Problemas internos da sigla podem levar à saída de deputados federais, estaduais e prefeitos

  Por Lucas Marchesuini

O PSB em Minas Gerais, segundo maior colégio eleitoral do país, está em pé de guerra. A sigla no estado pode enfrentar uma debandada, iniciada pela saída do deputado Júlio Delgado.

A bancada mineira do partido na Câmara tem três deputados e deve ficar apenas com um, o presidente da comissão provisória do PSB em MG, Vilson da Fetaemg. Além de Delgado, o deputado Emidinho Moreira está de saída.
Também devem desembarcar da legenda deputados estaduais, como o Professor Cleiton, e cerca de 20 dos 46 prefeitos eleitos pelo PSB em Minas Gerais em 2020.

Leia também

Agrava o quadro de insuficiência política do PSB de Minas Gerais

As queixas estão centradas na condução do partido no estado pelo deputado Vilson e pela falta de atenção dada ao estado pelo presidente do PSB, Carlos Siqueira. Como exemplo, integrantes do partido apontam que a comissão provisória ainda não se reuniu neste ano e que não há chapa sendo montada para deputados federais e estaduais até agora.

Segundo esse grupo, a inação faz com que o PSB seja escanteado nas negociações para montar a campanha do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, ao governo do estado. Kalil é do PSD e deve ser disputado pelo PT. O PDT também busca uma forma de colocar Ciro Gomes em seu palanque.

Via Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + cinco =