O ator estava internado desde o dia 6 de agosto, no hospital Albert Einsten, em São Paulo

Faleceu na manhã desta quinta-feira (12), em decorrência da Covid-19, o ator Tarcisio Meira, de 85 anos, Ele estava internado desde o dia 6 de agosto, no hospital Albert Einsten, em São Paulo.

O ator deixa a esposa, a também atriz Gloria Menezes, que também foi contaminada, e o filho Tarcísio Meira Filho.

De acordo com o boletim médico divulgado pelo hospital, a atriz está se recuperando bem e recebe auxílio de oxigênio via nasal. Ela está internada em um apartamento.

Ambos receberam a 2ª dose da vacina contra Covid em março deste ano, na cidade de Porto Feliz, no interior de São Paulo.

Na CPI da Covid, senadores fizeram 1 minuto de silêncio em memória ao ator.

Fora da TV desde 2020, quando não tiveram contrato renovado com a TV Globo, os dois moravam numa fazenda no interior de São Paulo.

Tarcísio Magalhães Sobrinho nasceu em São Paulo, no dia 5 de outubro de 1935. Adotou o sobrenome da sua mãe, Meira, para a carreira artística. O nome se encaixava ainda numa superstição do ator pelo número 13: todas as letras somadas dão 13, e ele vivia no 13º andar de um prédio. Antes de ser ator, pensou em seguir a carreira diplomática, que logo foi deixada de lado quando ele foi reprovado no primeiro exame.

Ele atuou pela primeira vez no Grande Teatro Tupi, programa de teleteatro da extinta emissora, ao lado de Glória Menezes, em 1961. Eles se casaram no ano seguinte, dando início a uma longa parceria na ficção e na vida real. Em 1964, nasceu o filho do casal, o também ator Tarcísio Filho.

Os dois foram da Tupi para a Excelsior antes de ir para a Globo, na novela Sangue e Areia, em 1967, quando ele e Glória colocaram de vez no imaginário nacional a imagem do casal queridinho do país. Na pele de João Coragem, no sucesso Irmãos Coragem (1970), Tarcísio se tornou o símbolo do galã nacional.

Relembre a carreira de Tarcísio Meira, o primeiro galã da TV brasileira


Em 60 anos de carreira, o ator fez mais de 50 papéis na TV, além de inúmeros outros em cinema e teatro

Tarcísio Magalhães Sobrinho nasceu em São Paulo, no dia 5 de outubro de 1935. Adotou o sobrenome da sua mãe, Meira, para a carreira artística.

Além disso, o nome fazia parte de uma superstição do ator pelo número 13: todas as letras somadas dão 13, e ele vivia no 13º andar de um prédio.

O eterno Capitão Rodrigo pensou em seguir a carreira diplomática antes de ser ator. O projeto foi esquecido, para sorte do público, após ele ser reprovado no primeiro exame.

Tarcísio estreou no teatro em 1957, na peça A Hora Marcada e, em 1959, já brilhava em O Soldado Tanaka, convidado por Sérgio Cardoso.

Já na televisão, o ator estreou no teleteatro da TV Tupi “Noites Brancas”, dirigido por Geraldo Vietri em 1959. Logo a seguir foi a vez de “Uma Pires Camargo”, em 1961, onde contracenou com Glória Menezes, com quem se casou e formou o casal mais longevo da TV brasileira.

O ator foi o galã de primeira telenovela diária brasileira, “2-5499 Ocupado” (1963), na Excelsior. A partir de então, o gênero se tornou padrão e produto de exportação para todo o mundo. Atuou em outras sete novelas da emissora até se transferir ao lado da esposa, Glória Menezes, para a Rede Globo, em 1967, onde estreou com a novela “Sangue e Areia”. Os dois ficaram na emissora até 2020, após não terem seu contrato renovado.

Na Globo, Tarcísio Meira fez cerca de 50 trabalhos, entre telenovelas, minisséries e seriados. Se destacam no período o papel de Capitão Rodrigo, que fez na adaptação para o romance épico de Érico Veríssimo “O Tempo e o Vento”, dirigido por Paulo José, que faleceu nesta quarta-feira. Tarcísio viveu também o personagem Hermógenes, na adaptação de “Grande Sertão, Veredas”, de Guimarães Rosa.

No cinema, Tarcísio Meira atuou em inúmeros filmes, principalmente entre os anos 70 e 80. O primeiro deles foi “Casinha Pequenina” (1963), ao lado de Mazzaropi. Entre seus grandes sucessos estão: “Máscara da Traição”, “As Confissões de Frei Abóbora”, “Independência ou Morte”, “Missão: Matar”, “O Marginal”, “República dos Assassinos”, “Eu Te Amo” e “Não se Preocupe, nada Vai Dar Certo!”.

Tarcísio atuou também em “A Idade da Terra”, de Glauber Rocha, e “Eu”, de Walter Hugo Khouri.

Em 2000, Tarcísio Meira recebeu o prêmio APCA de melhor ator oferecido pela Associação Paulista de Críticos de Arte por sua atuação na minissérie A Muralha, produzida pela Globo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − dez =