Paralisação dos professores é marcada para quarta (5/7) e quinta-feira (6/7) em resposta ao adiamento da votação do projeto de reajuste salarial da educação

Sindicato convoca professores a parar atividades na próxima semana como protesto pela aprovação do reajuste salarial. Na foto, Denise Romano, coordenadora-geral do Sind-UTE – Juarez Rodrigues/EM/D.A Press

Por Estado de Minas

Os professores da rede estadual de educação de Minas Gerais anunciaram paralisação das atividades para esta quarta (5/7) e quinta-feira (6/7). A categoria tenta pressionar os parlamentares da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) pela aprovação do Projeto de Lei (PL) 822/23, que trata do reajuste salarial da educação.

A paralisação foi convocada pelo Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) em resposta ao adiamento da votação do PL, que altera o piso inicial dos professores estaduais, assegurando uma recomposição desde janeiro deste ano. O texto já foi aprovado no primeiro turno, mas teve a votação do segundo turno suspensa na última quinta-feira (29/6).

O Sind-UTE acusa o Governo de Minas e sua base na Assembleia Legislativa de impedir a votação do reajuste de 12,84%. “Nós estaremos paralisados para pressionar pela aprovação do projeto de lei, do reajuste da educação. A educação precisa ser respeitada, e não merece ser tratada como moeda de troca pelo governo do Estado”, disse Denise Romano, coordenadora-geral do Sind-UTE.
Na quarta (5/7) e quinta-feira (6/7) os servidores farão um ato em frente à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na Região Centro-Sul de BH.

A reportagem do Estado de Minas procurou o governo do Estado e aguarda um retorno.

Impasses

O PL altera o piso inicial dos professores estaduais de R$ 2.350,49 para R$ 2.652,22. A categoria, no entanto, ainda reivindica o pagamento do piso nacional dos professores, que teve um reajuste de 15% em relação ao ano passado, saindo R$ 3.845,63 para R$ 4.420,55.

Os servidores cobram urgência na aprovação do projeto, já que os salários deveriam ter sidos atualizados seis meses atrás, em janeiro. “Nós queremos os 12,84%, mas vamos continuar na luta pelo nosso piso nacional”, disse a coordenadora-geral do Sind-UTE.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 15 =