As atingidas contam sobre a situação do município de Brumadinho nos dias de hoje – Foto: Reprodução “3 anos de luto e luta”

– A produção audiovisual retrata a organização dos atingidos em busca da reparação justa integral –

O dia 25 de janeiro de 2019 transformou a vida de milhares de famílias da Bacia do Rio Paraopeba e do Lago de Três Marias. O rompimento da barragem de rejeitos da Vale, em Córrego do Feijão, em Brumadinho, deixou rastros de lama, morte e destruição.

Passados três anos do crime, a Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (AEDAS) lançou, nesta semana, o minidocumentário “3 anos de luto e de luta”. A produção de 10 minutos compartilha a história do crime, a partir das experiências de Maria dos Anjos e Márcia de Medeiros.

“Esse outro rapaz não foi encontrado até hoje. Já esse, meu afilhado, essa foi a única vez que ele foi à praia. Não dá pra gente esquecer. Não dá pra gente achar que esse luto vai passar um dia, porque todos eles eram de dentro da nossa casa. Quando é uma pessoa, às vezes você chora. Mas, quando a gente pensa que são muitos, é um dia que a gente sofre pelas outras famílias”, diz Maria, ao mostrar fotografias.

As atingidas contam também sobre a situação do município de Brumadinho nos dias de hoje. Após as enchentes do início de janeiro, cidades e comunidades ao longo da Bacia do Rio Paraopeba sofreram mais uma vez com a lama contaminada. “É igual eu sempre falo. A lama que não veio com o rompimento, agora chegou com toda força nas casas da gente”, explica Márcia.

O mini documentário retrata ainda o processo de organização dos atingidos e atingidas em busca da reparação justa e integral, e da recuperação de seus direitos básicos.

Assista:

YouTube player

Via Brasil de Fato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 18 =