessoa, que estava no veículo e seria namorada de um deles, foi quem chamou o Corpo de Bombeiros e a polícia, pedindo ajuda. “Informações preliminares dao conta que houve um vazamento entre o motor e o painel do veículo, que causou intoxicação e asfixia das vítimas que estavam no carro. Uma fatalidade ocasionada por um defeito”, disse o delegado.
Em seu depoimento, a mulher sobrevivente contou que foi de Paracatu a Balneário Camboriú, de ônibus, para encontrar com os amigos e o namorado. O grupo de estudantes havia se mudado para Florianópolis em dezembro.
Eles combinaram de passar o Réveillon juntos, encontrando-se em Balneário Camboriú. Ela desembarcou cerca de duas horas antes e aguardou pelos amigos. Quando chegaram de carro, o grupo reclamou que estavam com ânsia de vômito e tontura. Eles ficaram por cerca de quatro horas dentro do veículo e com o ar condicionado ligado.
A mulher que sobreviveu saiu e voltou do carro, o que pode ter diminuído a intoxicação dela.
Os bombeiros chegaram com as vítimas retiradas do veículo e no chão da rua. Eles tentaram reanimar o grupo por cerca de 40 minutos e, após não terem respostas aos procedimentos, os óbitos foram decretados.

Jovens de Minas que morreram em Camboriú corriam atrás de um sonho
As presenças em Santa Catarina de Gustavo Pereira Silveiras Elias, de 24 anos; Karla Aparecida dos Santos, 19; Nicolas Oliveira Kovalrski, 16; e Tiago de Lima Ribeiro, 21; tinham um motivo: realizar um sonho.
Os quatro jovens que morreram, na manhã desta segunda-feira, no estacionamento da rodoviária de Balneário Camboriú, buscavam trabalho no estado do sul do país.
A ideia partiu de Gustavo, que era influencer e empreendedor no Instagram. Ele tinha como atividade, a realização de rifas digitais e tinha muitos seguidores
Profissional da área de vendas, ele sondou mercados onde poderia fazer um investimento e detectou que o lugar ideal seria Florianópolis, que era para onde seguiram, ainda ontem.
Karla, Nicolas e Tiago foram para Santa Catarina, junto com o amigo Gustavo, para trabalhar na empresa que estava sendo montada. A única sobrevivente, a mulher que chegou na noite de 31 de dezembro a Balneário Camboriú, era a namorada de Gustavo e se juntaria ao grupo na empreitada.
O carro em que estavam – o BMW, placa RTK2B24, de Paracatu, ano 2022 – tinha sido comprado por Gustavo de uma amiga, mas ainda não tinha sido transferido para seu nome.
Familiares das quatro vítimas se juntaram nesta segunda-feira e decidiram ir a Florianópolis, onde estão os corpos, no Instituto Médico Legal (IML). Devem viajar, no mais tardar, nesta terça-feira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − dois =