A fome da lava jato por recursos e, consequentemente pelo poder, levou a força-tarefa de Deltan Dallagnol ao isolamento político entre os operadores do direito.

Nesta quarta (3), em Brasília, o ato em desagravo ao Supremo Tribunal Federal (STF) culminou com a entrega de manifesto ao ministro Dias Toffoli subscrito por 200 entidades da sociedade civil. No caso o agravado era Deltan, que, semanas atrás, açulou milícias virtuais (bolsominios) contra ministros da corte.

Dito isto, a lava jato experimentou hoje (4) a primeira consequência do isolamento com a AGU (Advocacia-Geral da União) exigindo “os valores objeto das sanções impostas pelos Estados Unidos no caso revertam, em sua integralidade, à União”. O parecer do órgão foi enviado ao ministro do STF Alexandre de Moraes, relator da nulidade do acordo de R$ 2,5 bilhões da lava jato com a Petrobrás.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =