O país se superou em diversas categorias e garante novos marcos históricos

Atletas do vôlei celebram a conquista de mais um ouro em cima das Argentinas – Miriam Jeske/ Agência Brasil

A camisa verde e amarela é oficialmente uma das que mais subiu no pódio do Pan-Americano de 2023, realizado em Santiago, no Chile, superando o próprio recorde pessoal.

Foram no mínimo 200 medalhas, com o melhor resultado de todas edições. O recorde anterior era de 2019 em Lima, no Perú. O número total de medalhas será computado somente após o fim das disputas finais realizadas neste domingo (05).

A seleção brasileira masculina de futebol ultrapassou o México e se tornou o único na segunda posição com maior número de medalhas. A última conquista da seleção brasileira foi em 1987, em Indianápolis, nos Estados Unidos. Os resultados do futebol são ainda mais expressivos se somados ao feminino, que juntos, se tornam os maiores medalhistas de ouro de todos os tempos da competição, com oito títulos.

Até o momento são 64 medalhas de ouro, 73 de prata e 65 de bronze, somando 202 medalhas, e ficando atrás apenas dos Estados Unidos, com 279 medalhas no total.

O destaque da edição é de Barbara Domingos, conhecida como Babi. A atleta paranaense de 23 anos é da ginástica rítmica e foi a mais laureada, com três ouros e duas pratas nas cinco finais que disputou. Além da marca pessoal na competição, Babi foi a primeira a conquistar um ouro na prova individual de ginástica rítmica pelo Brasil.

Neste domingo acontece as finais do caratê, boliche, ciclismo, golfe, patinação de velocidade, tênis de mesa e tiro ao arco, com chances de novas medalhas para a seleção brasileira.

A esgrima também levou um ouro inédito, com direito a virada na final contra o Canadá. A única medalha dourada na categoria havia sido em 1967, por Arthur Cramer.

No vôlei, a Argentina foi derrotada por três sets a zero pelos brasileiros, com destaque para o jogador Darlan que marcou 14 pontos na partida. As atletas femininas também derrotaram a Argentina na final com o mesmo resultado.

Já no atletismo, a equipe de revezamento 4x400m formada por Matheus Lima, Lucas Carvalho, Douglas Hernandes Mendes e Lucas Conceição fizeram o tempo de 3min03s92 levando a melhor do México, que fez em 3min04s22 e ficou com a prata, e a República Dominicana que fechou o terceiro lugar em 3min05s98.

No basquete, as brasileiras venceram as colombianas por 50 a 40. Já no masculino o placar final foi de 73 a 61 na disputa do terceiro lugar contra o México por 73 a 61.

Na cerimônia de encerramento, que acontece neste domingo às 21 horas, os medalhistas Hugo Calderano, do tênis de mesa, e Nicole Pircio, capitã da equipe de ginástica rítmica, vão estar à frente da delegação brasileira representando o país e celebrando as conquistas inéditas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − quatro =