Para o governador mineiro, apenas o Sul e o Sudeste seriam terras de ‘pessoas que trabalham’; Relembre últimas falas infelizes

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) esteve no 8º Encontro do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud) nesta sexta-feira (2), em Belo Horizonte, onde tentou fazer uma crítica ao Governo Lula mas acabou ofendendo os estados do Centro OesteNorte e do Nordeste do país. Segundo o político oriundo do mercado financeiro, apenas o Sul e o Sudeste seriam terras de “gente que trabalha”, enquanto as demais regiões viveriam de auxílios do govrno.

“Quando se fala em Sul e Sudeste nós temos aqui uma semelhança enorme. Se tem estados que podem contribuir para esse país dar certo, eu diria que são esses 7 estados. São estados onde, diferente da grande maioria, há uma proporção muito maior de pessoas que trabalham do que vivendo de auxílio emergencial”, afirmou.

No novo mandato, o governador mineiro coleciona uma série de gafes e falas infelizes como esta. Em 21 de abril, Dia da Inconfidência Mineira, a comunicação do seu governo afirmou que a revolta ocorrida no século XVIII seria um movimento golpista contra a monarquia portuguesa que governava o Brasil, por conta de uma política fiscal que desfavorecia os mineiros em detrimento da então capital, o Rio de Janeiro.

“Temendo as consequências do golpe à Coroa Portuguesa, os inconfidentes não confessaram seus crimes. O único a fazê-lo foi Joaquim José da Silva Xavier, que se tornou o Mártir Tiradentes, ao receber a pena mais dura, em 21 de abril de 1792”, diz a publicação.

Meses antes, em fevereiro, foi a vez do governador incomodar a cidade mineira de Divinópolis. Em entrevista a uma rádio local, cometeu uma gafe vergonhosa. Após conceder sua entrevista, o jornalista Flaviano Cunha, apresentador do programa, presenteou o governador com um livro da famosa escritora Adélia Prado, contendo uma seleção com 150 poemas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + dezoito =