“Pessoas tecnicamente qualificadas para esta posição”, disse o futuro ministro. Fernando Haddad reforçou que o Brasil democratizar o crédito, ter menos inflação e menos desemprego.

– Indicado pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para ser ministro da Fazenda a partir de 2023, Fernando Haddad (PT) anunciou nesta terça-feira (13) Gabriel Galípolo como secretário-executivo da pasta e Bernard Appy como secretário de Política Econômica. “Pessoas tecnicamente qualificadas para esta posição”, afirmou Haddad em coletiva de imprensa no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede do gabinete de transição, em Brasília (DF).

Questionado sobre a pluralidade da equipe econômica, que estaria mais com a cara do PT, Haddad respondeu: “eu peço que vocês façam uma avaliação da equipe quando ela estiver concluída. Eu estou anunciando alguém que nunca se filiou ao PT e até outro dia era presidente de banco. O Appy, duvido que tenha alguma restrição técnica. Eu não vejo como eles podem ser vistos dessa forma”.

De acordo com o futuro ministro, “sem educação de qualidade e crédito, não há economia de mercado que prospere”. “Esses são dois pilares de um mercado eficiente. Nós vamos nos deter em todos os projetos que foram engavetados para que essa agenda de educação, combate à fome, acesso à crédito, tributos justos e um sistema tributário eficiente, simples, transparente e eficaz, avance”, disse.

O ex-prefeito da cidade de São Paulo (SP) disse que é necessário garantir a “democratização do crédito”. “Não teremos preconceito em sentar com o sistema financeiro para o aperfeiçoamento das regras. Sem educação de qualidade e crédito, não há economia de mercado que prospere. As pessoas têm que ter capacidade e acesso ao crédito. Tributos justos, simples, transparente”, continuou.

Na coletiva, Haddad reforçou que o Brasil precisa de “menos inflação e menos desemprego”. “É isso que nós queremos. Política econômica que vai garantir uma perspectiva de desenvolvimento. Vamos ter uma equipe capacitada”, disse.

Galípolo e Appy

O futuro secretário-executivo da Fazenda presidiu o Banco Fator até 2021. Atualmente com 39 anos, Galípolo é professor da Universidade Federal do estado do Rio de Janeiro (UFRJ). O integrante da pasta é pesquisador do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e conselheiro da Federação das Indústrias do estado de São Paulo (Fiesp).

Appy é um dos maiores especialistas em reforma tributária do Brasil. Foi secretário de Política Econômica (2003-2009), durante boa parte dos governos Lula.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + treze =