Bilionário usa a rede social para comungar com o credo da direita | Foto: Stefani Reynolds/AF

Ação ocorre em resposta às ameaças do empresário contra autoridades brasileiras; R$ 5,4 milhões já foram gastos em anúncios na plataforma
O governo federal anunciou a suspensão de novas campanhas publicitárias na rede social X (antigo Twitter), propriedade de Elon Musk, sem previsão de retorno. A medida foi comunicada pela Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República e divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo nesta sexta-feira (12).
Essa decisão segue um período de tensões entre o bilionário e autoridades brasileiras, incluindo o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, e o próprio presidente Lula (PT). O empresário norteamericano tem feito críticas severas às ações do governo brasileiro na plataforma, especialmente em relação ao bloqueio e à gestão de conteúdos associados a inquéritos sobre milícias digitais e a tentativa de golpe em 8 de janeiro.
De acordo com o Portal da Transparência, o governo federal investiu R$ 5,4 milhões em publicidade no X de janeiro a abril de 2024. Neste período, foram destinados R$ 654,1 mil para impulsionamento de comunicação institucional e publicações de utilidade pública.
No total, foram firmados 95 contratos envolvendo seis ministérios e a Presidência da República, com a Secom liderando os gastos em publicidade na plataforma, totalizando R$ 263 mil em 37 contratos desde janeiro de 2023.
A suspensão foi baseada em uma portaria de fevereiro de 2024, que orienta a avaliação dos riscos à reputação do Poder Executivo nas publicidades realizadas na internet.
As tensões entre Musk e o governo se intensificaram após o empresário ameaçar reativar perfis de usuários bloqueados pela Justiça brasileira, desafiando diretamente as ordens de Moraes, a quem chamou de “ditador brutal”. Em resposta, Moraes incluiu Musk como investigado em um novo inquérito e estabeleceu uma multa de R$ 100 mil por cada perfil reativado irregularmente. As ações de Musk foram caracterizadas pelo ministro como possíveis atos de obstrução de justiça e incitação ao crime.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 8 =