Integrantes dos grupos de catopês, marujos e caboclinhos, foram de Montes Claros ao Rio de Janeiro para participar do desfile que homenageou a cultura montes-clarense.
https://globoplay.globo.com/v/12344953/
Por Núbia Istela, g1 Grande Minas
Penúltima escola a percorrer a avenida do samba na madrugada deste sábado (10), a Acadêmicos de Niterói, a mais jovem escola da Série Ouro do Carnaval carioca, celebrou mestre Zanza e a manifestação cultural bicentenária de Montes Claros.
Com o enredo “Catopês: Um Céu de Fitas”, a escola da região metropolitana do Rio de Janeiro apresentou a origem e as nuances dos catopês, exaltando o a sua relevância multicultural e o sincretismo religioso que permeia os grupos de marujos e caboclinhos.

Integrante da escola Acadêmicos de Niterói com adereço usado pelos catopês na cabeça — Foto: Riotur.Rio

Para enfatizar essa relação de fé tão única, a Acadêmicos de Niterói levou Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e o Divino Espírito Santo à avenida.
Mestre Hermínio, da Marujada, disse que nunca imaginou uma festa desse tamanho em homenagem às raízes montes-clarenses.
“Eu quero aprender a explicar como está meu coração. E quero descobrir se é verdade tudo isso que estou vivendo aqui. Meu coração está batendo para quase quinhentas mil pessoas de Montes Claros que têm prestigiado a gente”, ressalta.
As fitas de agosto tremularam na avenida, o grito de liberdade, os símbolos da fé e devoção à Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e o Divino Espírito Santo, e as cores das vestes dos reinados emocionaram Mestre Zanza Junio, que desfilou ao lado da mãe e dos irmão no carro alegórico de 16 metros de altura que homenageia o saudoso Mestre Zanza.
Família de mestre Zanza veio no carro que o homenageou — Foto: Riotur.Rio

“Foi muito maior do que eu imaginei. Uma emoção gigantesca em dividir isso com as pessoas. A luta foi muito grande, mas nos ensinou a crescer. Acreditamos na força da fé, que envolve os catopês, marujos e caboclinhos, e de fato, estar aqui é um mérito dos mestres ausentes, em especial meu pai”, disse.
Para mestre Cacicona, essa madrugada vai ficar para sempre marcada na memória dela. Desde ao samba-enredo até os elementos semelhantes aos das Festas de Agosto.
“Eu nunca vou esquecer esse dia. Dessa homenagem ao mestre Zanza. Estou muito feliz em ter saído de Minas para presenciar essa maravilha”, comemorou.
A festa para a Escola Acadêmicos de Niterói ainda não acabou. Ela ainda briga pelo título de campeã. A apuração dos votos ocorre na próxima quarta-feira (14).
“Demos o nosso recado. Catopês, um céu de fitas deu samba e marcou história na Marquês de Sapucaí. Seremos campeões. Aguardem a quarta-feira de cinzas”, vibrou o presidente da escola, Hugo Junior.
Escola tento o acesso à elite do carnaval — Foto: Riotur.Rio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − seis =