Depois de ter sido alvejado com uma facada e sofrer uma campanha de resistência entre as brasileiras, com a campanha “Ele Não, Ele Nunca”, contra o machismo, a misoginia e os preconceitos que reúne milhões de integrantes, o inferno astral na vida de Bolsonaro continua. Agora é a vez da sua ex-mulher acusa-lo de furto de cofre, agressividade e ocultação de patrimônio, deixando o presidenciável mais vulnerável.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a separação litigiosa de Jair Bolsonaro e de sua ex-mulher Ana Cristina Valle foi além da disputa pela guarda do filho. No processo de separação há acusações de furto de cofre, ocultação de bens e relatos de comportamento explosivo. Segundo o jornal, os termos do processo de 500 páginas obtido por uma revista são: ‘desmedida agressividade’ por parte do ex-militar. Segundo o documento, Bolsonaro ocultou milhões de reais em patrimônio pessoal na prestação de contas à Justiça Eleitoral de 2006. A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que “as informações constam de um processo de cerca de 500 páginas obtido pela revista Veja e revelado na noite desta quinta-feira (27)”. Segundo a revista, Ana Cristina também acusou Bolsonaro de furtar US$ 30 mil e mais R$ 800 mil —sendo R$ 600 mil em joias e mais R$ 200 mil em dinheiro vivo— de um cofre que ela mantinha em uma agência do Banco do Brasil, em 26 de outubro de 2007. Segundo a reportagem, “a ex-mulher também disse no processo que a renda mensal do deputado na época chegava a R$ 100 mil. Para tal, Bolsonaro recebia ‘outros proventos’ além do salário de parlamentar —à época, segundo a Veja, de R$ 26,7 mil como parlamentar e outros R$ 8.600 como militar da reserva. Ela não especificou quais seriam as fontes extras”. A matéria ainda lembra: “em janeiro deste ano, a Folha mostrou o aumento de patrimônio registrado por Bolsonaro e seus filhos —e como adquiriu imóveis por preços abaixo do valor de mercado”.

Quem é Bolsonaro?
Aos olhos de seus seguidores, é o salvador da pátria, o mito, o único homem capaz de pôr ordem no país. Seus críticos, porém, o veem como um perigo para o Brasil e sua incipiente democracia. Depois de quase 30 anos na Câmara, Jair Bolsonaro (PSC-RJ) deixou de ser um personagem folclórico parar virar um fenômeno a ser levado a sério. Desde março, o capitão reformado do Exército aparecia na segunda colocação nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência, e assumiu a liderança, após a saída do ex-presidente Lula do páreo.
Vendendo-se como um homem acima de qualquer suspeita, ele apresenta produção legislativa pífia em três décadas de Câmara, onde nunca ocupou cargo de destaque, sempre integrou o chamado baixo clero e é mais conhecido pelas confusões em que se mete do que por sua atuação parlamentar. Visto como novidade, ele projeta entre os seus fãs uma imagem de herói em tudo diferente do que ele foi como político até agora.
O mito de pés de barro
Desiludido com a política tradicional, o Brasil assiste à ascensão de um personagem que desperta sentimentos contraditórios, mas é tratado como “mito” por seus admiradores.
Capitão reformado do Exército, vende-se como homem acima de qualquer suspeita. Mas suas três décadas de trajetória política são bem menos épicas do que supõem muitos dos seus seguidores. Já usou verba da Câmara para custear despesas durante viagens em que teve atividades de pré-candidato a presidente. Tornou-se objeto de atenção pública, pela primeira vez, acusado de planejar a explosão de bombas em instalações militares.
Sua produção legislativa é pífia. Nunca ocupou cargo de destaque na Câmara. Sempre integrou o chamado baixo claro, grupo de congressistas com pouca projeção, e é mais conhecido pelas confusões em que se mete do que por sua atuação parlamentar. Um dos seus trunfos é que jamais foi envolvido em qualquer caso de corrupção. Mas foi alvo de várias acusações criminais. No portal do Supremo, aparece como réu em duas ações penais, nas quais é acusado de injúria e apologia do estupro por ter afirmado, na Câmara, que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) porque ela “não merece”. Em 2015, foi condenado pela Justiça a indenizar a parlamentar em R$ 10 mil pela mesma razão e também a indenizar em R$ 150 mil o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos do Ministério da Justiça, por fazer declarações homofóbicas num programa de TV. A decisão foi confirmada este ano pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).
Incógnita ambulante
Embora atue como parlamentar há quase 30 anos, Bolsonaro é um grande desconhecido para diversos setores da economia e da sociedade. O deputado – que chegou a declarar que, se fosse eleito presidente, entregaria metade do ministério aos militares – é uma incógnita ambulante. A habilidade dele para criar conflitos é tão grande quanto a desconfiança sobre sua capacidade de governar o país.
Sempre que é instigado a falar de assuntos mais complexos, como economia, esquiva-se e volta a sua artilharia verbal aos inimigos de sempre: negros, mulheres, gays, “bandidos”, adolescentes, sem-terra, entre outros. A virulência das declarações do deputado é objeto de repulsa e, ao mesmo tempo, de admiração, conforme o público que as recebe. Cada vez mais popular, surfa na onda de decepção com políticos e partidos tradicionais, como o PT e o PSDB.
Três décadas, uma lei
Bolsonaro promete “endireitar” o país, mas tem dificuldade para demonstrar eficiência. Na Câmara desde 1990, teve apenas um projeto de sua autoria convertido em lei (a de n° 10.176, de 2001). A proposta, apresentada por ele em 1996, prorrogou benefícios fiscais para o setor de informática e automação.
