Nota foi elaborada pelo economista Sérgio Gobetti, publicada pelo Observatório de Política Fiscal do FGVA

Vista do bairro Mirumbi, em São Paulo, mostra prédio de apartamentos de luxo que faz divisa com a favela de Parasópolis – Tuca Vieira/Folhapress

Nota técnica elaborada pelo economista Sérgio Gobetti, publicada pelo Observatório de Política Fiscal do FGVA, indica que a renda de 15 mil pessoas pertencentes ao topo da pirâmide social no Brasil cresceu nos últimos anos até o triplo do ritmo observado entre o restante da população, elevando a concentração da riqueza ao fim do governo Jair Bolsonaro (PL). As informações são do jornal Folha de S.Paulo.
A reportagem ainda indica que, entre essa elite, que representa 0,01% da população, o crescimento médio da renda praticamente dobrou (96%) entre 2017 e 2022. Na fatia 1% mais rica, o crescimento também foi alto, de 67%. Entre os 5% com mais ganhos, de 51%. Enquanto isso, os ganhos da imensa maioria da população adulta (os 95% mais pobres) não avançaram mais do que 33% —pouca coisa acima da inflação do período (31%).

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × cinco =