O LEGADO DE FIDEL – Mensagem postada nesse sábado, 26,  no Facebook, pela faceboquiana Maria Cléo Mendes, que merece ser divulgada e lida pelos amantes de um escrito sincero e verdadeiro. Diz ela:

“ Texto de Isadora Clemente, estudante de Medicina e ex- aluna da Escola Parque de Recife e que nos ajuda a compreender o luto por Fidel: 

–  Às vezes me perguntam sobre o que vi de pobreza em Cuba. E eu acho que essa é uma pergunta curiosa porque me fez pensar sobre o que é pobreza. Ora, no nosso contexto brasileiro, riqueza é uma associação de bens materiais a uma situação de segurança e bem estar. 

Pobreza envolve muito mais do que a falta de bens. Pobreza envolve morar num local arriscado, conviver com deslizamento de morros, tiroteios, com o medo de ser desalojado. Envolve estar mais vulnerável a estupros, à violência, à exploração sexual. Envolve perder horas apertadamente em um transporte público caro e de má qualidade. Muitas vezes envolve passar fome, envolve se desesperar por não ter acesso a medicamentos e cuidados médicos. Envolve não ter lugar adequado para deixar seu filho.

E, principalmente, pobreza na sociedade de consumo está associada à baixa auto-estima. 

Os ricos dizem que são ricos porque eles ou os pais deles trabalharam, fizeram esforço; logo, se você é pobre é por que não trabalhou, não é inteligente, não é esforçado. Uma idéia tristemente enraizada.

E eu me lembro dessa foto numa comunidade rural de Havana, As crianças dormindo na creche. Crianças com mais de um ano, porque lá a licença materna ou paterna é de um ano. Crianças que poderão praticar esportes, dançar balé, independentemente dos pais terem dinheiro para pagar escolinha. Lembro dos idosos nas casas de “abuelos” compartilhando tantas lembranças. Lembro da tranquilidade com que a gente andava à noite na estrada.

Então, quando me perguntam se em Cuba tem muita pobreza eu respondo que, na verdade,  o que Cuba tem é outro tipo de riqueza.”

PERSEGUIÇÃO INÓCUA – Para desespero dos operadores Lava Jato e do juiz peessedebista Sérgio Moro, da República de Curitiba, a semana de oitivas de testemunhas contra o ex-presidente Lula, segundo informações da chamada grande imprensa nacional, terminou sem que nenhum dos depoentes tenha acusado ou mostrado provas contra ele. 

Foram ouvidos, dentre outros, o ex-diretor da Petrobras, Cerveró, o doleiro Youssef, e o agente financeiro Fernando Baiano e nenhum deles apresentou provas de que o ex-presidente tenha sido beneficiado pela empreiteira OAS com obras no triplex de Guarujá.

MINISTRO DELE MESMO – Até a tarde de ontem, sábado, 26, o presidente da República, o golpista Michel Temer, ainda não havia escolhido o substituto do Ministro de Governo, Geddel Vieira, que se demitiu após o escândalo da tentativa de manipular o IPHAN, órgão do Ministério da Cultura, a liberar um prédio interditado por estar em área de tombamento histórico e onde ele tinha comprado um luxuoso apartamento. 

Por causa disso, e temendo perder um novo auxiliar por envolvimento em atos de corrupção, Temer vai pessoalmente cuidar das negociações com o Congresso, até encontrar um sucessor para a Secretaria de Governo. Segundo a chamada grande imprensa do país ele já teria marcado uma reunião com o presidente do Senado, o também denunciado por corrupção em 12 denúncias apresentadas ao Supremo Tribunal Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL) e líderes partidários para esta segunda-feira.

MINISTÉRIO PÚBLICO QUER O PLANO DIRETOR – Uma notícia alvissareira para Montes Claros: segundo notícia da Gazeta Norte Mineira, a promotora Aluísia Beraldo Rieiro, curadora do Meio Ambiente do Ministério Público, recomendou à Câmara Municipal a votação, em regime de urgência, do projeto que cria o Plano Direto de Montes Claros.

A medida, inclusive, já havia sido solicitada em um dos comentários da coluna Pitaco, pois até agora a cidade não tem um Plano Diretor que oriente o seu crescimento urbano, tendo o prefeito Ruy Muniz prometido o documento há mais de três anos. O assunto, inclusive, foi motivo de várias discussões com a sociedade, desde 2012, mas até hoje não saiu do papel.

Ainda segundo o jornal, o presidente da Câmara Municipal, Marcos Nem, já colocou o projeto na pauta da próxima reunião do Legislativo, terça-feira. O coordenador do projeto, Jefferson Trindade, que se encontra afastado da Prefeitura, revelou que sem o Plano Diretor o município corre o risco de não receber recursos do Ministério das Cidades, além do perigo de perder tudo o que foi planejado até agora.

O prefeito em exercício, José Vicente Medeiros, disse que encaminhou o projeto à Câmara desde o mês de julho, frisando em sua mensagem que o Plano Diretor tem como objetivo direcionar as políticas públicas para o crescimento urbano ordenado, bem como melhorar a prestação de serviços públicos municipais. Para a elaboração do documento foram realizadas 17 audiências públicas, quando foi ouvida a população e estabelecidas parcerias com as instituições de ensino superior e diversas entidades de classe representativas da sociedade organizada.

Fica a torcida de todos os que desejam uma cidade moderna e mais dinâmica, já que o documento, se aprovado na terça-feira, entrará em vigor com uma nova administração, a partir de janeiro de 2017.

CHUVA NA SECA – O fato interessante da semana ocorreu durante audiência pública realizada na Câmara Municipal na última sexta-feira, para debater a escassez de água no semiárido brasileiro e as conseqüentes secas que ocorrem no Norte de Minas. No momento em que os participantes faziam severas críticas contra os prejuízos causados pelas longas estiagens e a falta do apoio do governo federal na implantação de grandes barragens no Norte de Minas, como Berizal, Congonhas e Jequitaí, uma chuva, mesmo que mansa, caiu sobre a cidade de Montes Claros. Um dos participantes resmungou em voz baixa: “e ainda dizem que não chove no semiárido mineiro”, arrancando gargalhadas das pessoas mais próximas. 

O episódio lembrou caso semelhante ocorrido com o governador Francelino Pereira, que viria participar de um encontro que iria discutir a questão da seca na região: o avião em que se encontrava não pode aterrissar na cidade por causa de uma forte chuva que caía no momento.

VIOLÊNCIA COM FLORES –  Menos mal. Pelo menos uma boa noticia na semana que passou. No dia em que se comemorou o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, sexta-feira, 25,  Minas Gerais celebrou a queda da violência doméstica e violência sexual. Que dizer, bateu-se pouco e mataram-se poucas mulheres em todas as regiões do Estado.

 Os dados estão disponíveis no Diagnóstico de Violência Doméstica e Familiar nas Regiões Integradas de Segurança Pública de Minas Gerais, divulgado pela Secretaria de Segurança Púclia e Polícia Militar de Minas Gerais.

Somente em Belo Horizonte, houve queda de 41,4% das ocorrências de violência sexual no comparativo dos dois primeiros semestres de 2015 e 2016. O diagnóstico aponta queda em praticamente todos os crimes contra a mulher na capital: violência física, psicológica, patrimonial, moral e sexual. Apenas a tipificação outras violências.

Os machistas mineiros estão aprendendo que em mulher não se bate nem com uma flor. 

Ou a agressão de homem contra mulher com uma flor é legal?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + treze =