– Relatório preliminar da Polícia Federal enviado nesta segunda-feira 19 ao STF revela caso inédito na história do Brasil; de acordo com o documento, Michel Temer cometeu o crime de corrupção passiva na condição de presidente da República –

 No diálogo gravado entre Temer e Joesley Batista, da JBS, de acordo com a Procuradoria-Geral da República, Temer teria dado aval a Batista para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e também indicado seu ex-assessor e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) como intermediário dos interesses do grupo empresarial junto ao governo.

Loures está preso após ser alvo de ação controlada da PF na qual foi filmado carregando uma mala com R$ 500 mil entregues por Ricardo Saud, diretor de Relações Institucionais da J&F.

A Polícia Federal não se manifestou ainda sobre o crime de obstrução à Justiça, pois aguarda a conclusão da perícia do áudio entre Temer e Joesley.

A PF devolveu parte do inquérito contra Temer ao Supremo e pediu ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na corte, mais prazo para concluir a investigação. Leia mais na Reuters:

CHEQUES DE R$ 500 MIL DA OAS E DA JBS PASSARAM PELA CONTA DE TEMER

Por Fernando Brito, do Tijolaço – A Globonews colocou no ar reportagem em que mostra os dois cheques de R$ 500 mil, que foram destinados a Henrique Eduardo Alves, atualmente preso por desvio de verbas das obras da Arena das Dunas, em Natal.

Os valores fazem parte dos depósitos da OAS e da JBS na conta de campanha de Michel Temer, para a qual as duas, somadas, doaram R$ 11 milhões, entre os R$ 20 milhões arrecadados, no total, pelo então candidato a vice-presidente.

A doação, direta, a Temer, desmente o discurso de que Temer sempre considerou Joesley um “notório bandido”

As contas de Michel Temer não foram apresentadas separadamente ao Tribunal Superior Eleitoral, mas somadas à conta da chapa presidencial. Mas quase todo o dinheiro foi direcionados aos seus “homens de confiança”. comp Henrique Alves e Rocha Loures, entre outros.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =