Nos últimos 20 anos, nenhuma unidade da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) cresceu tanto quanto o Instituto de Ciências Agrárias (ICA), que ganhou novos cursos, desenvolveu sua pós-graduação, incrementou sua pesquisa em sintonia com o desenvolvimento do semiárido e é dono de uma das mais potentes estruturas de extensão da Universidade. A avaliação é da reitora Sandra Regina Goulart Almeida, que conduziu, nesta última segunda-feira (13), a cerimônia de comemoração dos 55 anos de presença da UFMG em Montes Claros e da expansão da Moradia Universitária Cyro Versiani dos Anjos, que ganhou 40 novas vagas e passa acolher 148 residentes.
A cerimônia foi realizada no auditório do bloco C do ICA e reuniu dirigentes da Administração Central da Universidade – na data, a Reitoria foi transferida simbolicamente de Belo Horizonte para Montes Claros – gestores e ex-gestores da Unidade, estudantes, professores e servidores técnico-administrativos, autoridades regionais e imprensa local.
“São 55 anos da presença aqui. Não é pouca coisa”, disse Sandra Goulart, que citou outro marco na história da unidade, os 15 anos de transformação do Núcleo de Ciências Agrárias em Instituto de Ciências Agrárias, sua atual configuração. “É uma unidade que nasceu sem departamento, um modelo de organização considerado mais arrojado e que outras unidades buscam seguir”, destacou a dirigente.
O professor Helder dos Anjos Augusto, diretor da Unidade desde 2022, disse que o ICA representa a consagração de um projeto de vida de muitos estudantes de todo o país, em especial do Norte de Minas Gerais. “Percorremos quilômetros e quilômetros no Norte e Nordeste de Minas e até no Sul da Bahia. Conhecemos a realidade de nossa região. Parte de nossos estudantes são de famílias socialmente vulneráveis”, disse Helder.
Para superar essa dificuldade estrutural, os estudantes da UFMG em Montes Claros contam com a assistência estudantil, cujo carro-chefe, segundo Helder dos Anjos é a Moradia Universitária Cyro Versiani dos Anjos. “Moradia é uma das grandes barreiras ao acesso de estudantes pobres. A existência dela garante permanência e contribui para a redução de desigualdades e equalização de oportunidades”, salientou o diretor.

HOMENAGEM A UM AMANUENSE
A Moradia Universitária Cyro Versiani dos Anjos homenageia o escritor mineiro, nascido em Montes Claros, autor de clássicos da literatura brasileira como O amanuense Belmiro. Cyro, ex-estudante e ex-professor da UFMG, foi vice-presidente da primeira mesa diretora da Caixa do Estudante Pobre, instituição organizada em 1930 com a finalidade de angariar fundos para assistência aos estudantes com dificuldades socioeconômicas da UFMG. “Ele foi uma fonte de inspiração de nossa política de assistência”, afirmou a reitora Sandra Goulart.
Os estudantes que se mudaram há pouco mais de mês para o novo bloco da moradia são, em certa medida, beneficiários do legado do escritor montes-clarense. Um deles é Matheus Lopes do Nascimento, 19 anos, que cursa o segundo semestre de Agronomia. Nascido em Jaíba, há cerca de 200km de Montes Claros, o jovem, que morava em um condomínio nas imediações do campus, vê a nova casa também como “um novo ciclo de oportunidades e perspectivas de futuro”. Em sua cidade natal, Matheus trabalhava na área de irrigação de uma empresa produtora de uvas. Escolheu a UFMG por ser uma “instituição renomada” e também por inspiração de um antigo chefe, formado no ICA, cuja competência profissional admira.

HISTÓRIA
A origem do campus Montes Claros remonta à data de 11 de outubro de 1964, quando o Ministério da Agricultura criou o Colégio Agrícola “Antônio Versiani Athayde”. Inaugurada em 2 de julho de 1966, a instituição com sede em Montes Claros oferecia formação profissional de segundo grau para os trabalhadores da agricultura. Em 1968, a escola foi incorporada à UFMG, data considerada como marco da presença da Universidade na região.
Atualmente, o ICA oferece cursos de Graduação em Administração, Agronomia, Engenharia de Alimentos, Engenharia Agrícola e Ambiental, Engenharia Florestal e Zootecnia. Juntos, somam 242 vagas anuais. O campus da UFMG no Norte de Minas também oferece mestrado em Produção Animal, em Produção Vegetal, em Sociedade, Ambiente e Território (em parceria com a Unimontes) e em Alimentos e Saúde. A instituição mantém ainda especialização em Recursos Hídricos e Ambientais e Doutorado em Produção Vegetal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 18 =