A falta de mobilização dos políticos e entidades representantes do Norte de Minas permitiu a instalação dos pedágios na BR135, no trecho entre Montes Claros e Curvelo. Agora, tais lideranças estão rebelando contra a cobrança destes pedágios que já estão funcionando nos kms 466 (entre Bocaiúva e Montes Claros); 523 (Engenheiro Dolabela e Joaquim Felício); 583 (entre Buenópolis e Augusto de Lima) e 634 (entre Corinto e Curvelo), e no km 25, da LMG-754, também em Curvelo.
Na época, ninguém se posicionou contra. Nem nas audiências públicas, muito menos na Assembleia Legislativa. Pelo contrário, na audiência pública que aconteceu em Montes Claros, no dia 31 de maio de 2017, no auditório da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams), por exemplo, muitos até aplaudiram, dizendo que a privatização da BR 135 iria melhorar, pois a pista seria duplicada, etc e tal.
Não custa lembrar, que na região metropolitana de Belo Horizonte, nenhum pedágio foi instalado, porque as lideranças mobilizaram e impediram, como foi o caso da cidade de Sete Lagoas.
AÇÃO POPULAR
Depois que os pedágios já estão funcionando a todo vapor, os deputados de Montes Claros Tadeu Martins Leite (MDB), Arlen Santiago (PTB), Carlos Pimenta (PDT), Gil Pereira (PP) e Leninha (PT), além do deputado Virgílio Guimarães (PT), de Curvelo e Zé Reis (PHS), de Bonito de Minas, acionaram a justiça com uma ação popular, para a impedir a cobrança, mesmo sabendo que os pedágios foram aprovados com a anuência da Assembleia Legislativa de Minas Gerais e com o consentimento das pseudas as lideranças do norte de Minas Gerais.
A Ação Popular de nº 5044485-27.2019.8.13.0024 está tramitando na 3ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 10 =