A alteração ocorre no número de inserções: anteriormente eram 164, agora, são 118

O Tribunal Superior Eleitoral definiu em sessão aberta ao plenário neste sábado (22) conceder à campanha do ex-presidente Lula (PT) direito de resposta em inserções na TV que eram destinadas à propaganda da campanha à reeleição de Jair Bolsonaro.

A alteração ocorre no número de inserções: anteriormente eram 164, agora, são 118.
Os direitos de resposta dizem respeito a campanha de fake news promovida pelo bolsonarismo com ataques sórdidos a Lula.

Na quarta-feira (19), a ministra Maria Cláudia Bucchianeri atendeu a um pedido da defesa de Lula e autorizou as respostas por causa de afirmações consideradas ofensivas ou descontextualizadas nas propagandas.
Mas, na noite de quinta-feira, a ministra acolheu um recurso da defesa de Bolsonaro e suspendeu a sua própria decisão até que o plenário analisasse o caso.
Acompanharam o voto de Maria Claudia Bucchianeri os ministros Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Sergio Banhos. Os outros dois ministros – Benedito Gonçalves e Raul Araújo – ainda não se manifestaram no plenário virtual, onde o julgamento está ocorrendo.
O petista teria direito às inserções devido às peças eleitorais veiculadas pela campanha do presidente entre os dias 11 e 17 de outubro. Segundo a ação apresentada pelos advogados do PT, as propagandas buscam “incutir a ideia de que Lula estaria associado à criminalidade”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + dez =