A professora Cláudia Maia, coordenadora do Grupo de Pesquisa e Estudos Gênero e Violência da Unimontes, ressalta conquistas e desafios das mulheres. Foto: divulgação

As mulheres, na atualidade, ocupam mais espaço na sociedade e no mercado de trabalho, mas o desrespeito, o assédio moral e novas formas de violência de gênero ainda precisam ser vencidos. O cenário é colocado pela professora e pesquisadora Cláudia de Jesus Maia, coordenadora do Grupo de Pesquisa e Estudos Gênero e Violência (GPEG) da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), ao abordar a comemoração do Dia Internacional da Mulher – 8 de março.

A professora e pesquisadora da Unimontes salienta que as mulheres vêm ocupando mais espaços, antes a elas negados, sobretudo, no mercado de trabalho, nas carreiras profissionais e na política.

“Isso , a meu ver , tem resultado em dois movimentos, por um lado tem se desenvolvido maior preocupação com a paridade e maior reconhecimento das competências das mulheres em todos os níveis por alguns; por outro lado, também enfrentamos muito desrespeito, muito assédio moral e novas formas de violência de gênero nos espaços públicos têm surgido. O sexismo, a misoginia e o desprezo pelo feminino, ainda são uma realidade”, afirma Cláudia Maia, que é vinculada ao Departamento de História da Unimontes.

“Cito como exemplo a violência que muitas parlamentares têm sofrido no exercício de seus mandatos, assim como o número cada vez mais crescente de mulheres que têm denunciado formas de violência, discriminação e desrespeito dentro das Universidades”, ressalta a coordenadora do GPEG, ligado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em História (PPGH) da Unimontes.

Pesquisa aponta aumento da violência contra a mulher

A professora e pesquisadora da Unimontes lembra que, na semana passada, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública publicou o relatório da pesquisa “visível e invisível: a vitimização das mulheres no Brasil”. O levantamento aponta que todas as formas de violência contra mulheres aumentaram, tendência verificada nos anos anteriores.

De acordo com o estudo, a estimativa é que, em média, 18,6 milhões de mulheres de 16 anos ou mais foram vítimas de alguma forma de violência. “O assédio sexual atingiu números inimagináveis. Cerca de 46,7% das mulheres brasileiras de 16 anos ou mais sofreram alguma forma de assédio sexual”, registra a professora Cláudia Maia.

Estima-se que, no ano passado, a cada minuto 35 mulheres sofreram algum tipo de violência. A pesquisadora ressalta: “os números do feminicídio, que é quase sempre o desfecho de uma contínua violência, também aumentou e Minas Gerais segue como o estado em que as mulheres mais morrem por razões de gênero”.

Fortalecimento das redes de apoio às mulheres

A coordenadora Grupo de Pesquisa e Estudos Gênero e Violência da Unimontes aponta as medidas que são necessárias para a redução das agressões às mulheres. “Sem dúvida, são necessárias políticas públicas mais efetivas, o que implica também investimento público de recursos. É preciso o fortalecimento das redes a apoio à mulheres em situação de violência. Um exemplo é a Rede de Enfrentamento a Violência contra mulheres de Montes Claros, que envolve vários parceiros de órgãos públicos estaduais e municipais, sociedade civil e universidade”.

Ela chama atenção também para as políticas de prevenção da violência de curto prazo, como o acolhimento das vítimas, de ações de médio prazo (como trabalho efetivo junto aos agressores), e a as medidas de longo prazo, como a educação voltada para igualdade de gênero.

“Nós não vamos conseguir frear a violência se não investirmos de fato na educação das crianças e de jovens para criar uma cultura do respeito à diferença, à diversidade e ao outro, especialmente, às mulheres. É preciso alterar os valores da masculinidade que produz as mulheres como sujeitos inferiores, submissos e estimula o ódio às mulheres. É preciso a adoção de políticas de combate às desigualdades econômicas e ao racismo que influenciam diretamente no aumento da violência. Não é por acaso que mulheres negras são a maioria entre a vítimas de violência doméstica e de feminicídio”, comenta a professora Cláudia Maia.

Conquistas das mulheres

A professora Cláudia Maia ressalta que neste 8 de março de 2023, o sexo feminino tem conquistas a serem comemoradas. “O aumento de mulheres parlamentares, especialmente de mulheres negras é um motivo para comemorar; mas acho que o mais importante a ser comemorado é a tomada de consciência cada vez maior das mulheres a respeito dos seus direitos. Isso tem feito um número cada vez maior de mulheres denunciarem a violência e não aceitarem posições de subalternidade e opressão”, observa.

“Para mim também é motivo para comemorar um número cada vez maior de mulheres que se identifica com perspectiva feminista de pensar e agir no mundo. Ainda falta muito e os números da violência citados exemplificam isso, mas quando vejo meninas cada vez mais jovens lutando por igualdade de gênero e cultivando a solidariedade feminista, me faz ter esperança de um mundo mais respeitoso, amoroso e igualitário para as mulheres”, conclui Cláudia Maia.

Objetivo do GPEG e a criação do Observatório de Violência de Gênero

O Grupo de Pesquisa e Estudos Gênero e Violência (GPEG) da Unimontes tem como objetivo desenvolver estudos e pesquisas sobre mulheres, gênero e feminismos. Desde que foi criado em 2006, o grupo tem como principal temática de pesquisa a violência contra as mulheres. Por iniciativa do GPEG está sendo criado o Observatório Norte Mineiro de Violência de Gênero, com lançamento previsto para o dia 28 de março.

O Observatório vai acompanhar e avaliar a violência de gênero na região como objetivos de fornecer dados para as políticas públicas; além disso, visa reunir bibliografias e estudos sobre esse fenômeno na região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 9 =