Segundo entroncamento rodoviário do país, Montes Claros sofre com omissões nas suas principais estradas de acesso

 Durante sessão da Câmara Municipal de Montes Claros, o vereador Rodrigo Cadeirante criticou a omissão do governo do Estado quanto a fiscalização do cumprimento de contrato por parte da concessionária Eco-135, que administra a BR-135.
A empresa cobra R$ 8 – um dos valores mais altos do país – para carro de passeio em cada uma das seis praças de pedágio entre Montes Claros e Curvelo. Entretanto, segundo o vereador, a concessionária não oferece a contrapartida prevista no contrato de concessão celebrado com o Estado.
Rodrigo denunciou que há trechos em que a rodovia está esburacada e as obras de duplicação estão em ritmo lento e limitadas a um pequeno trecho da estrada, além da prática de crimes ambientais. “Enquanto isso, ao invés de fiscalizar, recentemente o governador veio à região, acompanhado de uma ´renca` de deputados, festejar o início das obras de duplicação, que é uma obrigação da empresa”, protestou.

Rodrigo Cadeirante ironizou as placas de “boa viagem” colocadas nas praças de pedágio. “Como ter boa viagem se estamos sendo roubados”, indagou.
Rachaduras – Durante a reunião Rodrigo Cadeirante se referiu a outra rodovia, a BR-365. Ele informou que enviou ofício ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), alertando sobre grandes rachaduras sobre a ponte do Rio Carrapato, na saída para Pirapora, em frente ao condomínio Gran Royalle.
Segundo ele, essa falha estrutural coloca em risco todos que trafegam pelo local. Rodrigo lembrou que a ocorrência de uma tragédia, quando esta é anunciada e as providências não são tomadas, é crime.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis − três =