– A torcida organizada Galoucura, maior organizada do Clube Atlético Mineiro vem idolatrando a figura do general René Barrientos por meio de bandeiras, camisas e até funk. –

 Pior que empunhar a bandeira de um ditador, assassino, por meio de um funk a torcida ”comemora” a morte de Che Guevara, símbolo da luta dos povos humildes e oprimidos, operários, estudantes e camponeses em todo o mundo.

É triste ver jovens, na sua maioria gente de origem simples, trabalhadores, afro-descendentes, moradores de bairros pobres, cultuando um símbolo da elite em detrimento da luta de um dos maiores expoentes da luta popular.

Che não representou uma parcela do povo sofrido, representou e lutou por ”todo” este povo desprovido de condições dignas e massacrados pelo sistema dos poderosos, o capitalismo.

A perplexidade é maior ao constatarmos o potencial de organicidade e mobilização popular desta agremiação que realiza grandes festas populares pra exaltar a paixão ao grande Clube Atlético Mineiro e para tal conta com toda uma gama de diretores e líderes populares, que deixa transparecer que não se importam com a história popular e tão pouco com o que isto representa.

Em seu site oficial a torcida divulgou uma nota:

”O Conselho Administrativo do G.C.R.T.O. Galoucura deixa aqui de forma oficial, a explicação pelo uso da bandeira do General René Barrientos.

A Galoucura é uma agremiação de torcedores de futebol, não somos partido político e nem temos ligação com qualquer um, não somos movimento revolucionário ou nada do tipo.

A bandeira do General René Barrientos, idealizada por um dos membros do Conselho da Galoucura, tem apenas um objetivo: ” rivalidade”. Assim como o Galo come a Raposa, René acabou com Che, como o outro lado usa a imagem de Che.

Usamos a imagem de René Barrientos, mas a mídia e muitas pessoas com ‘birra’ da Galoucura já vieram dizer asneiras do tipo: Galoucura apóia a ditadura, Galoucura contra a Democracia.

Carregamos no sangue o orgulho de sermos Atleticanos, Brasileiros, Mineiros, a bandeira do René Barrientos atinge plenamente seu objetivo, a rivalidade,simples, pura e saudável”.

Ficam as indagações:

Saudável para quem?

Por que comemorar o assassinato de um líder do povo sofrido dos quais estes jovens fazem parte?

Por que não procurar um símbolo entre os grandes personagens com visão humanista e popular, que a própria Minas Gerais presenteou o povo brasileiro, para simbolizar a grandeza desta organização?

A constatação é que, ao se balizar apenas na rivalidade, a Galoucura desce os degraus da sua grandeza para se juntar aos inimigos da humanidade e do povo.

Via Vermelho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × um =