– A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) criticou a perseguição à esquerda feita pelo governo de Jair Bolsonaro. Segundo ela, a chamada “despetização”, termo utilizado pelo pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, para justificar a demissão de 320 servidores de uma só vez, incluindo mulheres grávidas ou que estavam amamentando, virou um mantra para o governo.

“Cabe tudo no mantra “despetização”. Inclusive demitir grávidas e em licença maternidade e acabar com bolsas para pesquisa”, afirmou a deputada em sua página nas redes sociais. De acordo com nota publicada no jornal O Globo deste domingo (6), o governo estuda novos critérios para se conceder bolsas de estudos para pós-graduação e doutorado no exterior. “O critério ideológico será eliminatório. Se não passar por este, não avançará para os seguintes”, diz um trecho da nota.

“Basta falar a palavra mágica e os iludidos aplaudem cada retrocesso. Parece que a perseguição à esquerda prevalece sobre o critério da competência prometido”, completou.

Jandira Feghali

@jandira_feghali

 

 

Cabe tudo no mantra “despetização”. Inclusive demitir grávidas e em licença maternidade e acabar com bolsas para pesquisa. Basta falar a palavra mágica e os iludidos aplaudem cada retrocesso. Parece que a perseguição à esquerda prevalece sobre o critério da competência prometido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − dois =