Ciro Gomes nega afagos com Jair Bolsonaro e diz ter “reprimido” o presidente – Imagem: Reprodução

Um vídeo que mostra o presidenciável Ciro Gomes (PDT) e o ministro das Comunicações Fábio Faria ontem (24) durante o debate no SBT gerou críticas ao candidato.
No vídeo, é possível ver que Ciro cumprimenta Fábio Faria e conversa com o ministro. Em seguida, Faria segue para dizer algo ao presidente Jair Bolsonaro (PL) —que tenta a reeleição. Nas redes sociais, a gravação rendeu comentários de desaprovação e questionamentos sobre uma possível aproximação entre Ciro e Bolsonaro
Ao UOL, Faria afirmou que “ninguém combina algo em frente às câmeras”. Disse também que o “único combinado do debate foram os ataques dos candidatos e dos convidados ao Bolsonaro”. O ministro não revelou o que conversou com o candidato Ciro Gomes.
A reportagem procurou também a campanha de Ciro Gomes, mas não obteve resposta.
Ciro, Bolsonaro e outros quatro candidatos à Presidência da República participaram ontem de um debate promovido SBT, CNN Brasil, Veja, O Estado de S. Paulo, Nova Brasil FM e Terra. Sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro foi o principal alvo.
Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil) foram as mais incisivas nas críticas contra o presidente. Por outro lado, os candidatos de Kelmon Souza (PTB), o Padre Kelmon, e Felipe D’Avila (Novo) serviram de apoio a Bolsonaro.
O ministro Fábio Faria é genro de Silvio Santos, dono do SBT, onde ocorreu o debate.
Ciro negou docilidade com Bolsonaro
Nos intervalos do debate, Ciro e Bolsonaro também trocaram sorrisos. Uma outra imagem também viralizou de ontem para hoje: nela, o pedetista cobre a boca e cochicha com o presidente.
Após o programa, na saída, Ciro afirmou ao jornal o Estado de S.Paulo que falou sobre uma das intervenções do presidente quando tapou a boca com as mãos: “Eu dizia a ele que Soraya não havia citado o nome dele em seu pedido de resposta”.
Na mesma ocasião, Ciro negou docilidade com Bolsonaro —e aproveitou para atacar Lula. “Isso é canalhice do Lula e do PT, que tinha a oportunidade de enfrentar o fascismo. O fascista veio aqui e o falso democrata se ausenta. Como se enfrenta o fascismo? Na cabeça das pessoas. E porque ele não veio aqui, são iguaizinhos.”
A mulher do pedetista, Gisele, também opinou. “Ele foi simpático com Bolsonaro na resposta que deu a ele, na resposta sobre a corrupção”, disse, em tom irônico. Ciro citou casos da gestão Bolsonaro que, segundo ele, são “mal explicados”, além dos imóveis comprados em dinheiro vivo pela família do presidente.
No Twitter, após a publicação desta reportagem, neste domingo, a equipe do pedetista alegou que “os canalhas da mentira e da manipulação usaram essa imagem [em que ele esconde a boca] para difamar Ciro” e que, na verdade, ele estava reprimindo Bolsonaro.

Veja a seguir alguns comentários sobre o episódio que circulam nas redes sociais:

Uol, com informações do Estadão Conteúdo*

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − doze =