Indigenista brasileiro e jornalista inglês foram mortos a tiros em junho de 2022, no Amazonas

Dom Phillips e Bruno Pereira foram assassinados no Vale do Javari, Amazonas — Foto: Reprodução/Twitter

A Polícia Federal prendeu, nesta quinta-feira (18), um dos envolvidos no assassinato do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, mortos a tiros na região do Vale do Javari, no Amazonas, em junho de 2022. O anúncio foi feito pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, nas redes sociais.

“Foi preso pela Polícia Federal mais um envolvido na organização criminosa que perpetrou os homicídios contra Bruno Pereira e Dom Phillips. Mais informações em breve”, anunciou.

Bruno e Dom foram assassinados durante uma expedição a trabalho na região da que é cenário de conflitos e diversos crimes, como tráfico de drogas, roubo de madeira e garimpo ilegal. Os corpos deles foram queimados e enterrados

Bruno foi morto com três tiros, sendo um deles pelas costas, sem qualquer possibilidade de defesa, o que também qualifica o crime. Dom foi assassinado apenas por estar com Bruno, de modo a garantir a impunidade pelo crime anterior, segundo o MPF.

Dom era correspondente do jornal britânico The Guardian. Veio para o Brasil em 2007 e viajava constantemente para a Amazônia, relatando a impactos das mudanças climáticas sobre a floresta e sobre os povos indígenas indígenas.

Ele e Bruno se conheceram em 2018, durante uma reportagem. A dupla fazia uma expedição de 17 dias pela Terra Indígena Vale do Javari, onde há indígenas isolados.

Bruno era apontado como um dos principais indigenistas brasileiros, tendo atuado na feiscalização de grileiros, madeireiros, garimpeiros e invasores.

Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a área em que a dupla navegava é “palco de disputa entre facções criminosas que se destacam pela sobreposição de crimes ambientais, que vão do desmatamento e garimpo ilegal a ações relacionadas ao tráfico de drogas e de armas”.

De acordo com o depoimento do pescador Amarildo da Costa Oliveira, preso e levado a júri popular no Amazonas, as mortes são de responsabilidade de Jeferson da Silva Lima, também conhecido como Pelado da Dinha. Além dos dois, Oseney da Costa de Oliveira, irmão de Amarildo e conhecido como Dos Santos, estão presos e também serão levados a julgamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 4 =