Em quase três décadas como deputado, nunca relatou proposições de destaque nem presidiu comissões ou liderou bancada. Na área da segurança pública, sua principal bandeira, não emplacou qualquer sugestão. O deputado já passou por quatro partidos e, atualmente, procura o quinto para sua candidatura presidencial. Seus dias no PSC estão contados desde que brigou com a direção nacional da legenda, que considera suas posições radicais demais, mesmo para um partido com base no eleitorado evangélico conservador.
Ainda que conhecido de início como um sindicalista do baixo oficialato, Bolsonaro diminuiu a atenção que dispensava ao assunto à medida em que percebeu que seu discurso atraia um público mais amplo. Mais recentemente propôs também incluir o nome de Enéas Ferreira Carneiro, ex-deputado e fundador do extinto Partido da Reedificação da Ordem Nacional (Prona) no Livro dos Heróis da Pátria, ou que os civis tenham de colocar a mão sobre o peito quando da execução do hino nacional.
Bolsonaro nunca figurou entre “os cabeças do Congresso Nacional”, selecionados anualmente pelo Diap há mais de duas décadas por sua elevada influência. Entre os atributos que caracterizam um protagonista, a entidade lista “a capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações”.
O deputado também nunca constou da lista dos parlamentares que receberam o Prêmio Congresso em Foco, definidos por votação do público na internet. Nas primeiras das nove edições realizadas, não foi lembrado pelos jornalistas que cobrem o Congresso, encarregados de pré-selecionar os congressistas submetidos na fase seguinte à votação popular. Nos últimos anos, foi barrado na disputa, junto com centenas de colegas, por responder a acusação criminal no Supremo Tribunal Federal (STF).
Em 2000, chegou a dizer que o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) deveria ter sido fuzilado durante a ditadura. Bolsonaro é conhecido por moldar discurso e ações ao gosto da plateia que o aplaude. “Católico fervoroso”, como se definiu, foi batizado no rio Jordão, em Israel, pelo pastor da Assembleia de Deus Everaldo Pereira, presidente do PSC e candidato à Presidência em 2014.
Pedaladas na Oktoberfest
Zeloso da fama de político honesto, com a qual tenta se diferenciar dos colegas e adversários, Jair Bolsonaro tem viajado país afora em campanha presidencial, bancando parte dos custos com a cota parlamentar da Câmara. Seja para pagar hotel, seja para voar até cidades em que reúne um público inflamado em aeroportos e auditórios. Segundo ele, não há irregularidade porque está cumprindo agenda relacionada ao mandato.

Em outubro de 2015, ele e o filho Eduardo participaram animadamente das comemorações da Oktoberfest em Blumenau (SC). Acompanhado do anfitrião, o deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC), pedalou na Centopeia do Chope, o brinquedo que abre o desfile do tradicional grupo Planetapéia, percurso em que distribuiu acenos e sorrisos aos foliões. Mais recentemente, como mostrou a Folha de S.Paulo, Jair Bolsonaro fez uso da cota em pelo menos seis viagens onde também discursou como pré-candidato. Suas idas a cidades como Recife, Boa Vista, Belo Horizonte, João Pessoa, Curitiba e São Paulo custaram R$ 22 mil, ressarcidos pela Câmara. A assessoria do deputado nega que ele esteja em pré-campanha e atribui os deslocamentos a compromissos relacionados à segurança pública.
A bomba que fez o político
Dono atualmente de um discurso de ordem e disciplina militar e de críticas ferrenhas a movimentos sociais, o então capitão Jair Bolsonaro apareceu pela primeira vez no noticiário em 1987, nas páginas da revista Veja, após ser acusado de elaborar um plano para explodir bombas em quartéis como forma de protesto por baixos salários. Quando a reportagem foi publicada, Bolsonaro negou tudo ao então ministro do Exército, Leônidas Pires, a quem acusara de frouxidão e de tratar os militares como “vagabundos”. A revista publicou então, na semana seguinte, o que classificou como provas do crime: um croqui desenhado pelo próprio Bolsonaro de como poderia bombardear a adutora de Guandu, no Rio, e um segundo desenho que mostrava a localização de outro capitão que apoiava os atos dele. Acusado por cinco irregularidades, o capitão Bolsonaro teve de responder a um Conselho de Justificação, formado por três coronéis. Ele foi condenado sob a acusação de ter mentido durante o processo.
Sem fidelidade partidária
O PSC é a sétima sigla a abrigar Jair Bolsonaro. Antes, ele passou por PDC, PPR, PPB, PTB, PFL (hoje DEM) e PP. Apesar da trajetória marcada pela inconstância partidária, sua força eleitoral faz dele sonho de consumo de várias agremiações. Desta vez, tem demonstrado maior cautela para definir o futuro partido.
Patrimônio
Em 2014, Bolsonaro informou possuir R$ 2 milhões em patrimônio. Na primeira declaração de bens, de 1990, registrou 38.121 cruzados novos, o que, pela conversão para a moeda atual, equivaleria a R$ 28 mil. A evolução patrimonial, no entanto, de acordo com analistas ouvidos pela reportagem, aparenta ser compatível com os ganhos dele como deputado federal e a valorização dos bens adquiridos no início da carreira. A relação inclui imóveis, terrenos, veículos. Além de troca de veículos, apenas em 2014 ele registrou novos imóveis. Nesse caso, duas casas na Avenida Lúcio Costa, à beira-mar no Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + 6 =