O Instituto LafargeHolcim, responsável por administrar o investimento social da CSN Cimentos Brasil (antiga LafargeHolcim Brasil), alinhado ao compromisso da empresa com o meio ambiente e o desenvolvimento socioeconômico das comunidades das áreas onde atua, apoia diversos projetos nas diferentes localidades onde localizam-se suas fábricas. Este ano, a companhia está investindo cerca de 500 mil reais em dez iniciativas desenvolvidas nos municípios de Montes Claros, Barroso e Pedro Leopoldo em Minas Gerais.

“Os projetos apoiados pelo Instituto são promovidos por instituições locais e realizados nos municípios onde a companhia atua. Nosso objetivo é estimular o desenvolvimento da região e fortalecer essas entidades, a fim de que as iniciativas possam deixar um legado. Alguns projetos inclusive se tornaram referências regionais, impactando políticas públicas e servindo de modelo para ações realizadas em outros municípios”, explica Tatiana Brasil Nogueira, coordenadora de Responsabilidade Social Corporativa da Companhia.

A coordenadora da Rede Comunitária em Ação, Marcia Adriana Lopes também confirma a importância desses projetos sociais para a conscientização ambiental da sociedade. “Outros municípios seguiram o modelo da construção de muros inteligentes, como Montes Claros e Barroso. Mais que construir os muros, é importante conscientizar o cidadão sobre suas escolhas e sua responsabilidade em relação a seus resíduos. Esse trabalho e as oficinas de grafite são realizados junto com o muro”, destaca.

A EcoGalpão, criado em 2021, é uma das instituições apoiadas pelo instituto e recebe um pouco mais de 60 Agentes de Reciclagem cadastrados, que contribuem para a coleta de materiais recicláveis da região de Santos Reis, impactando a questão ambiental do município. O projeto realiza capacitações e assessoria técnica para estes profissionais e contribui para geração de renda, além de ganhos sociais e culturais para essas famílias. O EcoGalpão recebeu R$ 50 mil para melhorias de infraestrutura, a fim de aumentar sua produtividade em 60%. O projeto, nas ações de mobilização e sensibilização quanto ao cuidado e preservação com o meio ambiente, envolve diretamente cerca de 1.900 pessoas, em 16 comunidades. O objetivo é sensibilizar a população para a importância da destinação correta do lixo seco, contribuindo com a diminuição da poluição ambiental da região, além de que cada vez mais o lixo orgânico seja utilizado para a produção de adubo na nutrição das plantas cultivadas em suas residências. No último edital, a Associação Comunitária Recanto das Hortaliças (ACRH) foi contemplada com mais R$ 50 mil para construção da sala do empreendedorismo, local esse destinado a cursos e qualificação dos catadores, bem como aulas de reforço para os filhos dos catadores associados à cooperativa, e melhorias na estrutura do EcoGalpão. (Ascom ILH)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 5 =